Woody Guthrie: Esta máquina mata fascistas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Pacheco
Enviar correções  |  Ver Acessos

Woody Guthrie é considerado um dos nomes mais importantes em toda a história da cultura popular norte-americana. Ele foi, praticamente, o criador da country-music moderna, que ajudou a promover através de uma vida de andarilho, onde as recompensas financeiras eram quase sempre nulas. Bob Dylan, por exemplo, costuma declarar a seus biógrafos que, se Woody Guthrie não tivesse existido, ele nunca teria abraçado a carreira musical.

Red Hot Chili Peppers: tocando Prince e Hendrix com Eddie Vedder; assistaHeavy Metal: "cristãos podem aprender muito com o gênero"

A Califórnia é um jardim do éden
Um paraíso para você e para mim,
Mas, acredite se quiser,
Você não vai achá-la tão incrível,
Se não tiver o Dó-Ré-Mi.

(Refrão de uma música chama "Dó-Ré-Mi" alusão ao "dim-dim" escrita por Woody Guthrie)


De cidade em cidade, cantando para o povo com seu violão (onde se lia, em letras grandes, "Esta máquina mata fascistas"), Guthrie viveu de maneira exatamente opostas aos superstars que conhecemos hoje. Apesar disso, sua importância na música atual é grande demais para ser medida.

No Carnegie Hall, em janeiro de 1968, aconteceu o histórico concerto em memória de Woody Guthrie, falecido no ano anterior. Bob Dylan, Judy Collins, Arlo Guthrie, Joan Baez, Ritchie Havens, Peter Seeger, Country Joe McDonald e Tom Paxton foram alguns dos artistas que participaram do evento, todos tendo em Guthrie a maior influência musical de suas carreiras, lotaram o teatro novaiorquino por três noites seguidas.


Desses concertos foi extraído o álbum duplo "A Tribute to Woody Guthrie, contendo os momentos mais emocionantes, e que foi lançado pela Warner Bros, no início da década de 70 e relançado posteriormente em 1976.

Os sons do andarilho Guthrie (Sérgio Moriconi)

"Esta Terra é Minha Terra", produzido em 1976, é um filme honesto. Acompanha parte da vida de Woody Guthrie, lenda da música folk americana, influenciador de Bob Dylan e de todo os que se aventuraram numa cruzada política contra o establishment.

O diretor Hal Ashby gosta da cultura pop e é visível seu envolvimento. Tem um certo talento como diretor e leva a vantagem de ter sido editor, colocando alguns efeitos de edição um pouco fora dos padrões convencionais, além de valorizar a fotografia, muito boa, a cargo de Haskell Wexley, contemplado com um Oscar pelo trabalho. E não é só. Deixa David Carradine parecer à vontade o tempo todo, ao ponto de criar cenas improvisadas, imaginando o que seria o processo de criação de Guthrie, o tempo todo visto como um vagabundo andarilho, tirando daí a inspiração para várias de suas canções, parte delas, aquelas não diretamente relacionadas com a instrumentalização da consciência política, baseadas em trivialidades como a necessidade de manter o passo (keep on walkin) enquanto a carona não vem.

Naturalmente várias cenas têm rodovias e estradas vicinais como cenários, evidenciando mais uma vez que, tanto Carradine, quando Ashby, devem ter contriubído com a própria imaginação, porque é improvável que detalhes corriqueiros e diálogos que supõem uma grande presença de espírito de Guthrie, tenham sido retirados de notas de diários e testemunhos de amigos, parentes ou o próprio filho, Arlo, também músico. É assim que pequenos incidentes aparecem, deixando para segundo plano uma reles descrição "objetiva", fixando-se nos conformes de entretenimento, sem abusar no entanto da superficialidade absoluta.

"Quanto mais se come, mais se caga", filosofa Guthrie no banco de trás do carro de um simpático casal de velhinhos, que, chocados, o colocam porta afora. Uma atitude vulgar demais para um indivíduo que morreu pobre, mas como herói, e ainda no seu leito de morte recebeu das mãos de um Secretário de Estado americano uma distinção de mérito pelos serviços prestados a grandes obras de engenharia.


Uma contradição? De maneira nenhuma, Guthrie era desprendido ao ponto de abandonar o emprego numa estação de rádio de Los Angeles, porque ouviu falar do projeto de um filme documentário que tinha como objetivo esclarecer a população sobre um programa de grandes barragens que visavam irrigar as terras de pequenos proprietários rurais, programa que era torpedeado pelas grandes empreiteiras, interessadas em fazer especulação na região. Guthrie se ofereceu para fazer a trilha do filme, e mais, mudou-se com a família, saiu a campo para conhecer o lugar, conversou com os trabalhadores, promoveu shows no canteiro de obras e acabou ganhando a simpatia do diretor do programa, que lhe cedeu um pequeno escritório onde pudesse escrever suas canções.

Durante toda a vida, Guthrie trabalhou para criar uma consciência sindicalista entre operários alijados dos benefícios que a constituição garantia. Escreveu em jornais comunistas e até sua morte em 1967 dedicou-se a esta única causa. Ashby omite acontecimentos importantes, entretanto, respeitou a dignidade do personagem com uma boa dose de bom senso.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Woody Guthrie"Todas as matérias sobre "Bob Dylan"


Red Hot Chili Peppers: tocando Prince e Hendrix com Eddie Vedder; assista

Rolling Stone: revista elege melhores faixas de álbuns ruinsRolling Stone
Revista elege melhores faixas de álbuns ruins

Rockstars: o quanto a carreira do pai pode influenciar a do filho?Rockstars
O quanto a carreira do pai pode influenciar a do filho?

UCR: Os 5 piores comerciais com astros do rockUCR
Os 5 piores comerciais com astros do rock


Heavy Metal: cristãos podem aprender muito com o gêneroHeavy Metal
"cristãos podem aprender muito com o gênero"

Kirk Hammett: Mustaine toca rápido e eu, melódicoKirk Hammett
"Mustaine toca rápido e eu, melódico"

Sepultura: Andreas Kisser explica por que nunca rolará reuniãoSepultura
Andreas Kisser explica por que nunca rolará reunião

Dave Mustaine: há bandas cujo nome me ofendeDave Mustaine
"há bandas cujo nome me ofende"

Fotos de Infância: Dave Mustaine, do MegadethFotos de Infância
Dave Mustaine, do Megadeth

Euronymous: o paradoxo do caos e da liberdadeEuronymous
O paradoxo do caos e da liberdade

Megadeth: Mustaine diz que novo álbum tem riffs do demônioMegadeth
Mustaine diz que novo álbum tem riffs do demônio


Sobre Mário Pacheco

Este corpo nasceu em Osasco/SP e desde dezembro de 1975, mora em Brasília. Em 1982, comecei fazendo fanzines, depois livros, cds e vídeos. Há um ano, assino e faço a edição de textos do site www.dopropiobolso.com.br.

Mais matérias de Mário Pacheco no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336