Blaze Bayley: exemplo incomparável de humildade e dedicação

Resenha - Blaze Bayley (Stonehenge Rock Bar, Belo Horizonte, 27/01/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Écio Souza Diniz
Enviar Correções  

Um exemplo incomparável de humildade e dedicação aos fãs. São as melhores palavras para definir a postura do carismático vocalista BLAZE BAYLEY (ex-IRON MAIDEN, WOLFSBANE) perante seus fãs nos shows. Em sua atual turnê, para divulgação do novo álbum, "King of metal" (2012), que está passando recentemente pelo Brasil, BLAZE tem feito shows memoráveis, nos quais os destaques andam sendo shows com versões acústicas de músicas de sua carreira solo como também clássicos do IRON MAIDEN, e o outro destaque, a interação com o público. Além de um show empolgante e cheio de energia, o show em Belo Horizonte no último dia 27 no Stonehenge Rock Bar teve para mim, e com certeza muitos outros, como uma grata surpresa a humildade e companheirismo de um grande nome do Heavy metal para com seus fãs, demonstrando que ao contrário do que muitos desinformados extremistas pensam, ele não se acha ‘o rei do Metal’.

Fotos de Infância: Bon Scott, do AC/DC

Mustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Colaboração de Iris Alves

Blaze (Foto: Maktvh Marquezini)
Blaze (Foto: Maktvh Marquezini)

A excepcional citada noite no Stonehenge teve inicio com a abertura de uma banda local, a excelente DINNAMARQUE, que mandou um set de músicas competentes, calcadas num Heavy Metal mais tradicional, com pitadas de Thrash, que começou a levantar a galera, como por exemplo, na execução da incisiva ‘One spirit of Thousand faces’ (EP, 2007). O nível técnico dos músicos é bem impressionante, e desta forma, não à toa, são uma das mais conceituadas bandas da capital mineira, tendo no seu currículo outros shows memoráveis ao lado de grandes bandas como a de folk metal finlandesa KORPIKLAANI, Thiago Bianchi (SHAMAN), ALMAH, CLAUSTROFOBIA, entre outros.

DINNAMARQUE (Foto: Iris Alves)
DINNAMARQUE (Foto: Iris Alves)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após a DINNAMARQUE veio também pra manter a energia e fazer os bangers baterem cabeça, seus conterrâneos da SACRIFICED, outra banda que têm se destacado no cenário belo horizontino e mineiro, e atualmente divulga seu debut álbum, "Path of reflections" (2011). A SACRIFICED também fez por donde de esquentar o clima, por meio de músicas já bem conhecidas de seu repertório como ‘Before a dream’, ‘Winds of liberty’ e ‘Call of insanity’, que recentemente recebeu um vídeo clipe, que está sendo divulgado no Youtube, e demonstra boa qualidade no Heavy/Thrash praticado pela banda. O encerramento com um cover para ‘Perry mason’ do OZZY fechou legal sua apresentação.

SACRIFICED (Foto: Iris Alves)
SACRIFICED (Foto: Iris Alves)

Depois dessa dose dupla de Metal bem enérgico, o violonista Thomas Zwijsen entrou no palco. Atualmente, o músico está divulgando seu álbum, "Nylon maiden", no qual ele toca versões de clássicos do IRON MAIDEN no violão de nylon, e neste show não decepcionou o público, demonstrando uma técnica muito apurada. A execução de clássicos como ‘Aces high’, ‘Run to the hills’, ‘The evil that men do’, ‘The trooper’ e ‘Wasted years’ impressionaram o publico, criando um clima extremamente animado. A violinista Anne Bakker, que juntamente com Thomas está acompanhando BLAZE na ‘King of resistance tour’, ainda tocou ao lado do violonista uma versão excelente para ‘Wasting love’.

Thomas Zwijsen (Foto: Écio Diniz)
Thomas Zwijsen (Foto: Écio Diniz)

Em um momento, digamos inesperado, BLAZE BAYLEY entra em cena, se juntando a Thomas e Anne, para começar o show com ‘Lord of the flies’ do IRON, e neste momento os fãs já foram à loucura. Aliás, para os fãs de IRON MAIDEN o show foi um prato cheio, pois ainda vieram para deixar a moçada insana versões acústicas excepcionais para músicas como ‘Como estais amigos’ (cantada em uníssono pelo público), ‘Futureal’, ‘Judgement of heaven’, ‘Man on the edge’, ‘The angel and the gambler’. E ainda tivemos as versões simplesmente apoteóticas para ‘The clansman’ e ‘Sign of the cross’, sendo que nestas duas últimas, Anne violentou seu violino com um feeling e precisão incríveis.

Anne Bakker (Foto: Maktvh Marquezini)
Anne Bakker (Foto: Maktvh Marquezini)
Blaze Bayley, Anne Bakker, Thomas Zwijsen (Foto: Maktvh Marquezini)
Blaze Bayley, Anne Bakker, Thomas Zwijsen (Foto: Maktvh Marquezini)

Como os ótimos trabalhos de BLAZE não estão restritos somente ao IRON, ainda foram tocados clássicos de sua carreira solo como a enfática ‘Soundtrack of my life’ do álbum "Blood and belief" (2004), que inclusive foi um dos momentos mais intensos do show. As músicas ‘Share at the sun’ e ‘The launch’ do álbum "Silicon messiah" (2000), ‘Stealing time’ do album "Tenth dimension" (2002) e ‘One more step’ do album "King of metal" (2012) completaram com set list com que há de melhor da banda BLAZE BAYLEY.

Foto: Maktvh Marquezini
Foto: Maktvh Marquezini

O cover de ‘Doctor, doctor’ do UFO também foi uma grata surpresa aos fãs. No decorrer do show BLAZE interagiu de forma muito humilde e amistosa com seus fãs, filmando-os e tirando foto com sua câmera, pegando na mão e agradecendo quase que ao término de cada música. BLAZE parecia se divertir profundamente junto ao público e em um momento do show, dentre as varias palavras de gentileza que proferiu, disse: "Após sair do IRON MAIDEN teve momentos em que eu me senti muito sozinho, mas hoje aqui em Belo Horizonte, eu não me sinto sozinho, mas sim entre bons amigos".

Ao encerrar o show BLAZE se colocou atrás do balcão do bar para dar autógrafos e tirar fotos com os fãs, e até se prestou a garçom, servindo o público. Já com o recinto menos lotado, o vocalista saiu e se juntou ao público para tirar fotos, tomar cerveja e conversar. Neste contexto, Thomas e Anne também pareciam também estar em um momento muito agradável de entrosamento com as pessoas.

O nome BLAZE BAYLEY, sinceramente deveria servir como um exemplo para muitas bandas que às vezes esquecem o significado e importância dos seus fãs. Além disso, BLAZE, apesar da importância de seu nome no Heavy metal, se mostra com tais atitudes um bom exemplo de ser humano. Acredito que o saldo geral do evento deva ser resumido em duas simples palavras: histórico e surreal.

E algo que não pode ser deixado de comentar aqui, é que a eficiência e qualidade do show também é mérito da MS BHz Comunicação e agência Open The Road, que são empresas empenhadas em trazer bandas e shows de grande qualidade para os headbangers brasileiros.

Em breve estará aqui publicada a entrevista realizada com BLAZE neste show.

Contato com os editores e colaboradores da matéria:

Écio Diniz
[email protected]

Maktvh Marquezini
flickr.com/photos/maktvh
flickr.com/photos/maktvh_marquezin
[email protected]

Iris Alves
http://www.facebook.com/iris.alves.520?fref=ts




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Fotos de Infância: Bon Scott, do AC/DCFotos de Infância
Bon Scott, do AC/DC

Mustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?Mustaine
Por que ele perdeu seu emprego no Metallica?


Sobre Écio Souza Diniz

Graduado em Ciências Biológicas e pesquisador na área de Ecologia e Evolução vegetal, sempre foi aficionado por leituras sobre o mundo do Rock/Metal. Além do metal, tem como paixões filmes de terror e épicos. Já participou como vocalista de várias bandas de Death/Grind, mas como nenhuma vingou se encontrou melhor em redigir matérias, fundando há alguns anos atrás o Pólvora Zine. Colabora também com vários sites especializados e com a revista Roadie Crew. Suas bandas preferidas são Iron Maiden, Black Sabbath, Dio, Dorsal Atlântica, Candlemass e Sarcófago.

Mais matérias de Écio Souza Diniz no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline WhipDin