Ratos de Porão: celebrando 30 anos com ex-integrantes

Resenha - Ratos de Porão (Hangar 110, São Paulo, 11/11/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernanda Lira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A última sexta-feira em São Paulo prometia ser histórica para o underground brasileiro no que diz respeito à música pesada. Sei que esse começo parece meio clichê, já que boa parte das resenhas que vemos por aí sempre começam com algo que engrandeça o evento, mas dessa vez, o que estava por vir era REALMENTE inesquecível. Isso porque o Ratos de Porão celebraria seus nada menos que trinta anos de carreira com um show no Hangar 110, que na semana recebeu a banda Satyricon.

414 acessosRatos de Porão: "Onisciente Coletivo" sairá em box set vinil 4x7"5000 acessosRobert Plant: "quase saí do Led quando meu filho morreu"

Como se apenas o fato de comemorar essa incrível marca não bastasse, a banda prometeu a participação especial de quase todos os ex-integrantes do grupo, coisa que muitos jamais imaginariam estar vivos para ver, afinal, acompanhar ao vivo a formação, por exemplo, que gravou Brasil e Anarkophobia, dois de meus favoritos, é digno de muita emoção.

Só uma coisa me incomodou desde o começo e o que eu previa infelizmente ocorreu: o Hangar, apesar de já tradicional, é uma casa pequena que comporta shows de pequeno e médio porte apenas. Levando em conta que esta seria uma data especial e que o RDP é uma das poucas bandas nacionais que unem e agradam sem problemas a fãs de punk, hardcore e metal, eu sabia que o público seria bem grande, e o que tristemente aconteceu foi que muita gente ficou de fora, já que os ingressos já haviam se esgotado boas horas antes do show. Uma pena, já que certamente muitos daqueles fãs die hard acabaram ficando sem poder fazer parte de uma noite tão memorável.

O outro ponto negativo, pelo menos pra mim, foi o fato de eu não poder ter acompanhado as bandas de abertura, devido ao já famoso trânsito quase imóvel da capital. Mas, segundo quem conferiu as apresentações dos americanos do Conquest for Death e dos brazucas do D.E.R., eles cumpriram muito bem seu papel de aquecer o público para a grande atração da noite.

Quando entrei no já então abarrotado Hangar 110 (nunca tinha visto mais cheio), estava passando no telão o maravilhoso e recém lançado (pela produtora Black Vomit) documentário sobre o Ratos, Guidable, que é uma boa dica para entender melhor a trajetória desses caras e entender o por quê de ver todos os integrantes reunidos nesse dia, era tão especial para quem estava ali.

Um pouco depois das dez da noite e após a extensa fila ter toda adentrado o local, subia ao palco sob muitos aplausos Jão, acompanhado pelo ex-baixista Jabá (seu companheiro de banda no Periferia S.A.) e Betinho, para tocar a música "Por quê?", a primeira composição do grupo, lá em meados de 1981.

O RDP preparou um set list que foi um verdadeiro presente para os fãs mais aficionados e que realmente conhecem a banda a fundo, como vocês perceberão ao longo do texto. A fim de que todos os ex-integrantes participassem, foram tocados sons de toda a carreira em ordem cronológica, fazendo com que um verdadeiro filme se passasse na cabeça de que acompanhou música a música. Essa formação tocou apenas mais uma música, "Corrupção", e em seguida Mingau se juntou para que fossem tocadas "Vida Ruim", "Não Podemos Falar", e também para prestar uma homenagem a Redson, vocalista da banda de punk Cólera, que faleceu recentemente.

Betinho deixa o palco e quem agora entra, após cumprimentar seu filhinho Pietro que assistiu a tudo com vista privilegiada ao lado de um dos amplificadores, é João Gordo, um dos vocalistas com performance mais carismática que conheço. Outra mudança que ocorreu, foi Jão ir para a bateria para que fossem tocadas a clássica "Morrer" e "Asas da Vingança". Pude perceber que além de alguns probleminhas recorrentes no som, o vocal do Gordo se mostrou baixo e muitas das partes do show. Durante toda a apresentação, entre uma música e outra ele falava coisas da história da banda relacionadas à música que iria ser executada em seguida, mas, pelo menos do ponto em que eu estava, por diversas vezes, mal pude escutar o que ele dizia! Porém, me lembro que ao apresentar o próximo a fazer uma jam, ele falou algo como "ele saiu por causa de mulher". Quem assistiu ao documentário sabe muito bem que ele falava do baterista Spaguetti, que assumiu as baquetas e fez, na minha opinião, uma das melhores participações da noite. Além de aparentar estar extremamente em forma e tocando algumas músicas até mais rápidas do que são, foi mágico ver a formação que gravou alguns dos álbuns que eu mais gosto. Foram tocadas "No Junk", "Tattoo Maniax", "Morte e Desespero", "Terra do Carnaval", "S.O.S. País Falido" e "Escravo da TV".

Novamente há substituições, e quem dá as caras são o baixista Walter e o batera Boka, integrante que permanece até hoje no time do RDP. Eles mandam o inusitado cover de Peter Frampton, "Breaking All the Rules", que integra o considerado um pouco mais fraco álbum "Just Another Crime in MassacreLand" e "Quando Ci Vuole". Após um breve de discurso de Jão sobre a ausência de Rafael "Pica-Pau", alegando algo relacionado a Igreja Budista, Gordo oferece a música "Atitude Zero" a ele enquanto Fralda fica a cargo das quatro cordas, para suprir a falta dele. Na sequência, são tocadas "Guerra Civil Canibal", "Engrenagem" e "Necrochorume", encerrando essa jam, para a entrada de Juninho Sangiorgio, que firma a formação atual da banda.

Antes de começar a falar sobre a parte final da noite, sem dúvida é preciso comentar sobre o público, que teve um papel essencial para que o show fosse tão marcante. Além de, novamente, terem lotado o bar, cantaram quase todas as músicas, até aquelas mais obscuras, não cessaram por um minuto os moshpits, tão comuns em shows da banda, e ovacionaram e gritaram o nome de todos os integrantes ali, mostrando a eles a importância de cada um deles para a sólida carreira do Ratos até hoje. Foi emocionante ver a participação intensa dos fãs, de vários estilos diferentes entre si, dos quai muitos eram headbangers. Legal ver isso bem na mesma semana em que ocorreu uma enorme polêmica acerca da "morte do metal nacional", que "só é representado pelo Sepultura e Angra". Alfinetadas à parte, palmas para os fãs.

Já próximo ao fim do set, foram tocadas Pedofilia Santa, Expresso da Escravidão e Paradoxos da Soberba. Após isso, aconteceu um dos momentos mais agitados da noite, onde foram tocados aqueles clássicos absolutos, fugindo da lógica cronológica adotada até então. Quando anunciada, "Crucificados pelo Sistema" alterou para mais agitado os ânimos de todo mundo ali, inclusive de quem escreve a vocês. Os stage-dives, cada vez mais intensos e os bate-cabeças absurdamente grandes tomaram conta também durante "Sofrer" e "Beber Até Morrer". Outra matadora foi "Aids, Pop, Repressão", cantada a plenos pulmões e celebrada por quem está mais íntimo das mais conhecidas da banda.

Com a introdução parecidíssima com a do indispensável álbum ao vivo lançado em 1992, "Herança", pelo menos para mim, inédita e inesperada, foi hiper bem recebida e foi nela que adquiri belos três 'galos' na cabeça e um joelho imobilizado por conta de um mosh de cabeça no p.a. e um mal-sucedido que me fez cair de cara no chão. Mas, com "Crise Geral" e "Periferia" na sequência, quem se importa com uma hematomazinho ou outro? Isso nada mais é que o resultado de ouvir músicas tão intensas e particularmente especiais - quem saiu de lá suado, com a roupa suja e abarrotada e roxos pelo corpo estava apenas cumprindo o imortal lema de estar "vivendo cada dia mais sujinho e agressivinho"!

Com todos os integrantes no palco, chegava a hora do fim. Poucas bandas conseguem atingir a marca de trinta anos de estrada de forma tão louvável como o Ratos e sem dúvida me orgulhei de estar presente em uma noite histórica como esta. Nada resta além de desejar que venham trinta anos mais e que possamos celebrar marcar como essa com outros grandes nomes da cena nacional, afinal, o que não faltam são bandas de qualidade.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Heavy MetalHeavy Metal
As dez melhores bandas sul-americanas do gênero

414 acessosRatos de Porão: "Onisciente Coletivo" sairá em box set vinil 4x7"173 acessosPanelaço do João Gordo: Baião de dois com Nina Rosa e Alan Chaves639 acessosRatos de Porão: veja making of do inédito DVD de 30 Anos da banda410 acessosPanelaço do João Gordo: Jaca atolada com Ice Blue228 acessosPanelaço com João Gordo: Filé de tofu com Rael0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ratos De Porao"

Ratos de PorãoRatos de Porão
Jão desmente informação da Veja

João GordoJoão Gordo
"Velho, o rock está morrendo!"

Not TrooNot Troo
João Gordo posta foto com James Hetfield na Disney

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Ratos De Porao"

Robert PlantRobert Plant
"Quase saí do Led quando meu filho morreu!"

MetromixMetromix
A lista dos vocalistas mais irritantes do rock

Guitar WorldGuitar World
Os 50 guitarristas mais rápidos de todos os tempos

5000 acessosAxl Rose: Um dos vocalistas com maior alcance5000 acessosRock in Rio: Os cachês e exigências dos artistas na edição de 19915000 acessosSepultura: saiba mais sobre as visões religiosas de Derrick5000 acessosLegião Urbana: "Faroeste Caboclo" com censura da Globo5000 acessosPaul Di'Anno: "Drogas vão cobrar seu preço! Veja meu exemplo!"5000 acessosRoots Bloody Roots: versão arrasadora com Soulfly e Igor Cavalera

Sobre Fernanda Lira

Sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Fernanda Lira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online