Black Label Society: apresentação marcante em Goiânia

Resenha - Black Label Society (C. C. Oscar Niemeyer, GO, 16/08/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Murilo Bastos Aranha Alves
Enviar Correções  

A passagem do Black Label Society em Goiânia dia 16 de agosto de 2011 provavelmente foi um acontecimento pra ficar marcado na história dessa cidade.

Anette Olzon: ex-vocal do Nightwish trabalha como enfermeira de segunda a sexta

Novas caras do metal: 40 bandas que você precisa conhecer

Comecemos pelas bandas de abertura. Parabéns ao Mugo e ao Black Drawing Chalks, que não deixaram nada a desejar e souberam representar muito bem o rock produzido em "Goiânia Rock City". Destaque para Pedro, vocalista da banda Mugo, primeira a se apresentar na noite, que agradeceu ao público pela presença em massa dos cerca de 3 mil fãs do Black Label Society, e também ao baixista do Black Drawing Chalks, Denis, que parecia tocar seu baixo em êxtase.

O Black Label Society entrou no palco por volta das 10h e 15 min. O público presente no Centro Cultural Oscar Niemeyer ficou cerca de 2 minutos estático escutando a introdução com New Religion, que rapidamente deu lugar a muita fumaça e sirenes tocando. Era o começo do tão esperado show que se iniciou com Crazy horse, botanto o Palácio da Música abaixo. Desde então ninguém mais ficou parado. Ouso a dizer que foi o show que contou com o publico mais vibrante e leal do país (O público daqui sabe o quanto eventos como esse são importantes e raros por aqui). A galera só parou de pular com Darkest Days, que todo mundo cantou junto ao Zakk e acendeu o isqueiro. Logo em seqüência veio a pancada de Fire it up.

E então chegamos a um dos momento mais esperado momento da noite: o solo de guitarra de Zakk Wylde, que fez a galera ficar observando, escutando e ao ir ao delírio quando Zakk solava e pedia pra galera gritar. Após o solo, veio mais uma do ‘Older of the Black’: Godspeed Hellbound.

Pra finalizar, o Black Label Society tocou Stillborn, talvez a música mais esperada do show, depois de Bleed for me, executada no começo.

A impressão que a banda passou no palco foi a melhor possível. Zakk carrancudo, porém Nick Catanese e John DeServio pareciam se sentir em casa. Pulavam e interagiam com a galera. Zakk finalizou o show com os famosos socos no peito, como um gorila.

O que se viu no show de Goiânia foi um mega evento pra ninguém colocar defeito. Parabéns aos organizadores, e diga-se de passagem: esperamos outras bandas.

Set-List:

1 - New religion
2 - Crazy horse
3 - Funeral Bell
4 - Bleed for me
5 - Demise of Sanity
6 – Overlord
7 – Parade of the Dead
8 – Born To Lose
9 – Darkest days
10 – Fire it up
11 – SOLO
12 – Godspeed hellbound
13 - The Blessed hellride
14 - Suicide Messiah
15 – Concrete Jungle
16 – Stillborn




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Zakk Wylde: conheço a maioria que posta no BlabbermouthZakk Wylde
"conheço a maioria que posta no Blabbermouth"

Haja pente: os músicos mais cabeludos e barbudos do RockHaja pente
Os músicos mais cabeludos e barbudos do Rock


Anette Olzon: ex-vocal do Nightwish trabalha como enfermeira de segunda a sextaAnette Olzon
Ex-vocal do Nightwish trabalha como enfermeira de segunda a sexta

Novas caras do metal: 40 bandas que você precisa conhecerNovas caras do metal
40 bandas que você precisa conhecer


Sobre Murilo Bastos Aranha Alves

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin