Journey em SP: Quem não foi perdeu um grande show!

Resenha - Journey (Via Funchal, São Paulo, 30/03/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ana Clara Salles Xavier
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.






















Quando eu comentei com alguns amigos meus que iria cobrir o show do JOURNEY, a reação que mais ouvi foi: sem o vocalista original (STEVE PERRY) não é a mesma coisa, por isso nem vou me dar ao trabalho de ir ao show dos caras. Pensamento equivocado e preconceituoso. Porque quem estava no Via Funchal no dia 30/03, além de conferir a primeira apresentação da banda no nosso país, pôde confirmar que ARNEL PINEDA não deve nada a nenhum dos outros vocalistas que já passaram pelo JOURNEY.

O show de abertura ficou por conta da lendária banda SWEET. Assistir a essa apresentação foi como entrar numa cápsula do tempo e voltar nos idos de 60/70. Com músicas como "Fox on the run", "Teenage Rampage" e "Little Willy" eles empolgaram as muitas pessoas que já estavam no Via Funchal. A banda ainda exala muita energia no palco. E se o show já estava sendo um sucesso, esse aumentou quando eles tocaram "Ballroom Blitz", encerrando a apresentação. Foi a abertura perfeita para que o público pudesse receber o JOURNEY.

E essa teoria foi comprovada quando ARNEL PINEDA (vocais), NEAL SCHON (guitarra), JONATHAN CAIN (teclados), ROSS VALORY (baixo) e DEEN CASTRONOVO (bateria) pisaram no palco do. Com uma pequena introdução e deixando todos os presentes loucos (afinal, era a primeira apresentação dos caras por aqui desde a formação da banda) o JOURNEY não teve dó nem piedade. Mandou logo de cara "Separate ways". ARNEL PINEDA canta muito. MUITO! Com o timbre de voz igual o do STEVE PERRY, mas sem deixar de ter seu próprio estilo, ele usava uma camiseta do Brasil e não parava de pular, mexer com quem estava na grade e ajoelhar para ficar mais perto da galera.

Os integrantes do JOURNEY sabiam o que o público queria ouvir: os clássicos, é claro. Afinal, tantos anos esperando por esse dia, músicas como "Only the Young", "Ask the lonely", "Mother Father" (com DEEN CASTRONOVO nos vocais) e "Wheel in the sky" não podiam ficar de fora do set. Assim como as já conhecidas baladas. E elas foram executadas, deixando o público ainda mais na mão da banda. Músicas como "Lights" e "Open arms" também foram tocadas, deixando os fãs completamente malucos e cantando todas as letras. Será que a banda esperava uma reação assim?

Aproveitando a deixa, o JOURNEY apresentou 5 músicas inéditas. E que também foram bem recebidas pelos fãs. Foram elas: "Ressonate play", "Chain of love", "Edge of the moment", "Human feel (rise up) e "City of hope", essa última dedicada ao Japão. Com certeza, elas foram só um aperitivo para o que vem por aí.

"Faithfully" foi outro momento inesquecível do show. Precedida por um lindo solo de teclado de JONATHAN CAIN, os isqueiros foram levantados e mais uma vez, o público cantou tudo. E quando não podia ficar mais emocionante, a banda manda o super-ultra-mega-ultimate hit "Don't stop believing"!

Depois, foi hora da banda sair do palco e ficar aquele suspense para que todos aguardassem o bis. E ele veio e não poderia ter sido melhor. Encerrando com "Who's crying now", o JOURNEY com certeza encheu a barriga dos fãs que tanto aguardavam por esse momento.

E pra quem deixou de ir ao show porque não era o STEVE PERRY que estava cantando, perdeu uma p*ta apresentação por preconceito bobo!

Que eles não demorem a nos visitar, pois os fãs brasileiros querem JOURNEY!

SET LIST
Separate Ways (Worlds Apart)
Edge of the Moment
Only the Young
Ask the Lonely
Resonate
Stone in Love
Keep on Runnin'
City of Hope
Lights
Open Arms
Mother, Father
Chain of Love
Escape
Wheel in the Sky
Human Feel (Rise Up)
Be Good to Yourself
Faithfully
Don't Stop Believin'

BIS:
Anyway You Want It
Lovin', Touchin', Squeezin'
Who's Crying Now



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Journey"Todas as matérias sobre "Sweet"


Ultimate Classic Rock: lista dos melhores álbuns de 1981Ultimate Classic Rock
Lista dos melhores álbuns de 1981

Rock of Ages: uma celebração à farofice do Rock N' Roll!Rock of Ages
Uma celebração à farofice do Rock N' Roll!

Frontman: quando o original não é a melhor opçãoFrontman
Quando o original não é a melhor opção


Tragédias: 10 das piores ocorridas em shows de Rock e MetalTragédias
10 das piores ocorridas em shows de Rock e Metal

Restart: Trecho de Enter Sandman do Metallica no VMB 2010Restart
Trecho de "Enter Sandman" do Metallica no VMB 2010

Megadeth: as 10 maiores tretas de Dave MustaineMegadeth
As 10 maiores tretas de Dave Mustaine

Guitarristas: você consegue identificar todos nesta imagem?Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comSkid Row: Rob Affuso diz que nunca entendeu Axl RoseThrash Metal: os melhores álbuns de 1983 a 2016

Sobre Ana Clara Salles Xavier

Ana Clara Salles, 24 anos, paulistana. Fã do Guns n' Roses, Black Label Society, Judas Priest, Led Zeppelin e Beatles, no seu acervo musical tem espaço também para bandas dos anos 80 como Sisters of Mercy e Depeche Mode. Afinal, como já disse uma vez Friedrich Nietzsche: "sem música, a vida seria um erro".

Mais matérias de Ana Clara Salles Xavier no Whiplash.Net.