Entombed: comentários sobre o show no Hangar 110

Resenha - Entombed (Hangar 110, São Paulo, 29/11/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Adriano Coelho
Enviar Correções  

Numa avalanche de shows que está ocorrendo na cidade de São Paulo, parecia ser impossível alguém acreditar no Entombed. Afinal tivemos na mesma semana o medalhão AC/DC e o Skid Row (que hoje não tem a mesma força dos anos 90). Sem contar nas semanas anteriores, quando grupos de estilos diferentes tomaram a cidade. Shows como Exploited, Twisted Sister, Kreator, Prodigy, Agnostic Front, Faith No More, entre outros, foram comentários dos últimos meses. Mas existem os fãs fieis que não estão preocupados com clássicos ou queridinhos da mídia, e sim com a força do underground.

Metal Hammer: 10 álbuns essenciais do death 'n' roll, segundo William Boyd

Bayley, Wilson e Cherone: grandes erros na história de grandes bandas

Apesar de tudo, o Hangar 110 estava vazio. Como todos sabem o Entombed é uma banda de Death Metal sueca, que hoje é rotulada de Death’n’Roll, pelo fato deles se diferenciarem das outros grupos do estilo, já que o som deles tem influencia de rock n roll, stoner e hardcore.

Infelizmente cheguei tarde e não assisti ao show da banda brasileira Desalmados, que conta no baixo com a minha amiga Piti, mas todos que estavam presente gostaram do grindcore do grupo. Durante o intervalo o comentário do público era sobre o show do AC/DC, tanto de quem teve o prazer de assistir, como aqueles que não foram. Não se esquecendo do campeonato brasileiro de futebol, já que a penúltima rodada era mais comentada do que qualquer outro assunto, além de alguns com camisas de seus times, destaque para um palmeirense e um corinthiano que chegaram juntos.

O show começa com atraso. A passagem de som foi feita um pouco antes. Rodas começaram se abrir, e o palco foi invadido por diversas vezes; a segurança local estava falha e a paciência dos músicos era fora do comum. Pareciam gostar da bagunça. O vocalista Lars Goran apesar de ser um grande frotman, parecia cansado, isso com certeza devia-se à longa turnê sul americana.

Os fãs sabiam todas as musicas, mas percebe-se que o álbum "Wolverine Blues" de 1993, é o mais querido. As canções que eu destaco são: "Crawl", "Stranger Aeons", "Demon" e "Out of Hand". Animação, velocidade, peso e muita simpatia. Apesar das invasões que citei, não houve em momento algum violência por parte do público. Parabéns à Highlight Sounds Por acreditar no Underground. Depois do show tive o prazer de entrar no camarim, e posso afirmar que o batera Olle é muito engraçado.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal Hammer: 10 álbuns essenciais do death 'n' roll, segundo William BoydMetal Hammer
10 álbuns essenciais do death 'n' roll, segundo William Boyd

Earache: Quebra-cabeças de clássicos lançados por Entombed, Morbid Angel e Napalm DeathEarache
Quebra-cabeças de clássicos lançados por Entombed, Morbid Angel e Napalm Death

Contos da Cripta: 30 anos de Left Hand Path (Entombed)Contos da Cripta
30 anos de "Left Hand Path" (Entombed)

Amorphis: turnê com Nervosa e Entombed A.D. cancelada


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1990Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1990

Kiss: as dez mais pesadas releituras de músicas da bandaKiss
As dez mais pesadas releituras de músicas da banda


Bayley, Wilson e Cherone: grandes erros na história de grandes bandasBayley, Wilson e Cherone
Grandes erros na história de grandes bandas

Curiosidade: capas de álbuns com ilusões de óticaCuriosidade
Capas de álbuns com ilusões de ótica


Sobre Adriano Coelho

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin