Iron Maiden: Após duas horas ainda teve fã que achou pouco

Resenha - Iron Maiden (Pedreira Paulo Leminski, Curitiba, 04/03/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por André Molina
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O dia 04 de março deveria se tornar feriado em Curitiba depois do espetáculo realizado pela banda Iron Maiden na Pedreira Paulo Leminski. Os ingleses subiram ao palco pontualmente às 21h após o show de abertura da filha de Steve Harris, Lauren Harris. Além do show, o público de 22 mil pessoas pode presenciar as belezas naturais do local. Formações rochosas, araucárias e até mesmo um lago contribuíram com o cenário da “Somewhere Back In Time”.

2227 acessosIron Maiden: Pacote especial com Eddie para o Angry Birds5000 acessosMetallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupo

Fotos: Makila Crowley

Após a execução mecânica do tema instrumental “Transylvania” (gravada no disco de estréia do grupo), acompanhada de imagens do avião do Iron Maiden, transmitidas pelo telão, o público sentiu a primeira adrenalina com o pronunciamento de Winston Churchill, que antecede a canção “Aces High”.


Como no início do famoso show da turnê de “Live After Death”, a segunda canção executada pela banda foi “Two Minutes To Midnight”. É incrível como o cantor Bruce Dickinson está cantando como na década de 80. Ele teve uma performance muito melhor do que na turnê de divulgação do disco "Fear Of The Dark” em 1992, por exemplo.

Em seguida, o Maiden executou “Revelations”, do disco “Piece Of Mind”. Na terceira canção o público presenciou o único problema técnico da apresentação. No momento do solo, a guitarra de Janick Gers não apareceu. Ao contrário da apresentação de São Paulo, a qualidade do som de Curitiba estava ótima. Normalmente é difícil equalizar bem o som na Pedreira. O local é semelhante a uma grande cratera, facilitando o surgimento de ecos.

A sessão “Piece Of Mind” continuou com “The Trooper”. Uniformizado, o vocalista Bruce Dickinson levantou a bandeira do Reino Unido e deixou a platéia mais excitada.

A cada canção, o pano de fundo do palco mudava de acordo com a discografia. Depois de abordar os discos “Powerslave” e “Piece Of Mind”, foi a vez de “Somewhere In Time” ser representado pela canção “Wasted Years”.

Em seguida, a banda tocou a clássica “The Number Of The Beast”. No início da canção, algo inesperado aconteceu. O cantor Bruce Dickinson trocou a segunda frase da canção pela terceira. O baixista Steve Harris e o vocalista sorriram ironicamente.

A maioria dos fãs sabiam que a nova turnê do Iron Maiden prioriza os discos “Powerslave”, “Somewhere In Time” e “Seventh Son Of Seventh Son”. Após “The Number”, a canção apresentada foi “Can I Play With Madness”, que esfriou um pouco os ânimos da platéia.

Em compensação, a música seguinte caracterizou o grande momento do show. Em “Rime Of The Ancient Mariner”, a banda pode demonstrar toda sua técnica e musicalidade. Além do fôlego de Dickinson, não se pode deixar de mencionar as performances dos guitarristas Adrian Smith, Dave Murray, Janick Gers e, principalmente, do baixista Steve Harris, que apontava seu instrumento para a platéia como se fosse uma metralhadora.

Ao retornar com a sessão “Powerslave”, o grupo aproveitou para executar a faixa título do disco de 1984. Quem esteve presente no show da banda realizado em janeiro de 1985 no primeiro Rock in Rio pôde sentir um ar de nostalgia.

No decorrer da apresentação, o Iron Maiden não deixou a peteca cair. A banda executou canções mais previsíveis como “Run To The Hills”, “Fear Of The Dark” e “Iron Maiden” e músicas obscuras que presentearam os fãs mais antigos. A inesperada “Moonchild” com a introdução do “Seventh Son” foi considerada uma das grandes surpresas. Outra que levantou bastante o público foi “The Clairvoyant”. Quem se destacou bastante na canção foi o guitarrista Adrian Smith. Em “Iron Maiden”, o Eddie de "Somewhere in Time" desfilou no palco e recebeu aplausos. Já em “Fear Of The Dark”, Bruce Dickinson subiu no andaime do palco e quase perdeu o tempo para entrar na música novamente.


Para fechar o repertório, como não poderia deixar de ser, a “donzela” apresentou “Hallowed Be Thy Name”. Na música que encerrou a apresentação, Bruce Dickinson continuou cantando com vigor e o baterista Nicko Mc Brain “desceu a lenha”.

Com um completo show de duas horas de duração, ainda teve fã que achou pouco. Uma das canções que foi bastante pedida, mas não estava no repertório, foi “The Evil That Men Do”. Quem sabe na próxima!

A filha do chefe

O show de abertura da banda de Lauren Harris começou às 20h00 e teve meia hora de duração. O som lembra bastante o Hard Rock da década de 80. Os riffs utilizados são parecidos com os de canções oitentistas de Ozzy Osbourne. Percebe-se influência de Van Halen, mas não dá para negar que Lauren pode se tornar uma cantora no mesmo patamar da adolescente Avril Lavigne. Dificilmente seu estilo agradará os fãs da banda de seu pai.

O público recebeu com respeito e aplaudiu bastante, mas estava ansioso para assistir o Iron Maiden. A meia hora de show foi meio longa.

SETLIST:

ACES HIGH
2 MINUTES TO MIDNIGHT
REVELATIONS
THE TROOPER
WASTED YEARS
THE NUMBER OF THE BEAST
CAN I PLAY WITH MADNESS?
RIME OF THE ANCIENT MARINER
POWERSLAVE
HEAVEN CAN WAIT
RUN TO THE HILLS
FEAR OF THE DARK
IRON MAIDEN
Bis:
MOONCHILD
THE CLAIRVOYANT
HALLOWED BE THY NAME

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Iron Maiden (Pedreira Paulo Leminski, Curitiba, 04/03/2008)

5000 acessosIron Maiden: ainda uma banda única no que faz5000 acessosIron Maiden: Em Curitiba, um verdadeiro presente para os fãs


Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 05 de março de 2016


Iron MaidenIron Maiden
Pacote especial com Eddie para o Angry Birds

393 acessosRio Rock City: Por que há poucas parcerias no Rock e no Metal?34 acessosEm 04/11/2002: Iron Maiden lança a coletânea Edward The Great1200 acessosBruce Dickinson: O Picasso do Metal0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
Steve Harris não foi o primeiro baixista?

Nicko McBrainNicko McBrain
"Imagine eu tocando Run to the Hills com 73 anos!"

O endereço do RockO endereço do Rock
8 locais imortalizados em músicas famosas

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"


MetallicaMetallica
New Music Express elege as melhores músicas do grupo

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

Heavy MetalHeavy Metal
Diagrama explica a origem dos nomes de bandas

5000 acessosVocalistas: Os 10 melhores da história do rock5000 acessosKiss: a mais longa e reveladora entrevista de Eric Singer5000 acessosCapas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da história5000 acessosAC/DC: demência não foi o único problema de Malcolm5000 acessosBruce Dickinson: não sabia que "Tears..." era sobre Robin William5000 acessosMetallica: Kerrang! por dentro da mente de Lars Ulrich

Sobre André Molina

André Molina é jornalista, economista e começou a ouvir heavy metal ainda quando era criança. Tem 30 anos de idade e Rock 'n' Roll é sua religião.

Mais matérias de André Molina no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online