Matérias Mais Lidas

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemPrika Amaral diz que fica feliz com o sucesso alcançado banda Crypta

imagemGordo diz que atualizou termos politicamente incorretos após puxão de orelha de filha

imagemFãs de Stranger Things do Tik Tok querem cancelar o Metallica

imagemDavid Ellefson diz que você conhece seus amigos quando a m*rda bate no ventilador

imagemA opinião de Marcelo Barbosa sobre cancelamento de Metallica e Pantera por racismo

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemGuitarrista do Skid Row diz que não fala com Sebastian Bach e não pensa em fazer pazes

imagemArtigo na Far Out Magazine aponta James Hetfield como pior letrista da história do metal

imagemFloor Jansen diz que achou que não fosse conseguir cantar nova música do Avantasia

imagemResenha - Max e Iggor Cavalera (Audio, São Paulo, 07/08/2022)

imagemAnthrax cancela mais um show que seria realizado no Texas


Dream Theater 2022

Marilyn Manson: No Rio, Manson foi uma competente versão de si mesmo

Resenha - Marilyn Manson (Fundição Progresso, Rio de Janeiro, 25/09/2007)

Por Cláudio Borges
Em 26/10/07

Marilyn Manson é mais conhecido pelo seu comportamento extravagante do que pela sua música. A (má) fama precede qualquer nota tocada. Devido a isso, há sempre uma aura de "qualquer coisa pode acontecer" e extravagância por onde passa.

Não foi diferente na sua primeira apresentação no Rio de Janeiro. A Fundição Progresso parecia uma festa de halloween fora de época ou um boate gótico-erótica, tamanha a profusão de lingeries a mostra, botas de salto plataforma, máscaras, couro, vinil e muita, mas muita maquiagem.

Se os fãs tentavam se espelhar no ídolo, este parecia distante das práticas e do senso estético que criou. Pois o cantor, que entrou no palco às 22:30h, passaria incólume em qualquer lugar não fosse a pesada maquiagem ostentada.

A gótica "If Was Your Vampire", do último CD, "EAT ME DRINK ME", foi a escolhida para descortinar o palco e apresentar os músicos Tim Skold (guitarra, ex-Shotgun Messiah), Rob Holliday (baixo, ex-Prodigy e The Mission), Chris Vrenna (teclado, ex-Nine Inch Nails) e Ginger Fish (bateria), o único remanescente da formação original. Cantando com um microfone encaixado a um falso punhal e todo de preto, Manson foi recebido com os uivos de uma platéia ensandecida. Na sequência, "Disposable Teens" arrancou o primeiro canto em uníssono e fez com que todos tentassem chegar mais perto do palco. Um problema técnico parou o show por cerca de 10 minutos. Ao retornar, MM gracejou: "vocês cantam tão alto que danificaram um dos equipamentos". Se saiu bem. "mOBSCENE" fez a platéia esquecer esse pequeno contratempo e voltar a cantar.

Mesmo sendo o foco das atenções, o Anti-Cristo Superstar parece ter deixado a idade (ou seria o novo relacionamento?) o tornar um tanto "careta". Não fez nada que desabonasse sua conduta: não houve bíblia rasgada, nenhuma auto-flagelação, não mostrou a bunda (ainda bem!) e seu palco era o mais discreto possível. Apenas uma solitária bandeira com as iniciais MM em vermelho cobria alguns amplificadores no fundo do palco. Numa tentativa de baixar os custos, a produção trouxe a versão light do espetáculo. Em todos os sentidos.

Apesar da competência e profissionalismo, ou talvez por conta do seu excesso, o show foi ficando cada vez mais burocrático. Após "Sweet Dreams" (Eurythmics), o público foi esfriando. A vibração de outrora só retornou em "Heart Shaped Glasses" e "Rock is Dead".

Tarde(?) demais. "The Reflecting God" fez o grupo sair de cena. Um longo intervalo se seguiu (parecia mais um problema técnico) e "The Beautiful People" fechou a tampa do caixão. Para surpresa geral, afinal foram apenas 70 minutos de show, as luzes são acesas. Ficou a sensação de que sem o característico show de horrores, Marilyn Manson não passa de uma competente versão de si mesmo.

01-Intro (Piano Flat)
02-If I Was Your Vampire
03-Disposable Teens
04-mOBSCENE
05-Irresponsible Hate Anthem (we hate love, we love hate)
06-Just a Car Crash Away
07-Medley Sweet Dreams/Lunchbox
08-The Fight Song
09-Putting Holes in Happiness
10-Heart Shaped Glasses
11-The Dope Show
12-Rock is Dead
13-The Reflecting God
14-The Beautiful People

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Marilyn Manson: ele não é nazista, apenas gosta de suásticas?

Rockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmes

Hall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do Metal

Kurt Cobain e a banda brasileira que mexeu com ele: "eles foram muito revolucionários"

O trocadilho picante que Ney fazia em "Pro Dia Nascer Feliz" que Cazuza gargalhava