Nightwish: A apresentação no Rio foi um sucesso absoluto

Resenha - Nightwish (ATL Hall, Rio de Janeiro, 28/07/2002)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafel Carnovale e Anderson Guimarães de Carvalho
Enviar correções  |  Ver Acessos

A passagem da banda Nightwish pelo Brasil pode ser descrita como um sucesso absoluto. Casa cheia em quase todas as cidades, fãs com empolgação a mil, uma banda coesa e bem entrosada, e a vocalista Tarja Turunen cada vez mais perfeita em suas interpretações. Mas um momento especial deve ser creditado à primeira visita desta banda à cidade maravilhosa. A empolgação da banda, que tinha viajado durante quatro horas na noite anterior, somada à loucura e ao "frenesi" dos fãs, provocou uma química perfeita, empolgante, e até emocionante.

Frances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãKing Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal



O dia começou com a tarde de autógrafos, realizada na loja Hard N'Heavy do Flamengo (Rua Marques de Abrantes, 177, Loja 116). Marcada inicialmente para as 15 horas, a galeria aonde fica instalada a loja começou a receber, desde as 8 e meia da manhã, fãs que esperavam ansiosos por um autógrafo, uma foto, ou quem sabe umas palavras com o quinteto finlandês. A primeiríssima a chegar foi Cecília, uma estudante de 18 anos que emocionada e quase em prantos declarou "ter conhecido a banda através de um amigo e que amava a todos eles". Disse ainda "que esperava ansiosamente pelo show e mesmo que Tarja saísse da banda ela continuaria uma fã incondicional". Sua emoção era visível, assim como o nervosismo de vários fãs. Mas tudo foi bem organizado e o evento correu sem maiores problemas. Se empolgação e emoção fossem problemas, estaríamos ferrados nesse dia.

As 15 horas, dito e feito: Nightwish no Rio. Tarja, Tuomas, Jukka, Emppu e Marco chegavam à Hard N'Heavy. A emoção foi total. Fãs em estado de êxtase gritavam o nome da banda e o nome da vocalista e dos demais integrantes. A entrada na loja teve que ser rápida. Mas tão logo os finlandeses adentraram o recinto, percebeu-se a emoção de muitas pessoas. Muitos fãs chegavam a chorar, só de ter visto a banda passar.



A tarde correu sem grandes problemas, com uma banda super simpática e acessível, autografando um item por pessoa (medida adotada para evitar tumultos) e tirando fotos com todos. Conseguimos tirar boas fotos de Tarja e Tuomas, que se mostraram simpáticos e até surpresos com o agito que ocorreu. Deve-se ressaltar a simpatia e o carinho com o qual a banda tratou seus fãs. Em vários momentos parecia que a banda homenageava os fãs, com sorrisos e atitudes amigas. Foi um grande evento. "Inesquecível", disse a vocalista Tarja, que ainda recebeu presentes de vários fãs, esbanjando empolgação. "Não consigo acreditar até agora" confidenciou-me o guitarrista Emppu em um momento quando tirávamos fotos de todos. Alguns, como Tuomas, mostravam cansaço, mas não deixavam a peteca cair. Parabéns à Hard N'Heavy e à Top Link por propiciar esse grande momento aos fãs, com uma organização exemplar e muito cuidado com as pessoas que chegaram ao local. Ao término do mesmo declarações de amor e loucura imperavam pelas pessoas que saíam da loja. Muitas saíam pulando e gritando, não conseguindo esconder a emoção.

Terminada a tarde de autógrafos, vamos ao show: O Atl Hall, recém reformado, teve sua capacidade reduzida para 7000 pagantes. O show teve 3500 a 4000 pessoas, o que para um show de metal no Rio de janeiro é algo muito inspirador. Os portões foram abertos às 20h30, sendo que o show de abertura começaria as 21h00, o que motivou a formação de uma fila gigantesca na entrada, mas tudo correu sem maiores rebuliços (além dos que são comuns a qualquer evento).

As 21h00, a banda de Manaus, Glory Opera, subiu ao palco para aquecer as turbinas para a grande noite. Executaram 5 temas em 30 minutos, sendo um cover do Symphony X e outro do Angra ("Nothing to Say"). A banda é competente, o vocalista tem um timbre de voz potente, muito inspirado em Michael Kiske, o baixista e os guitarristas são virtuoses. Mas em seus temas a banda demonstra um excesso de virtuosismo que algumas vezes chegou a ser entediante. Temas que começavam rápidos e empolgantes descambavam para solos intermináveis de guitarra e teclado, e para diversas quebradas de andamento por toda a música. Se abandonassem um pouco o excesso de vituosismo e tocassem mais "direto", o show seria perfeito, pois a banda soube agitar os fãs, que berravam o tempo todo "Cadê o cd! Cadê o cd!". Um show mediano, mas que serviu para aquecer a galera para o que estava para vir.


As 22h00 as luzes se apagam e o povo entra em frenesi. O palco começa a ser tomado por uma névoa branca e a intro do show começa. Jukka assume seu posto na bateria e o Nightwish entra já arregaçando com "Bless the Child" do novo cd, "Century Child". De cara nota-se que a banda cada vez mais se especializa em performance de palco, principalmente o guitarrista Emppu e Tarja, que está muito mais integrada ao ambiente heavy metal, agitando o tempo todo e conclamando a galera a agitar, embora seu potente vocal estivesse muito baixo nessa música.

"End of All Hope", também do novo cd é a seguinte, e o heavy metal com influências clássicas da banda conquista a galera de vez, que canta as músicas em uníssono. Músicas como "Come Cover Me" e "Kinslayer" do cd "Wishmaster" agradam em cheio a multidão, e rodas começam a serem abertas, para que todos possam por para fora sua empolgação. Outros temas de "Wishmaster", como "Deep Silent Complete", "Sleeping Sun" e a faixa título (a última, que arrancou urros da platéia, que a pedia a todo instante) também funcionaram muito bem ao vivo, assim como as faixas "10th Man Down" e o cover de "Over the Hills and Far Away" (que incendiou a galera, sendo berrado por todos).


Tarja está muito mais solta no palco, e domina todos os espaços. Tuomas agita como um louco em seu teclado, e se mostrou muito simpático, dando sua cerveja ao público durante "Sacrament of Wilderness" (a única música de Oceanborn presente no show).Mas um dos grandes destaques, além de Tarja (que esbanja talento e beleza física - como ela é bonita ao vivo!) fica para o baixista Marco Heitala. Um rapaz que agita o tempo todo, assumiu os vocais que outrora foram de Tuomas, e fez belos duos com Tarja, como comprovam as músicas "Dead to the World" e "Slaying the Dreamer", aonde o mesmo alterna vocais melódicos e guturais. Marco ainda teve seu momento solo, aonde sem Tarja levou nada mais nada menos que "Crazy Train", ainda tendo a audácia de perguntar se alguém gostava do "legendário Ozzy Ousborne". Foi muito interessante também ver e ouvir o guitarrista Emppu tentando solar como Zakk Wylde. O cara tem talento, mas não precisava chegar a tentar copiar as manhas de Zakk em "Crazy Train". Mas o saldo foi positivo.

O fim do show, com "Wishmaster", acabou com a maratona de "10 dias e meio" no Brasil, que Marco declarou a platéia, prestando, junto com Tarja uma justa homenagem à equipe técnica, que cumpriu bem seu serviço, dando à banda condições de luz e som muito boas, com exceção imperdoável dos vocais de Tarja nas duas primeiras músicas.


O show teve 1h30 de duração e serviu para fortificar o nome do Nightwish no cenário brasileiro (se é que isso é necessário). Mas há pontos negativos que devem ser observados: apenas uma música do excelente "debut" "Angels Fall First" foi tocada ("Beauty of the Beast"), e nota-se um certo distanciamento entre Tarja e Tuomas. Eles não se falaram na tarde de autógrafos, e durante o show não trocaram cumprimentos, enquanto que todos os outros membros foram mais amigáveis com Tarja. O que isso quer dizer só o futuro mostrará. O presente mostrou que o Nightwish foi fantástico durante sua passagem pelo Brasil. Que continue assim.

Agradecimentos:
A Beto Rabelo, da Top Link, Alexandre Vilela e Paulo Sondermann da Hard N'Heavy, e principalmente a Tarja Turunen, Jukka Nevalainen, Emppu Vourinen, Marco Heitala e Tuomas Holopainen, por nos propiciarem momentos fantásticos.





GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Nightwish"


Metal Sinfônico: dez álbuns essenciais do gêneroMetal Sinfônico
Dez álbuns essenciais do gênero

Metal sinfônico: os 10 melhores segundo o TeamRockMetal sinfônico
Os 10 melhores segundo o TeamRock


Frances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãFrances Bean Cobain
Assustada com tatuagem de fã

King Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?King Diamond
Alguém já o viu sem a maquiagem?


Sobre Rafel Carnovale

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Sobre Anderson Guimarães de Carvalho

Fotógrafo do site, também finaliza o bacharelado e licenciatura em História na PUC-Rio. É uma figura conhecida na cena carioca, mais odiado do que amado. Gosta de incomodar, assim como também gosta de HammerFall, Rammstein, Ivory Tower, Accept, Soilwork,Scorpions e Grave Digger.

Mais matérias de Anderson Guimarães de Carvalho no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336