Matérias Mais Lidas

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemPrika Amaral diz que fica feliz com o sucesso alcançado banda Crypta

imagemGordo diz que atualizou termos politicamente incorretos após puxão de orelha de filha

imagemFãs de Stranger Things do Tik Tok querem cancelar o Metallica

imagemDavid Ellefson diz que você conhece seus amigos quando a m*rda bate no ventilador

imagemA opinião de Marcelo Barbosa sobre cancelamento de Metallica e Pantera por racismo

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemGuitarrista do Skid Row diz que não fala com Sebastian Bach e não pensa em fazer pazes

imagemArtigo na Far Out Magazine aponta James Hetfield como pior letrista da história do metal

imagemFloor Jansen diz que achou que não fosse conseguir cantar nova música do Avantasia

imagemResenha - Max e Iggor Cavalera (Audio, São Paulo, 07/08/2022)

imagemAnthrax cancela mais um show que seria realizado no Texas


Stamp

Entrevista: Mike Patton mergulha no caos sonoro

Fonte: Folha Ilustrada
Em 21/02/04

ALEXANDRE MATIAS
free-lance para a Folha

Para a maioria das pessoas, Mike Patton é um nome associado aos anos 90 --líder de uma banda tão importante para a década passada quanto o Tears for Fears foi para a anterior. Mas para um público fiel e espalhado por todo o planeta, o vocalista é um dos mais importantes nomes da história da música (e não apenas pop), sendo comparado a artistas igualmente idiossincráticos, como John Zorn, Frank Zappa ou George Clinton.

"Sou muito agradecido pelo fato de algumas pessoas gostarem do que eu faço, mas faço em primeiro lugar para me agradar", conta à Folha, por e-mail, Patton, 36, que lança "Delirium Córdia", o terceiro disco de um dos seus inúmeros projetos pós-FNM, o grupo Fantômas. "Não busco atingir um certo público", explica o vocalista sobre a relação entre seus velhos e novos fãs. "O Faith No More acabou faz tempo. Acho que a maioria dessas pessoas [que ouviam FNM] está morta ou ouvindo Sting, hoje em dia. Não faço a menor idéia."

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Formado por Patton, Buzz Osbourne (guitarrista dos Melvins), Dave Lombardo (baterista do Slayer) e Trevor Dunn (ex-baixista do Mr. Bungle, primeira banda de Patton), o grupo dá continuidade ao disco anterior, "Director's Cut" (2002), de forma inusitada --se antes homenageavam o mundo das trilhas sonoras regravando temas clássicos do cinema de horror, neste preferem fazer um filme sonoro.

"Delirium Córdia", o terceiro álbum do Fantômas, é mais um vôo no abismo da não-canção em que Patton flutua desde os dias do Mr. Bungle. Dedica-se a visitar todos os territórios da música gravada, de preferência simultaneamente. O resultado é uma música psicótica, pesada e paranóica. A arte de Patton --tocada apenas com a boca, que o cantor encara como instrumento-- é um desenho animado ultraviolento.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Mas "Córdia" é apenas o primeiro dos vários planos de Patton para 2004, que acaba estrear sua carreira de ator. "Foi ótimo!", lembra, "um grande desafio". O vocalista participa do filme "Firecracker", vivendo dois papéis complementares: ele é o irmão mais velho e bêbado do protagonista Jimmy e o dono do circo para onde Jimmy vai depois de fugir de casa. "O filme é bem esquisito", completa Patton.

Ele ainda tem em seus planos colaborações com o maestro finlandês dos samples Kaada, com o rapper Rahzel e com o grupo de DJs X-ecutioners. "Vamos gravar um disco de batalha: Mike Patton versus os X-ecutioners." Mas o grande acontecimento, em termos de mercado, será a colaboração dele com a cantora islandesa Björk! "Sou fã da música dela e ela da minha e nos conhecemos num festival na Europa. Estou pensando em fazer um disco só de versões de músicas do Iron Maiden e do Ratos de Porão", desconversa com seu humor sórdido.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Pilotando sua própria gravadora, a Ipecac, Patton explica que a montou apenas para lançar seus próprios discos. "Passar muito tempo preocupado com o lado comercial e vendas afeta o seu trabalho como artista."

Sobre seus afazeres para o ano, Mike Patton arremata: "Turnê com o Fantômas. Turnê com o Rahzel. Acabar o outro disco do Fantômas. Aí tem o Peeping Tom, o disco com os X-ecutioners, o trabalho com a Björk, o trabalho com o Kaada, o disco novo do Tomahawk e talvez mais filmes. Pela Ipecac saem as Desert Sessions, o Kid 606, Pink Anvil... Um ano devagar".

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Slayer: Lombardo triste em ser trocado por quem "nunca fez nada"

Dave Lombardo: dez álbuns que marcaram a vida do baterista

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"