Lemmy Kilmister vira nome de verme fossilizado

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: Blabbermouth
Enviar correções  |  Ver Acessos

De acordo com o site Playlouder, um cientista sueco deu o nome a um verme fossilizado de 428 milhões de anos (um verme anelídeo poliqueta marinho) que ele encontrou na camada siluriana de Gotland, Suécia, em homenagem ao frontman do MOTÖRHEAD, que ainda está bem vivo, Lemmy Kilmister.

Linkin Park: Chester Bennington abre o jogo sobre seu vícioHumor: Os impressionantes diários secretos de Roger Waters

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"[Essa é] a perfeita combinação para um fã de longa data da banda (e do estilo musical) e professor de paleontologia, como eu", explicou o Dr. Mats E. Eriksson, Professor Associado de Paleontologia do Departamento de Geologia da Universidade de Lund.

"Ele já era uma lenda da música, mas agora seu nome também terá um registro permanente na Ciência", disse Eriksson. "O fóssil em questão é uma mandíbula de aproximadamente 428 milhões de anos de um extinto verme anelídeo poliqueta marinho encontrado na camada siluriana de Gotland, Suécia. Seu nome científico é Kalloprion Kilmisteri".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Motorhead"Todas as matérias sobre "Lemmy Kilmister"


Lemmy: tributo com membros do Slipknot, Megadeth e SepulturaLemmy
Tributo com membros do Slipknot, Megadeth e Sepultura

Metallica: As 5 melhores versões de terceiros dos seus clássicosMetallica
As 5 melhores versões de terceiros dos seus clássicos


Linkin Park: Chester Bennington abre o jogo sobre seu vícioLinkin Park
Chester Bennington abre o jogo sobre seu vício

Humor: Os impressionantes diários secretos de Roger WatersHumor
Os impressionantes diários secretos de Roger Waters


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

Goo336x280