Heaven & Hell: Tony Iommi comenta detalhes das gravações

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Camara, Fonte: Brave Words & Bloody Knuckles, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 29/04/09. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

O site Bravewords conduziu uma conversa com o guitarrista Tony Iommi do HEAVEN & HELL. Dentre vários temas, Iommi falou sobre a criação de "The Devil You Know", do trabalho dos membros do grupo em cada uma das etapas, sobre Ronnie James Dio e a presença de Vinny Appice na gravação do álbum.

1992 acessosAses das seis cordas: Guitarristas e suas assinaturas5000 acessosKirk Hammet: "não sou um Van Halen, ainda estou aprendendo"

"Sim, estamos olhando para frente, cara. Gostamos de fazer este disco como sempre", começou Iommi, falando sobre o lançamento do novo álbum (no dia 28 de abril). Falando sobre a construção de "The Devil You Know", Tony disse que o processo começou em sua casa, no seu estúdio particular...

"Sim, e lá nós unimos a música 'Breaking Into Heaven', a primeira delas. Mas principalmente, no meu estúdio, desta vez, eu coloquei grande parte do material em CD, um monte de ideias, e fui para Los Angeles com um bom material. E a ideia foi: todos nós pensamos em fazer um CD, Ronnie (James Dio, vocalista) queria fazer um, e Geezer (Butler, baixista) também queria, cada um com suas ideias. Então nos encontramos na casa de Ronnie, seu estúdio, e passamos os CDs que iríamos trabalhar em cima. Pegamos um riff particular que queríamos trabalhar, ou eu poderia ter feito metade da canção, e somente precisava de mais alguns trechos, então começamos a trabalhar as músicas, uma por vez. E assim ficamos na casa de Ronnie por algo em torno de seis semanas, eu acho, escrevemos novas partes e provavelmente fizemos em torno de seis músicas neste período".

O que tinha nos CDs? O que havia no CD de Geezer por exemplo?

"Havia muitos riffs, realmente. Geezer tende a ir para dentro e tocar vários tipos de riffs, era algo em torno de 20 minutos de música. Então você observa bem e pega alguns deles. 'Oh, esse é um dos bons, iremos usar ele'. É assim como ele faz. Comigo, eu trabalho um pouco mais e pego os que eu sei que irão se encaixar, enquanto Geezer quer tocar mais coisas. E ele tinha alguns bons riffs, como Ronnie também tinha. Foi bastante saudável, tínhamos bastante material que podíamos ir mais a fundo e usar". Tanto Geez quanto Ronnie tocaram guitarra nos seus respectivos demos, com Ronnie também adicionando letras e ideias para o vocal.

"Ficamos seis semanas na casa de Ronnie", continuou Iommi, "componto e então demos uma parada e ele foi para a turnê Metal Masters com o JUDAS PRIEST por um mês, e depois disso ficamos mais seis semanas com ele compondo e então ensaiamos e tocamos todas ao vivo, tendo certeza que ficariam todas muito boas e como nós queríamos. Depois viemos para a Inglaterra, nos estúdios Rockfield no País de Gales para gravar. Queríamos basicamente ter todas as músicas prontas, entrar no estúdio, tocá-las e gravá-las, era o que queríamos fazer, e foi o que fizemos".

Um dos visitantes nos trabalhos de estúdio você deve já ter ouvido falar, um cara chamado ROBERT PLANT (LED ZEPPELIN).

"Sim, Planty apareceu por lá".

E o que ele disse para vocês?

"Foi geral, somente conversamos sobre coisas aleatórias. Você vê, a coisa boa sobre o Rockfield, de verdade, para nós, é que ele fica fora do caminho. Todos nós podemos tocar juntos, podemos ficar. Você sabe, tem toda a acomodação e tudo o mais. Você não se sente incomodado, não tem um monte de pessoas aparecendo por lá, pois é bastante calmo, e era isso que queríamos. Desejávamos ir para algum lugar onde poderíamos nos concentrar no que estávamos fazendo. Se tivéssemos feito em Los Angeles, estaríamos todos fora de lugar. É bom ir para um lugar onde você não pode fazer muita coisa, e acabar não fazendo o que você deveria fazer".

E qual foi o trabalho de Vinny (Appice, baterista) em tudo isso? Você sabe, atrás das baquetas. Eu sei que nos velhos tempos ele era uma espécie de defensor das fitas com riffs, correto?

"Isso. Bem, ele não teve nenhum trabalho desta vez. Nós o despedimos (risos). Não, Vinny foi... eu desta vez levei meu engenheiro comigo, Mike Exeter, que trabalha em meu estúdio, e ele foi conosco e fez a parte de engenharia neste álbum. Então Vinny foi desnecessário neste ponto, pois tinhamos Mike fazendo o trabalho duro no computador. Ele deu tudo de si, e trabalhou desta maneira. A banda produziu o disco, com Mike, o engenheiro. E então, depois de gravarmos o álbum, voltamos para o Wyn Davis em Los Angeles, onde ele terminou de mixá-lo, e eu acho que ele provavelmente mexeu na bateria um pouco, mas o som está ali, como nós o fizemos".

Voltando a Vinny, eu perguntei a Tony se os rapazes evidentemente disseram algo ou notaram que "The Devil You Know" provavelmente contem a performance menos complexa de Appice em um disco.

"Não. Ele faz às vezes tocadas rápidas e coisas como isto, mas talvez ele não queria fazer isto desta vez".

Então não havia ninguém dizendo a ele para simplificar?

"Não, eu acredito que não. Talvez ele tenha chegado nisso... às vezes quando estávamos tocando uma música ele ia um pouco acima do tempo para tentar algo, e então ele se decidia, 'bem, eu vou manter isso mais simples', e nós gravavamos de novo e ele tocava de uma maneira um pouco mais simples".

Perguntado sobre o quão maravilhoso é o mitológico Ronnie James Dio, um "velho cavalo de guerra" trabalhando duro na cena do Rock 'n' Roll, como ele lidou com o peso do Heavy Metal, Tony respondeu:

"Ronnie sempre me impressionou com o que faz. Como ele pode cantar deste jeito... e ele não aquece a voz ou nada disso. Ele simplesmente vem e canta, absolutamente grandioso. Então tudo nesta banda me deixa impressionado, de verdade. Nós todos podemos dizer isso uns dos outros. Como nós ainda estamos fazendo isso nesta idade? Mas você faz isso pois você gosta, e com Ronnie, ele gosta disso, é parte de sua vida. Ele ama sair e fazer isso, ele é um verdadeiro profissional. Não quer cancelar shows ou coisas do tipo, apenas ir lá e fazer. Tem que ser algo muito duro para ele cancelar um show".

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Seis cordasSeis cordas
Guitarristas e suas assinaturas

2306 acessosJimmy Copley: baterista morre aos 64 anos de idade693 acessosHeavy Lero: Black Sabbath com Ozzy, a terceira parte423 acessosSamantha Fish: guitarrista blueseira faz cover de "War Pigs"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

LoudwireLoudwire
Os 25 melhores álbuns de estreia do Metal

Heavy MetalHeavy Metal
Cinco discos necessários dos anos setenta

Black SabbathBlack Sabbath
Definitivamente, obrigado por tudo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Heaven And Hell"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"0 acessosTodas as matérias sobre "Dio"

Kirk HammetKirk Hammet
"Não sou um Van Halen, ainda estou aprendendo!"

Pink FloydPink Floyd
A história por trás do clássico "Animals"

Avenged SevenfoldAvenged Sevenfold
Desmistificando o ódio pela banda

5000 acessosVenom: "Matar pessoas não é entretenimento"5000 acessosMetallica: sobre o que fala "For Whom The Bell Tolls"5000 acessosMegadeth - Perguntas e Respostas4870 acessosLegião Urbana: "Brasil está muito pior do que em Que País é Este"5000 acessosDuff McKagan: a assustadora experiência de tocar sóbrio2955 acessosRob Halford: "Led Zeppelin II é a raiz do Heavy Metal"

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online