Henry Rollins: O que leva um artista a não desistir?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar Correções  

Da coluna de HENRY ROLLINS [Henry Rollins Band, Black Flag] para o jornal estadunidense L.A. WEEKLY nessa semana:

"Ainda na Austrália, com muitos mais shows para fazer. No momento, estou em Brisbane. Chegamos algumas horas atrás de Cairns, no norte. Antes disso, estávamos em Darwin, que fica bem no topo do país. Noite passada estava uma sauna – eu saí do palco ensopado. Agora que estamos mais ao Sul, o clima é bem menos quente e úmido.

publicidade

Eu já fiz uns 70 shows nessa turnê. É nessa altura que alguns artistas ou vão pra casa ou começar a cancelar shows de seus esconderijos a muitas milhas de distância. Pra mim, é aí que fica bom mesmo, como a segunda hora seguida na esteira. Precisa duns 50 shows para realmente saber que você está fazendo o lance direito; é a parte da turnê que te faz ver o quanto você quer fazer isso. Ou o show é algo pro qual você vive ou algo do qual você quer distância.

publicidade

Alguns artistas e bandas simplesmente não foram feitos para ralar, e tudo bem com isso. Pra mim, sempre houve uma grande integridade para com os artistas que estão na luta todo ano, de um jeito ou de outro, fazendo o lance deles, noite após noite sob as luzes. Há, contudo, uma tênue linha entre cair no mundo porque é o que se faz, e fazê-lo porque não há mais nada que eles possam fazer.

publicidade

À medida que performers envelhecem, eu reconheço que há dois caminhos que eles possam trilhar. Eles podem ficar ali, tocando mais profundamente de suas entranhas do que jamais o fizeram, ou eles podem ficar empurrando com a barriga tanto que terão um caroço na garganta quando saem da casa de shows no fim da noite. Anos atrás, eu estava em turnê, abrindo para uma banda que está no ramo há anos – grande música, muitos fãs. Durante o show, o guitarrista dava as costas pra plateia e conversava com seu roadie enquanto tocava perfeitamente. Ele não se importava de mostrar para uma casa lotada como o show não significava nada pra ele. Foi meio que devastador e eu não acho que jamais assistirei a essa banda novamente.

publicidade

David Lee Roth, um homem que sempre tem frases memoráveis, me disse isso quando eu o entrevistei 22 anos atrás. Eu acho que diz tudo:

'É um trabalho de amor. Se você está nisso por algo que não a música – e estamos todos nesse meio por coisas que não são música…o cara que disse que dinheiro não traz felicidade não sabia onde fazer compras. Eu não estou descartando ganância e avareza de modo algum. Mas se essas coisas estão acima da música na lista, o lance todo vai ficar sem graça pra você na centésima hora de aula de canto.

publicidade

Minha parada inteira é baseada em – e isso é o que rola comigo, se você quer saber – você tem que ter disciplina, e através dessa disciplina, algum nível de recompensa virá, e dessa recompensa virá seu orgulho. Não há nada além de orgulho nisso tudo. O dinheiro vem e vai, as mulheres vem e vão – mas o seu orgulho pode permanecer. É orgulho que leva John Lee Hooker acima. Foi o orgulho que trouxe Muhammad Ali de volta.’

publicidade

Eu gosto muito disso. O orgulho é uma qualidade com a qual eu sempre estive meio às turras, já que por vezes leva uma pessoa até um ponto de vista não razoável – refiro-me à galera do ‘ame-o ou deixe-o’, mas acho que entendo que Diamond Dave esteja absolutamente certo. Pra mim, é uma questão de dever, serviço e dedicação. David Lee certa vez me disse que quando alguém compra um ingresso pro seu show, é um contrato que a pessoa tem com você. Você tem que amar aquilo, ou em algumas noites, vai doer. (...)

publicidade

Matéria completa:
http://playadelnacho.wordpress.com/2012/05/21/henry-rollins-...




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Slipknot: Joey Jordison diz que foi demitido por telegrama cantadoSlipknot
Joey Jordison diz que foi demitido por telegrama cantado

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin