Adrenaline Mob: Mike Portnoy fala sobre a indústria musical

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nelson Toledo, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar Correções  

O baterista Mike Portnoy (DREAM THEATER, AVENGED SEVENFLOLD, ADRENALINE MOB, FLYING COLORS) foi entrevistado no último mês por Ollie Winiberg do programa "Introducing In Essex" da Rede BBC durante a parte britânica da turnê europeia do ADRENALINE MOB. Seguem abaixo alguns trechos da entrevista.

publicidade

Sobre o atual cenário da indústria musical:

Portnoy: "Bem, é complicado. Por um lado eu curto o fato dos artistas estarem retomando controle sobre sua música, suas bandas e suas carreiras, eu acho ótimo que as bandas consigam de fato manter o controle criativo e financeiro. No entanto, há o outro lado da moeda, artistas tem sua música desvalorizada, gravadoras estão quebrando e as vendas em baixa. É uma faca de dois gumes, mas faz parte do negócio e você tem que se adaptar às mudanças."

publicidade

Sobre alguma experiência ruim que ele espera nunca reviver em sua carreira:

Portnoy: "Bem, por mais estranho que pareça, um dos álbuns mais bem sucedidos do DREAM THEATER, do qual eu sou extremamente orgulhoso, Images and Words, foi incrívelmente difícil de ser feito". Na verdade, tudo que me recordo sobre aquele álbum (Images), a turnê e a "explosão" que se sucedeu — Eu quero dizer, eu olho pra tudo com grandes recordações — a elaboração do álbum foi muito, muito difícil. Era nosso primeiro álbum com uma grande gravadora e nos fizeram trabalhar com um produtor, que fez um álbum com um som incrível, mas que era uma pessoa muito difícil de trabalhar. Ele não era uma pessoa fácil de lidar. O processo de gravação foi muito árduo e difícil do ponto de vista pessoal. Embora eu ame tudo no catálogo e tenha orgulho de todos os álbuns, alguns foram mais difíceis de realizar do que outros, mas o resultado final é algo de que sempre me orgulhei."

publicidade

Sobre o sucesso comercial de "Images And Words":

Portnoy: "É incrível como fomos capazes de levar adiante o que estávamos fazendo, especialmente em 1991, era o auge da explosão do grunge, NIRVANA e tudo mais. Sei lá, em tese poderia se dizer que tínhamos a receita pra um grande fracasso, mas talvez seja por isso que o álbum tenha se saído tão bem — porque a gente surgiu de maneira incômoda no cenário musical daquela época.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Solos: Alguns dos mais bonitos do Heavy MetalSolos
Alguns dos mais bonitos do Heavy Metal

Dossiê Guns N' Roses: A versão de Slash para os fatosDossiê Guns N' Roses
A versão de Slash para os fatos


Sobre Nelson Toledo

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin