Guns N' Roses: Bryan Mantia levanta a tampa do mundo louco

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rafael Tavares, Fonte: Perfect Crime GNR, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A Music Radar entrevistou em outubro de 2012 o baterista Bryan 'Brain' Mantia (Primus, Guns N' Roses) e ele contou histórias dos bastidores da gravação do Chinese Democracy. Confira a seguir:

874 acessosGuns N' Roses: visita dos músicos a Jerusalém é cancelada5000 acessosDossiê Guns N' Roses: A versão de Slash para os fatos

Em sua carreira de quase 30 anos Bryan 'Brain' Mantia teve alguns trabalhos incomuns – do rock maluco do Primus a videogames. Mas sem dúvidas nenhum chegou perto dos seis anos que ficou atrás do kit do Guns N' Roses.

A indução do Brain à banda coincidiu com o retorno da banda e o começo da era pós-Slash/Duff/Sorum. Os próximos seis anos ele os veria escrever, gravar, mas não lançar o Chinese Democracy, a ridiculamente adiado sucessor dos Use Your Illusion. Não é surpresa que Brain tem ótimas histórias de seu tempo acompanhando Axl e cia. E aqui estão elas...

Nervosismo de estreia

"Fizemos nosso primeiro show no Rock in Rio. Nós ensaiamos rovavelmente por dois ou três meses sem o Axl. Nosso primeiro show foi o Rock in Rio e eu pensei, 'Espera, como isso vai soar com o Axl? Aonde está o Axl? Oh, aqui está seu helicóptero chegando.' A primeira vez que toquei em um show de verdade com ele foi na frente de 250 mil pessoas! Eu estava pensando, 'Como essa música começa mesmo?' pois algumas ele deveria dar a deixa pra começar mas nós nunca tivemos uma conversa verbal com ele sobre se ele iria dar a deixa ou ou eu daria!

"Você olha pra sua esquerda e tem o Foo Fighters, Oasis e Sting! Estávamos encabeçando aquele dia e todo mundo estava ansioso pra ver o que faríamos pois o Axl reuniu todo esse pessoal.”

Bem vindo ao templo

"Eles tinham gravado um monte de material e Josh Freese gravou muita coisa. Acho que ele gravou 90% da bateria das 25 ou 30 músicas que estavam circulando. Eu cheguei na mesma época que eles arrumaram o [produtor] Roy Thomas Baker. Ele veio do Queen, The Cars, Journey, mais voltado ao rock. Ele disse que tínhamos que regravar as baterias pois elas soavam muito industrial.

"Nós literalmente andamos em seu Rolls Royce verde em LA e pegamos provavelmente cada bateria famosa em cada loja de bateria e testamos todas. Nós as fretamos para o The Village em LA onde estávamos gravando.

"Arrumamos todas as baterias e eu disse, 'Isso é um disco do Guns N' Roses, precisamos de uma vibe' e tinha um templo no andar de cima que as pessoas usavam pra fazer suas preces. Fomos lá e era um mini auditório. Assim que colocamos a bateria lá eu virei e disse, 'Oh merda, esta é a vibe'. Eles colocaram o cabeamento lá e eventualmente o Bucket montou seu galinheiro e foi lá que gravamos. Bucket e eu olhávamos um pro outro e ele estava no galinheiro com arames e ele tinha trazido palha. Ficamos gravando lá por três anos.”

Agora faça do seu jeito!

"Axl é um perfeccionista. Josh [Freese], que é um dos meus bateristas favoritos, já tinha gravado faixas maravilhosas mas eles não tinham o som. Elas eram muito digitais sonoramente, não tinha muito ar se movimentando. Axl gostou de algumas partes então ele me perguntou se eu podia tocar o que o Josh tocou mas com minha pegada. Ele queria que eu tocasse nota por nota.”

"Então eu pensei, se eles querem isso alguém vai ter de transcrever isso. Fiz umas ligações e fui até a Sony e deixei alguns Cds e eles transcreveram. Eles aprontaram a transcrição em um teleprompter, eu aprendi tudo e gravei nota por nota. Depois disso o Axl disse, “Agora faça do seu jeito!” eu acho que o que saiu no álbum foi um híbrido de um pouco do Josh e do que eu fiz.

Quem está pagando por isso?

"Tinha uma outra sala com literalmente 30 caixas de bateria enfileiradas, 15 bumbos, chimbals empilhados como em uma loja de música e eu estava literalmente como, 'Esse aqui parece bom, vamos testar com esse.' Nós tocávamos alguma coisa e víamos como soava.

"Não havia limite de tempo, não havia nada. Não acho que alguém estava controlando aquilo. Eu pensava, 'Não sei quem está pagando por isso, ou o que está acontecendo, mas não me importo pois eu posso estar aqui e me divertir em um dos melhores estúdios do mundo com algumas das melhores baterias e o melhor equipamento de gravação, todo mundo fala merda do Axl e do Guns N' Roses mas isso é muito legal pra mim!

"Próximo ao fim nós provavelmente viríamos com um kit que soava bem sólido e só mudávamos a caixa. “I'm Sorry” era uma coisa mais Pink Floyd então eu usei um bumbo maior, de 24” ou 26”, em 'There Was a Time' usamos um de 22”, estávamos apenas experimentando. Estávamos nos divertindo muito, eu e meu técnico de bateria. Tentávamos alguma coisa, gravávamos e enviávamos o CD pro Axl. Ele dava uma conferida e dizia, 'É, está legal' ou as vezes ele aparecia mas seu horário é louco então ele chegava lá pras quatro da manha e ouvia.”

Dois bateristas?

"[Axl] sempre me tratou muito bem. Mesmo quando eu saí e o Frank [Ferrer, atual baterista do GNR] assumiu pois eu iria ter um filho, eles foram bem legais. Acho que o Axl ficou um pouco nervoso com [a ideia de ter] outro baterista mas eu saí, ele me permitiu e foi meio que minha decisão não voltar pois eu estava trabalhando em coisas como produção e trilhas sonoras.

"Mas eu ainda estou fazendo coisas, eu fiz alguns remixes pra ele. Ele sempre foi bom comigo. Sei que ele tem sua reputação e eu já vi isso e é isso que faz dele Axl Rose. Ele está tocando o barco todo. Ele recebe muita pressão e tem muitos idiotas querendo derrubar ele.

"Em um momento ele tentou, mesmo nessa última turnê, ele ligou dizendo, 'Hey, você gostaria de fazer uma coisa tipo duas baterias onde você tocaria todas as músicas novas, Chinese que são um pouso mais técnicas e deixaria o Frank tocar as coisas mais rock de antigamente'. Eu estava considerando fazer isso. Não sei se o Frank queria fazer isso e eu não queria colocá-lo nessa posição. E não sei se eu queria fazer essa coisa meio Grateful Dead com dois bateristas.”

"Mas ele estava falando sobre ter essas baterias giratórias, 'Hey, ok estamos tocando 'I'm Sorry' do Chinese, a bateria gira e o Brain está tocando, ok estamos tocando 'Welcome to the Jungle', ela gira de volta e o Frank está tocando'”. Isso nunca se desenvolveu, não sei se eles teríam a grana e Frank talvez não estivesse 100% quanto a isso. Ele é o baterista agora e eu me senti esquisito com isso.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 28 de outubro de 2012
Post de 14 de março de 2014
Post de 15 de março de 2014

Guns N RosesGuns N' Roses
Visita dos músicos a Jerusalém é cancelada após ataque terrorista

1429 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's1574 acessosFabio Lima: 13 músicas pelo Guns N' Roses0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Guns N' Roses"

Duff McKaganDuff McKagan
"Sweet Child O'Mine" não é um plágio

AC/DCAC/DC
Angus Young conta "Quem é Axl Rose"

Iron x BieberIron x Bieber
O que separa os homens dos moleques?

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Guns N' Roses"

Dossiê GNRDossiê GN'R
A versão do guitarrista Slash para os fatos

CriançasCrianças
Como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

RodolfoRodolfo
100% arrependido das letras dos Raimundos

5000 acessosKiss: vídeo com Gene Simmons em cena de sexo?5000 acessosA importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars5000 acessosDiscórdia: alguns dos maiores insultos entre artistas5000 acessosLinkin Park: um exemplo mostra que é a banda mais foda do mundo4934 acessosSlayer: uma ótima versão de "Raining Blood"com crianças true do Japão5000 acessosFrances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fã

Sobre Rafael Tavares

Nascido em 1987, descobri o rock and roll já cedo, aos 6 anos de idade, quando ouvi "I Don't Care About You" com o Guns N' Roses em algum momento de 1993. De lá pra cá minha paixão pela música pesada e, especialmente pelo Guns N' Roses (que estará para sempre marcado em minha pele, alma e coração) cresceu exponencialmente. Sebastian Bach me fez querer virar cantor e o resto é história. Produtor fonográfico, formado em Letras e professor. Tão diversificado quanto o Rock and Roll, essa é minha vida, esse é meu clube. =D

Mais informações sobre Rafael Tavares

Mais matérias de Rafael Tavares no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online