Deep Purple: "banda morreria se Blackmore não saísse", diz Gillan

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

O vocalista do DEEP PURPLE, IAN GILLAN afirma que a banda não existiria mais caso o guitarrista RITCHIE BLACKMORE não a houvesse deixado mais de 20 anos atrás.

Bruce Dickinson: veja-o cantar Deep Purple com orquestra em tributo a Jon LordBizarre Magazine: Quão bizarro é... Ronnie James Dio

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após a morte do tecladista original do grupo, JON LORD, em 2012, Gillan foi perguntado pela estação de rádio argentina VorterixRock 103.1 se ele já tinha tido alguma vontade de retomar o contato com Blackmore.

"Nem um pouco", disse Gillan. "Sim, éramos muito próximos de Jon; eu jantei com ele em Tóquio, eu jantei com ele em Paris, estávamos sempre mandando emails um para o outro, e claro, o relacionamento era fantástico. Jon saiu da banda há mais de dez anos, mas ele ainda era muito amigo nosso e claro, o padrinho do Deep Purple. Quanto a Ritchie, é outra história completamente diferente. Eu acho que cortamos a coisa... a banda estava morrendo."

"Se você quer falar sobre Ritchie, eu acho que somos obrigados; pouca gente o faz hoje em dia", ele continuou. "Mas a verdade é, do ponto de vista histórico, a banda estava morrendo. Se Ritchie tivesse ficado na banda, teria sido o fim do Deep Purple. Os shows estavam ficando cada vez mais curtos, as plateias estavam ficando cada vezmenores. Estávamos tocando em casas pequenas, e elas não estavam nem cheias - apenas metade da capacidade - e Ritchie estava saindo do palco toda noite. E daí, quando ele saiu 20 anos atrás, parou de chover e o sol saiu, e Jon Lord, dentre outros, começou a andar ereto de novo. A personalidade dele reaflorou. Mesma coisa com Roger Glover e Ian Paice. Eles se tornaram as pessoas que haviam sido originalmente, ao invés de se policiarem e ficarem acuados caso eles aborrecessem Ritchie. E então essa situação acabou, e ficamos felizes por ela ter acabado, e tivemos que nos reconstruir."

"E claro, agora a distância do tempo é tão boa que nós só nos lembramos dos bons tempos", explicou o vocalista. "E nós nos lembramos de Ritchie como um grande músico, um grande performer, um grande compositor, e eu me lembro dele como meu colega de quarto. Eu costumava dividir os quartos de hotel com ele. Mas algo aconteceu com Ritchie, e é o fim. Então nos lembramos do passado como ele foi. E foi completamente e totalmente diferente com Jon Lord. E então, eu não tenho desejo de pegar o telefone e ligar pra Ritchie, ou jantar com ele, ou encontrar com ele em Paris ou Tóquio. Eu espero que ele esteja bem, e espero que seja feliz. E fim da história."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Deep Purple"


Bruce Dickinson: veja-o cantar Deep Purple com orquestra em tributo a Jon LordBruce Dickinson
Veja-o cantar Deep Purple com orquestra em tributo a Jon Lord

Zakk Wylde: o riff que ele queria ter criado - e a música que ele nunca conseguiu tocarZakk Wylde
O riff que ele queria ter criado - e a música que ele nunca conseguiu tocar

Regis Tadeu: Deep Purple, os plágios do Black Sabbath e muito maisHeavy Lero 134: Whitesnake por Gastão e Clemente (vídeo)Entrevista: Martin Popoff, a máquina de escrever do rock/metal

David Coverdale: como ele soava antes da fama?David Coverdale
Como ele soava antes da fama?

Iron Maiden: assista jam histórica com o Deep Purple em 2002Iron Maiden
Assista jam histórica com o Deep Purple em 2002


Bizarre Magazine: Quão bizarro é... Ronnie James DioBizarre Magazine
Quão bizarro é... Ronnie James Dio

Mayhem: banda levou restos humanos para o palco em 2011Mayhem
Banda levou restos humanos para o palco em 2011


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336