Extreme Hate: o melhor e o pior dos seus pesadelos. Save the date

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos, Fonte: Dark Dimensions
Enviar Correções  

Salvem a data! Dia 7 de dezembro o maior encontro do metal extremo no país estará de volta. Os protagonistas deste novo massacre sônico já foram revelados: WATAIN (Suécia), SUFFOCATION (EUA), BELPHEGOR (Áustria), CRYPTOPSY (Canadá) e os brasileiros convidados do CHAOS SYPNOSIS.

O EXTREME HATE FESTIVAL é velho conhecido dos apreciadores da arte obscura. Desde sua primeira aparição com o Dismember em 2008, passando pela 2ª no ano seguinte tendo Sinister encabeçando o evento e culminando na grandiosa edição de 2013, esta contendo Marduk, Vader, Suffocation, o retorno do próprio Sinister e os cariocas do Unearthly, a iniciativa da paulistana DARK DIMENSIONS não deixa seu público na mão: é barulheira garantida com a marca registrada e qualidade característica de uma das produtoras mais ativas do cenário da música pesada no Brasil.

publicidade

4ª edição do Extreme Hate Festival ocorrerá dia 7 de dezembro em São Paulo. Os suecos do Watain são a atração principal deste ano.

O EXTREME HATE FESTIVAL tem sido o sopro de alívio aos que tem o metal em sua forma mais extrema como sua morada. A Dark Dimensions, responsável pela escuridão sonora, cumpre plenamente seu papel ao mesclar death e black metal de forma única. O cast de 2013 confirma isto, a não ser que, em vossa opinião, ter MARDUK (Suécia), SUFFOCATION (EUA), VADER (Polônia), SINISTER (Holanda) e UNEARTHLY (Brasil) em uma mesma noite seja algo menos "perigoso" que uma calamidade mundial.

publicidade

No próximo dia 7 de dezembro cinco concertos irão garantir o regozijo geral, quando WATAIN (Suécia), SUFFOCATION (EUA), BELPHEGOR (Áustria), CRYPTOPSY (Canadá) e os brasileiros convidados do CHAOS SYPNOSIS irão tomar de assalto o palco do TROPICAL CLUB, muito bem localizado à Rua Butantã, 336, no bairro de Pinheiros em São Paulo capital. Como referência, a estação de metrô Faria Lima (Linha 4-Amarela). Mas atenção! O primeiro show terá início, pontualmente, às 15h (quinze horas), sendo que a casa já estará pronta ao público uma hora antes, isto é, às 14h (catorze horas).

publicidade

Serviço
Data: 7 de dezembro de 2014
Local: Tropical Club
Endereço: Rua Butantã, 336, no bairro de Pinheiros em São Paulo capital. Como referência, a estação de metrô Faria Lima (Linha 4-Amarela)
Horário: 14h (abertura da casa); 15h (primeira banda no palco)
Classificação etária: 16 anos

Ingressos:
R$ 110,00 - Pista meia entrada e promocional (1º lote);
R$ 150,00 - Camarote (1º lote)

publicidade

Vendas online: www.ingressosparashows.com.br

Pontos de Venda:
Galeria do Rock
Lojas Hellion - 1º andar (11) 3223.8855 e Lady Snake - 1º andar (11) 3361 - 7705

Informações:
(11) 4115.4773
[email protected]

Sobre as atrações:

WATAIN

"Se você tocar a música de natureza diabólica, e a música que você executa é permeada por uma essência sinistra e infernal, é claro, que vai ter que traduzir para o show no palco também e na sua aparência", disse certa feita Erik Danielsson para justificar a performance polêmica de sua banda ao vivo. O vocalista e baixista do Watain possui um temperamento bastante peculiar, considerado por muitos até arrogante, mas antes de qualquer julgamento deve-se observar com bastante cuidado suas palavras e justificativas, até porque no final o que conta é a música. Desde o início foram comparados aos seus conterrâneos do saudoso, o que jamais fora negado por Erik, o qual ainda menciona Bathory, Mayhem, Mercyful Fate, Death SS, Samael, Necrovore e Venom como mentores de sua arte. Sua discografia é composta por EPs, dois álbuns ao vivo e cinco de estúdio, tendo o mais recente deles, "The Wild Hunt" (2013) como um dos mais interessantes e inusitados registros já lançados sob a alcunha do black metal.

publicidade

SUFFOCATION

O quinteto de Long Island, Nova Iorque, fez para muitos o melhor show da edição de 2013 do Extreme Hate Festival, item bastante levado em conta para seu retorno. O indefectível vocalista Frank Mullen, dono não só de um dos melhores timbres no estilo como de uma presença cênica ímpar, conquistou fãs inclusive do Marduk, headliner daquela feita. Seus três primeiros registros em estúdio figuram dentre os mais importantes do death metal: "Effigy of the Forgotten" (1991), "Breeding the Spawn" (1993) e "Pierced from Within" (1995), muito disso graças ao baterista original, o inigualável Mike Smith, talvez o melhor no estilo se pegarmos os nomes surgidos na mesma época.

publicidade

BELPHEGOR

O nome vem do "senhor do fogo", divindade moabita considerada uma das realezas no inferno em representação a um dos sete pecados capitais, preguiça, mas também das descobertas, do apodrecimento, dos inventos e dos ciclos. Ao lado de Lucifer (orgulho), Mammon (avareza), Asmodeus (luxúria), Leviathan (inveja), Beelzebub (gula) e Aamon (ira) forma os 7 príncipes das profundezas. Talvez por isto o Belphegor é frequentemente associados ao satanismo, apesar dos integrantes da banda considerarem-se ateus. "Não acreditamos na existência de deuses nem de demônios, mas usamos do simbolismo satânico como meio retórico de nos contrapormos à cultura religiosa", costuma declarar Helmuth, líder da banda, quando questionado sobre seus pensamentos. Considerado um dos nomes mais brutais oriundos da Áustria, possuem uma coleção de álbuns bastante forte, com destaques ao "Lucifer Incestus" (2003), "Goatreich – Fleshcult" (2005), "Pestapokalypse VI" (2006), "Bondage Goat Zombie" (2008), "Walpurgis Rites – Hexenwahn" (2009), "Blood Magick Necromance" (2011) e o novíssimo e já bastante elogiado "Conjuring the Dead" (2014), o qual poderá estar disponível no mercado nacional quando estiver lendo este texto.

publicidade

CRYPTOPSY

Os canadenses são os neófitos do festival por ser esta a sua primeira visita ao país. Logicamente que uma breve observada em sua biografia é o suficiente para perceber sua larga experiência no ramo. Formada em 1988 sob o nome Necrosis, apenas em 92 adotaram o atual, tendo a partir daí registrado discos abraçados pelos deathbangers de todo o planeta. O som mudou ao longo dos anos, portanto cuidado ao ouvir, por exemplo, o debut "Blasphemy Made Flesh" (1994) ou mesmo o "None so Vile", época em que praticavam uma vertente mais tradicional do estilo, seguidos de (1996) dos "Once Was Not" (2005), "The Unspoken King" (2008) ou do mais recente até aqui, "Cryptopsy" (2012), todos mais voltados ao chamado tech-death ou death metal progressivo, por assim dizer.

CHAOS SYNOPSIS

Este é um dos grupos brasileiros mais interessantes desde sempre. Seu debut, "Kvlt ov Dementia", lançado em 2010, foi um dos álbuns de maior impacto naquele ano, não só pela arte gráfica forte (nota do redator: vale uma busca no Google), mas pelo conteúdo musical da bolachinha. Tanto trabalho resultou, dentre outras coisas, em shows ao lado de Dismember e Mayhem, bem como uma turnê pela Polônia. Com o lançamento do até então mais recente "Art Of Killing", as conquistas só aumentaram, tanto que sua participação nesta edição do Extreme Hate Festival comprova.

publicidade



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


CD vs Vinil: não diga que o som do vinil é melhor - porque não éCD vs Vinil
Não diga que o som do vinil é melhor - porque não é

Curiosidades: 40 fatos inacreditáveis do rockCuriosidades
40 fatos inacreditáveis do rock


Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin