Dave Lombardo: ele ouve todo e qualquer estilo de música

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Ferreira Jr., Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em uma recente entrevista com o Heavy Metal Artwork, o baterista fundador do SLAYER e atualmente no PHILM, DAVE LOMBARDO sobre o que o tem levado à se envolver com muitos projetos diferentes - a lista inclui APOCALYPTICA, JOHN ZORN e FANTOMAS - durante o seu tempo dentro e fora do SLAYER.

Slayer: manager diz mais uma vez que existem planos para projetos futurosMusas do Metal: as bandas que elas ouvem quando estão em casa

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Eu acho que o que está me levando a ser tão diversificado como eu sou é o fato de que muito prematuramente em minha carreira, eu criei um estilo pelo qual sou conhecido, e eu senti que havia mais para mim do que o Thrash", ele disse. "Uma vez que o SLAYER tinha lançado seu primeiro álbum, nós já tínhamos entrado no estilo, e bateristas começaram a chegar em mim dizendo 'Ei, eu curto muito teu estilo!'. Mas eu sempre fui assim... eu queria mais. Eu estou por dentro de várias outras coisas. A maioria dos bateristas ficaria surpreso com o que eu ouvi, quais músicos".

Ele continuou: "Então eu acho que é isso que me leva a ser criativo - Eu acho que é isso que iniciou tudo, o caminho de criar alguma coisa diferente. Agora é divertimento, criar coisas diferentes, diferentes movimentos e batidas, trabalhando com artistas diferentes. Eu acho que isso deixa as coisas excitantes, desafiadoras. Isso mantém o seu estilo diversificado, e isso ensina muito a você porque quando você trabalha com os mesmos caras dia após dia, você só sabe como aqueles caras trabalham.

"Quando você sai e você se desafia a entrar numa sala com este artista que você nunca tinha visto antes e só tinha conversado com ele pelo telefone ou internet, você tende à ficar no centro das atenções. Então você vai, 'Beleza, que que eu faço aqui? O que vai fazer ele feliz?' É desafiador, e eu gosto de desafios, porque uma vez que você cai na rotina, simplesmente fica chato".

Questionado sobre o que ele acha que trouxe de todas as suas diversas influências ao que ele está fazendo no PHILM, LOMBARDO disse: "Porque eu ouvi muitos estilos diferentes, estou apto à adaptar minha técnica à diferentes estilos. Como, por exemplo, no meu iPod, enquanto eu estava ensaiando para um workshop que eu tenho que fazer na Itália, Ray Charles misteriosamente começou a tocar. Eu tenho Ray Charles no meu iPod e várias outras bandas que você ficaria surpreso em saber que eu ouço. Bom, ele começou a tocar, e eu fiquei assim: 'Hummm, adorei isso. Caramba!'. Então eu fiquei tocando junto, porque eu apenas estava tentando tocar junto ao estilo dele só pra me aquecer, e eu adicionei pedal duplo a uma música do Ray Charles, foi 'Mess Around', que, eu acho, foi seu primeiro sucesso. Eu fiz aquilo e eu acho que ouvindo todos os diferentes estilos de música quando eu estava crescendo me ajudou à adaptar a minha técnica à qualquer coisa que eu ouça.

"Você sabe, eu apenas ouço de tudo. Mesmo country - Eu vou ouvir alguma música country e vou ficar... tipo... 'Eu podia colocar um pedal duplo ali, seria uma parte perfeita para um pedal duplo!'".

"No final das contas, é só tocar, é como você aborda isso, e se você puder se adaptar a isso, se você puder se adaptar ao balanço que a música tem. Então eu acho que eu fui meio sortudo em andar com pessoas que me expuseram a todos estes estilos de música, e eu absorvi tudo isso".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Dave Lombardo"Todas as matérias sobre "Slayer"Todas as matérias sobre "Philm"


Slayer: manager diz mais uma vez que existem planos para projetos futurosSlayer
Manager diz mais uma vez que existem planos para projetos futuros

Slayer: Dave Lombardo não assistirá último show da bandaSlayer
Dave Lombardo não assistirá último show da banda

Slayer: Kerry King se atrapalha com guitarra de 8.666 dólares e não consegue tocar introSlayer
Kerry King se atrapalha com guitarra de 8.666 dólares e não consegue tocar intro

Slayer: todas as músicas da banda, da pior para a melhorSlayer
Todas as músicas da banda, da pior para a melhor

Slayer: quem são os serial killers abordados em músicas da bandaSlayer
Quem são os serial killers abordados em músicas da banda

Slayer: veja despedida emocionante da banda ao Madison Square GardenSlayer
Veja despedida emocionante da banda ao Madison Square Garden

My Chemical Romance: Gary Holt é fã da banda e quer ir ao show de retornoMy Chemical Romance
Gary Holt é fã da banda e quer ir ao show de retorno

Slayer: Frank Bello fala sobre a última tour de seus colegasSlayer
Frank Bello fala sobre a última tour de seus colegas

Slayer: última turnê não significa o fim da banda, afirma manager

Slayer: fim das turnês não significa fim da banda, diz empresárioSlayer
Fim das turnês não significa fim da banda, diz empresário

Tom Araya: eu poderia ter feito mais para ajudar Jeff HannemanTom Araya
"eu poderia ter feito mais para ajudar Jeff Hanneman"

Slayer: 10 curiosidades sobre a bandaSlayer
10 curiosidades sobre a banda


Musas do Metal: as bandas que elas ouvem quando estão em casaMusas do Metal
As bandas que elas ouvem quando estão em casa

Burzum: A polêmica história e filosofia de Varg VikernesBurzum
A polêmica história e filosofia de Varg Vikernes


Sobre Roberto Ferreira Jr.

Nascido na cidade de São Paulo, mudou-se para o interior ainda pequeno. Baterista há 20 anos, teve seu primeiro contato com a bateria aos 11 e aos 15 já tocava no no circuito underground. Atuando profissionalmente como fotógrafo e câmera man, participou da cobertura de vários shows e festivais. Algumas de suas influências musicais: Jethro Tull, Kansas, Pink Floyd, Motörhead, Black Sabbath, Rolling Stones, Iron Maiden, Rainbow, Deep Purple entre outras. Atualmente está mais focado no som setentista, mais progressivo, mas sem perder o peso do metal.

Mais matérias de Roberto Ferreira Jr. no Whiplash.Net.

adGoo336