Pantera: policial que matou assassino de Dime ainda sofre trauma

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

O oficial de polícia que deu fim ao massacre de inocentes que vitimou a DIMEBAG DARRELL perdeu sua carreira como resultado daquele episódio.

Pantera: seria uma grande honra ser indicado ao Hall da Fama do Rock, diz Phil AnselmoSeparados no nascimento: Alice Cooper e Gretchen

JAMES NIGGEMEYER atirou e matou Nathan Gale na casa noturna Alrosa Villa em Columbus, Ohio, no dia 8 de Dezembro de 2004, logo após ele ter assassinado o icônico guitarrista do PANTERA e três outras pessoas, além de ter ferido a outras sete.

Mas ele teve que deixar a polícia três anos depois, e diz que ele nunca se recuperou da dor emocional do horroroso incidente.

Niggemeyer disse ao jornal Columbus Dispatch: "Eu fui diagnosticado com distúrbio de stress pós-traumático e distúrbio de ansiedade aguda.

"Eu descobri que você não tem controle algum sobre seu cérebro. Ele faz o que quiser. Os policiais são seres humanos normais - as coisas nos afetam do mesmo jeito que afetam aos cidadãos comuns. Nós lembramos e temos que lidar com aquilo."

Depois de ter sido removido de campo, ele teve baixa da polícia, apesar de ainda trabalhar para o município. "Aquilo mudou o rumo da minha carreira, e não foi pra melhor", ele reflete. E comenta. "Eu fico feliz por ter podido acabar com aquela situação e impedir que mais tragédias ocorressem depois que eu cheguei. Mas aquilo não melhorou minha vida em nada."

Niggemeyer permanece passando por terapia.

O dono da casa noturna, Rick Cautella, lembra-se de como Gale, que tinha um histórico de doenças mentais, ainda tinha 35 balas e estava segurando um roadie como refém quando Niggemeyer entrou no clube e atirou nele. "Você sabe quantas mais vidas ele poderia ter ceifado naquela noite?", questiona Cautella. "Foi inacreditável."

Mas Niggemeyer insiste que os louros devem ser colocados naqueles no local que tentaram agir antes de ele chegar, dizendo: "Quando a tragédia chega, há pessoas que a encaram - fincam o pé cara a cara com a morte e dão suas vidas para salvarem outras. Eles fizeram isso sem polícia ali, sem armas. Aqueles são os heróis de verdade para mim."

O lutador de MMA MATT BROWN, que estava no clube durante o massacre, lembrou dos eventos da fatídica noite, declarando: "Dimebag estava no chão. Eu não havia escutado nenhum tiro, mas eu vi sangue e achei que ele tivesse sido esfaqueado. Corremos pro palco - 'Vamos lá, vamos pegar esse cara'. Eu pensava, 'Alguém tem que fazer alguma coisa'."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Pantera"Todas as matérias sobre "Damageplan"


Pantera: seria uma grande honra ser indicado ao Hall da Fama do Rock, diz Phil AnselmoPantera
seria uma grande honra ser indicado ao Hall da Fama do Rock, diz Phil Anselmo

Ghost: banda toca trecho de "Walk", do Pantera, em show

Zakk Wylde: guitarrista mantém aberta chance de fazer tour de homenagem ao PanteraZakk Wylde
Guitarrista mantém aberta chance de fazer tour de homenagem ao Pantera

Clube da Música: a trágica morte de Dimebag Darrell (vídeo)Pantera: as bandas relacionadas ou derivadas do grupo texano.

Yngwie Malmsteen: e se ele tocasse no Guns N' Roses, Pink Floyd ou AC/DC?Yngwie Malmsteen
E se ele tocasse no Guns N' Roses, Pink Floyd ou AC/DC?

Astros do rock: o patrimônio líquido de cada umAstros do rock
O patrimônio líquido de cada um


Separados no nascimento: Alice Cooper e GretchenSeparados no nascimento
Alice Cooper e Gretchen

Metallica: Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas dos anos 2000Metallica
Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas dos anos 2000


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGooILQ