Direito Autoral: "Isso expirou,não existe mais", diz Steve Albini

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em Barcelona para o festival Primavera Sound, o produtor - ou engenheiro de som, como ele diz - STEVE ALBINI celebrou a internet, anunciou a morte do direito autoral e expressou seu contínuo desdém pela indústria musical durante uma conferência eloquente e inesperadamente provocativa com a jornalista Judy Cantor-Navas no último dia 30 de maio.

Nirvana: Dave Grohl comenta sobre não tocar músicas da banda desde 1994Iron Maiden: os fãs mais insuportáveis em lista da MTV

Albini é muito conhecido por seu trabalho no álbum 'In Utero' do Nirvana e seu artigo de 1993, "O Problema Com A Música". Aquele esculacho na indústria musical abria falando de 'artistas nadando por um oceano de bosta para conseguirem um contrato com uma gravadora do outro lado, e, ao chegarem à outra margem, ouvem, 'Na verdade, eu acho que vocês ainda precisam de um pouco mais de desenvolvimento. Nade de novo, por favor. Agora de costas. '"

A evolução digital tornou os executivos do setor de A&R das gravadoras, a quem Albini nutria especial nojo, obsoletos, e na última sexta-feira ele tinha a postura relaxada de alguém que tinha se provado certo, ele não perdeu a oportunidade de se manifestar contra as estruturas existentes na indústria musical.

"Eu não me sinto parte da indústria. A indústria sendo o negócio corporativo onde há pessoas no patamar de baixo e pessoas no patamar de cima, e pessoas na administração fazendo ligações legais entre todas essas pessoas. Eu nunca me senti parte disso. Tudo isso sempre me incomodou. E quando eu penso nisso, me emputece que isso exista como um parasita da cena musical, que são os fãs, e as bandas, as pessoas que vão aos shows. Essa estrutura administrativa de negócios é quem está sugando dinheiro de toda essa cena, o que sempre me pareceu artificial e desnecessário. "

Albini também revelou que ele trabalhava sem contratos, tanto com a gravadora de sua banda e em seu estúdio, o Electrical Audio, de Chicago.

"Minha banda tem lançado discos pelo selo Touch And Go desde os anos 80. Uma banda e depois outra e agora o Shellac. Nunca tivemos nenhum tipo de contrato formal com eles, nem mesmo uma conversa sobre nossas obrigações mútuas. Mas eles seguem fazendo um bom trabalho com nossos discos e continuam satisfeitos conosco, e continuamos a ter uma boa experiência, então a parceria continua naturalmente.

"Eu não uso contratos em minha empresa. Se alguém quiser que eu trabalhe em um disco, nós organizamos o tempo, fazemos, eles pagam e tá feito. Desde que todos estejam se divertindo, continua. E eu acho que isso é o melhor e mais seguro e razoável meio de se conduzir os negócios. Não apenas com algo informal, mas mesmo com coisas muito importante com milhões de dólares entre minha banda e uma gravadora. "

Albini, por seus cálculos, já trabalhou em milhares de discos de outros artistas, explicou o porquê de ele se chamar de engenheiro ao invés de produtor.

"... Eu não sou George Martin, eu não sou Jay-Z. eu não sou uma pessoa que produz música nesse método. O que eu faço é levar uma banda para o estúdio e perguntar, que tipo de disco vocês querem fazer? Que música vão gravar em seguida? Estão felizes com isso? Podemos seguir em frente? Esse é basicamente meu trabalho. "

Mais de uma vez, Albini usou o tabagismo como metáfora quando se referia às mudanças no modo pelo qual a música é disseminada e consumida.

"Antigamente você ia fazer um show e todo mundo estava fumando", ele disse, respondendo a uma pergunta sobre as novas tecnologias estarem tornando as pessoas mais isolada. "Então o ar ficava impregnado de fumaça. Agora, você não pode mais fumar nas casas. Então o ar está limpo, e para algumas pessoas, isso é uma distração, poder ver o rosto e o corpo de todo mundo. Eu gosto. Eu acho que é bom. Mas a fumaça também cobria muito do cheiro das casas, e agora as casas têm um cheiro péssimo, elas cheiram a cerveja velha e vômito... então as coisas mudaram e a experiência não é a mesma, mas ainda é uma experiência e eu acho que tem seu valor.

"Você nunca vai conseguir trazer de volta o que se perdeu. Você se adapta à cultura que cresceu organicamente. As pessoas vão estar com seus iPhones, elas vão tirar selfies, elas vão estar meio isoladas e internalizadas em sua experiência artística. Eu acho que é um erro ser nostálgico, ou fingir que recria uma experiência histórica que morreu de morte natural. O mais confortável é continuar com sua vida normal, e incorporar esse novo comportamento em sua vida cotidiana."

Albini referiu-se ao direito autoral como 'um conceito expirado', similar ao ato de fumar em público.

"A aceitação social de se fumar em público desapareceu, e agora é raro achar um lugar fechado onde você possa fumar. E isso não é porque teve um decreto baixado. A sociedade simplesmente mudou em seu tratamento de espaços públicos.

"Eu acho que estamos vendo que a construção intelectual do direito autoral e da propriedade intelectual não é realista. Ideias, uma vez expressadas, tornam-se parte da mentalidade comum. E a música, uma vez expressa, se torna parte do ambiente comum. Eu acho que a ideia de propriedade intelectual vai ter que ser modificada naturalmente para acomodar o modo que as pessoas naturalmente trocam informações e ideias e música. Aquele modelo antigo da pessoa que escreveu algo '[e dona daquilo e qualquer outra pessoa que queira usá-lo ou vê-lo tenha que pagar, eu acho que esse modelo expirou. E as pessoas que estão tentando defender esse modelo são como as pessoas no lombo de cavalos tentando lutar contra o automóvel... eu acho que o termo pirataria é absurdo. Na verdade, pirataria são pessoas abordando outras com violência e matando gente e roubando fisicamente bens materiais que então não estarão mais disponíveis para as pessoas que os tinham. Eu acho que categorizar alguém baixando músicas para seu celular a isso é absurdo. "




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Indústria Musical"Todas as matérias sobre "Nirvana"


Nirvana: Dave Grohl comenta sobre não tocar músicas da banda desde 1994Nirvana
Dave Grohl comenta sobre não tocar músicas da banda desde 1994

Nirvana: vídeo de Smells Like Teen Spirit próximo de bater 1 bilhão de visualizaçõesNirvana
Vídeo de "Smells Like Teen Spirit" próximo de bater 1 bilhão de visualizações

Foo Fighters: Dave Grohl revela canção em homenagem a George HarrisonFoo Fighters
Dave Grohl revela canção em homenagem a George Harrison

Slash: e se ele tocasse no Metallica, Nirvana ou Dire Straits? (vídeo)Slash
E se ele tocasse no Metallica, Nirvana ou Dire Straits? (vídeo)

Led Zeppelin: ouça Nirvana e mais artistas que registraram suas canções

Nirvana: casaco usado por Kurt no MTV Unplugged é leiloado por fortunaNirvana
Casaco usado por Kurt no MTV Unplugged é leiloado por fortuna

Nirvana: a banda foi expulsa da festa de lançamento do NevermindNirvana
A banda foi expulsa da festa de lançamento do "Nevermind"

Danny Goldberg: Percebi quando Kurt começou a ter problemas com heroínaDanny Goldberg
"Percebi quando Kurt começou a ter problemas com heroína"

Dave Grohl: qual riff dos Beatles é mais pesado do que Black Sabbath?Dave Grohl
Qual riff dos Beatles é mais "pesado" do que Black Sabbath?

Beatles: Dave Grohl comenta sobre o boato do sósia de Paul McCartneyBeatles
Dave Grohl comenta sobre o boato do "sósia" de Paul McCartney

Dave Grohl: revelando as canções dos Beatles que marcaram a sua vidaDave Grohl
Revelando as canções dos Beatles que marcaram a sua vida

Dave Grohl: O que ele faria da vida se não fosse músico?Dave Grohl
O que ele faria da vida se não fosse músico?

Steve Albini: "eu não curtia Led Zeppelin quando era adolescente"

Dave Grohl: relembrando quando assistiu o seu primeiro show de punk rockDave Grohl
Relembrando quando assistiu o seu primeiro show de punk rock

Nirvana: Dave Grohl comenta sobre o funeral de Kurt CobainNirvana
Dave Grohl comenta sobre o funeral de Kurt Cobain

Foo Fighters: Seremos o novo NirvanaFoo Fighters
"Seremos o novo Nirvana"

Nirvana: Teoria é um desperdício de tempo, dizia KurtNirvana
"Teoria é um desperdício de tempo", dizia Kurt

Quando tudo começa bem: dez fantásticas canções que abrem álbunsQuando tudo começa bem
Dez fantásticas canções que abrem álbuns


Iron Maiden: os fãs mais insuportáveis em lista da MTVIron Maiden
Os fãs mais insuportáveis em lista da MTV

Tradução: The Dark Side Of The Moon, do Pink FloydTradução
The Dark Side Of The Moon, do Pink Floyd

Kirk Hammett: Mustaine toca rápido e eu, melódicoKirk Hammett
"Mustaine toca rápido e eu, melódico"

Krisiun: Edu Falaschi não viveu o undergroundKrisiun
"Edu Falaschi não viveu o underground"

Slipknot: Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunirSlipknot
Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir

Mike Portnoy: ele toparia tocar com o Dream Theater?Mike Portnoy
Ele toparia tocar com o Dream Theater?

Marilyn Manson: produtor fala sobre como é trabalhar com eleMarilyn Manson
Produtor fala sobre como é trabalhar com ele


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336