Shirley Manson: "Faltam mulheres no rock, porque ele foi projetado pelo patriarcado"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Giovanni G. Melo, Fonte: Rock n'Roll Obsession, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Shirley Manson, frontwoman do GARBAGE, foi questionada pela Team Rock sobre o que ela pensa sobre "a falta de mulheres no rock e no metal". A ruiva respondeu:

Censura: 53 nomes que você não pode dizer em uma rádioDream Theater: os segredos do álbum Octavarium

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Porque todo o jogo do 'rock' foi projetado e mantido pelo patriarcado. Ou seja, se as regras são definidas por homens, torna-se muito difícil a inserção das mulheres, porque elas têm que se enquadrar no jogo dos homens e não no seu próprio jogo."

"E assim fica realmente muito difícil para as mulheres serem tratadas como mentoras e criadoras da mesma forma que os homens são."

"Ser uma grande compositora não basta para uma mulher. Ela deve ser muito superior para uma gravadora se importar."

Shirley acrescentou:

"Há muito poucas compositoras. As porcentagens são surpreendentes e deprimentes. Recentemente, em Hamburgo, fiz um painel sobre isso com Vanessa Reed [chefe executiva da PRS Foundation]."

"Na maioria das vezes são mulheres jovens, que muitas vezes aparecem num palco na escola, com desejo de serem vistas, têm uma boa voz, em alguns casos até vozes excepcionais, e elas usam roupas bonitas e são ótimas e as pessoas querem ferrar com elas. E quando têm 25 anos voltam à estaca zero, e seus sonhos foram atropelados. E ficam sem dinheiro."

Ela concluiu:

"Acho que a terminologia em torno do rock n'roll a esta altura é obsoleta. Rock para mim sempre foi rebeldia e liberdade de expressão, e quando você começa a ter caras mais velhos impondo regras antiquadas começa a se tornar algo que não era para ser."

"Para mim o rock n'roll sempre foi expansivo. Uma ideia expansiva que envolve diferentes tipos de rebeldia, resistência e questões políticas. Além de liberdade. Todos os outros gêneros musicais, na minha opinião, sempre foram muito mais restritivos."

"Mas para mim hoje, o rock tornou-se isso também, restritivo. As pessoas só querem impor regras a todos e ferram tudo. Estou cansada com essa imposição de regras a todo mundo."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Garbage"


Censura: 53 nomes que você não pode dizer em uma rádioCensura
53 nomes que você não pode dizer em uma rádio

Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumDream Theater
Os segredos do álbum Octavarium


Sobre Paulo Giovanni G. Melo

Mineiro de Belo Horizonte. Fã de Hard Rock e Heavy Metal, especialmente a partir dos anos 80, não dispensa um disco ao vivo destes estilos. Entre várias de suas bandas preferidas estão Ratt, Aerosmith, Buckcherry, The Cult, Whitesnake, Whitecross, Guns N' Roses e Motley Crue.

Mais matérias de Paulo Giovanni G. Melo no Whiplash.Net.

Goo336x280