Carmine Appice: como ele desenvolveu seu estilo de tocar?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ivison Poleto dos Santos, Fonte: Metal Addicts
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em uma entrevista para o meu chapa Poleto da Metal Addicts (veja a entrevista completa em inglês aqui) o lendário baterista Carmine Appice falou sobre a sua carreira, seu irmão, e seu estilo de tocar bateria.

Silverchair: a história por trás da capa de Freak ShowSeparados no nascimento: Edu Falaschi e Luciano Huck

Carmine, você pertence a uma geração de bateristas que eram autodidatas, porém você teve uma formação clássica, é isso mesmo? Creio que isso foi que moldou o seu estilo de tocar e deu aquele toque mágico. Você poderia falar sobre como foi sua experiência com as aulas de bateria e como você acha que isso influenciou a sua técnica e como você toca? O que acha de ter influenciado um geração inteira de bateristas?

Carmine Appice: "Bem, eu fui autodidata por cerca de um ano até conhecer um baterista da minha idade que era muito melhor que eu. Eu perguntei para o cara qual era o segredo. Era só praticar? Ele respondeu que não, que tinha aulas particulares de bateria com um cara no Brooklyn. Eu peguei o telefone do cara. Seu nome era Dick Bennett. Então, falei com os meus pais sobre pagar por aulas de bateria, eles concordaram e tive aulas por 3 ou 4 anos. Estudei todos os livros clássicos com ele. Comecei a tocar muito melhor. As aulas melhoram o meu tempo, minha velocidade, meu conhecimento, meus rudimentos, enfim, tudo. Eu me tornei um baterista muito, mas muito melhor.

Eu também toquei em várias bandas: bandas de escola, orquestras, bandas de jazz, bandas marciais, bandas de todos os tipos. O que eu acho de ter influenciado outros bateristas? Eu me sinto abençoado por vir de uma época quando novas ideias apareciam na música e a minha banda - o Vanilla Fudge - era parte disso. Eu criei um estilo de bateria de força e volume quando não havia equipamentos decentes de palco. Eu tinha de competir com amplificadores, portanto tinha de bater forte com toda a habilidade e técnica além de ser um showman.
Eu não tinha noção de que estava criando um novo estilo de tocar naquele tempo. Só estava fazendo que poderia ser visto e ouvido. Novamente, eu me sinto abençoado e orgulhoso por ter sido uma influencia para tantos bateristas."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Carmine Appice"


Eric Singer: Steven Adler perdeu o concurso e a mãe dele foi tirar satisfaçãoEric Singer
Steven Adler perdeu o concurso e a mãe dele foi tirar satisfação

Carmine Appice: como ele foi demitido da banda de Ozzy OsbourneCarmine Appice
Como ele foi demitido da banda de Ozzy Osbourne


Silverchair: a história por trás da capa de Freak ShowSilverchair
A história por trás da capa de Freak Show

Separados no nascimento: Edu Falaschi e Luciano HuckSeparados no nascimento
Edu Falaschi e Luciano Huck


Sobre Ivison Poleto dos Santos

Veterano das guerras metálicas. Pesquisador, escritor, resenhista, músico frustrado (por isso tudo o anterior). Ao contrário da opinião comum, acho que o melhor do Metal ainda está por vir e que existem grandes bandas novas por aí. Só procurar. No meu caso elas vêm até mim.

Mais matérias de Ivison Poleto dos Santos no Whiplash.Net.

adGoo336