Michael Schenker: o álbum que fez as pessoas o chamarem de "deus da guitarra"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Lazer 103.3 / Ultimate Guitar
Enviar Correções  

O guitarrista Michael Schenker falou, em entrevista à rádio Lazer 103.3 transcrita pelo Ultimate Guitar, sobre o seu legado nas seis cordas. O músico ex-Scorpions, UFO e MSG, entre outros projetos, é visto como um dos instrumentistas mais influentes no âmbito do hard rock e heavy metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Inicialmente, Schenker contou que não tinha noção de que se tornaria uma influência para tantos guitarristas. "Eu não estava buscando por nada, só estava tocando, me divertindo e fazendo experimentos. Eu compunha de dentro, de um lugar que ninguém conhecia até eu expressá-lo. Segui fazendo isso e as pessoas começaram a reconhecer que havia algo único ali. Quando você faz isso, algumas pessoas percebem, especialmente músicos, como Kirk (Hammett, Metallica) e Slash (Guns N' Roses)", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar de ter notado o reconhecimento, Michael Schenker disse que não fazia ideia do impacto que causou em outros músicos. A percepção só ficou um pouco mais afiada após um disco, em especial.

"Eu não sabia que eu tinha causado impacto em algum até que fiz 'Stranger in the Night' (álbum ao vivo do UFO, de 1979). Daí, as pessoas começaram a dizer: 'Michael Schenker é um deus'. Nem sabia como lidar com isso", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O músico ainda demonstrou gratidão por tanto reconhecimento. "Estou muito feliz por ter vivenciado a fama, então, deixei isso de lado porque não era algo que eu precisava. Eu me comportava como alguém que experimentava na música e trabalhava com pura autoexpressão. Segui fiel a mim mesmo. Não houve nenhum momento em que eu possa dizer: 'gostaria de ter feito isso'. Fiz tudo", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por fim, Schenker destacou que conseguiu chegar onde chegou sem passar muito tempo em uma banda, aceitando ordens de outros músicos. "Há tentações aqui e ali, mas percebi: 'ora, não precisei me juntar ao Aerosmith, a Ozzy Osbourne ou a ninguém'. Poderia ter ficado com o UFO, mas tive a minha própria visão do que precisava acontecer a seguir. Hoje, entendo o que aconteceu e é fantástico. Agora, posso celebrar", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMaridos traídos
Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Europe: toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl RoseEurope
Toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl Rose


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

WhiFin Goo336 Goo336 Cli336 Goo336