Cidade Dormitório: lançado álbum Fraternidade-Terror

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália da Silva Pandeló, Fonte: Build Up Media, Press-Release
Enviar correções  |  Ver Acessos

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

Uma sonoridade que caminha entre a música brasileira setentista e o pós-punk, o industrial e o rock alternativo, a psicodelia e o experimental faz uma ponte entre o passado e o moderno no primeiro disco de estúdio do trio sergipano Cidade Dormitório. Após uma série de singles e um EP, os músicos apresentam sua franca evolução em "Fraternidade-Terror", já disponível nas principais plataformas de streaming.

Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoHair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesado

Ao unir conceitos aparentemente tão contraditórios, a banda explora paradoxos para criar canções que refletem os tempos atuais sem parecer descoladas do passado. "Fraternidade-Terror" caminha uma linha tênue entre canções embaladas por nostalgia e romance, enquanto outras soam cinzentas e embebidas nos mais profundos dramas humanos. As referências filosóficas são sutis, o desalento não.

O contraste é, também, estético e discursivo. O próprio conceito da cidade dormitório - distante geograficamente e culturalmente dos grandes centros - escancara essas noções e provoca o pensamento para além das limitações. "Homo Erectus Plus", quarta faixa do trabalho que conta com a participação de lllucas, traz no título o humano moderno e suas telas que cabem na palma da mão - apenas para sucumbir ao peso dos muitos gigas de retrocesso em suas costas. Já em "Cinto que aperta e esta fivela me machuca", surge a constatação inevitável de que a história do sujeito e do mundo à sua volta se perde em uma linha do tempo infinita de auto-descarte.

Criada em 2015, a Cidade Dormitório é formada por Yves Deluc (guitarra e voz), Lauro Francis (baixo) e Fabio Aricawa (bateria e voz). Eles começaram a tocar juntos em jam sessions experimentais e despretensiosas que logo foram encontrando uma linguagem musical e lírica comum, pautada por um humor peculiar e irônico que viraria uma das marcas do grupo.

No ano seguinte, a Cidade Dormitório começou a se destacar nos palcos, sendo a banda escolhida para abrir o III Festival ZONS e o Festival DoSol em Aracaju. Em 2016 ainda, foram indicados pela TV Cidade como uma das revelações de Sergipe. Toda essa experiência e burburinho em torno do projeto se transformou em seu primeiro lançamento, "Esperando o Pior" (2017). Após dividirem palcos com nomes como Chico César, The Baggios, Maglore, Vivendo Do Ócio, Vitor Brauer, Scalene e Boogarins, eles fazem de "Fraternidade-Terror" um reflexo do Brasil atual e criam uma relação direta da banda com as suas raízes e com a cidade que faz parte do nome do grupo.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Cidade Dormitório"


Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMaridos traídos
Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Hair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesadoHair Metal
Os maiores cabelos da história do rock pesado


Sobre Nathália da Silva Pandeló

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336