Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemEvanescence coloca baixista no cargo de guitarrista e anuncia nova baixista

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022

imagemDave Mustaine, do Megadeth, inicia vida de youtuber e mostra o ônibus de turnê da banda

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"


Queen: como Brasil preparou banda para brilhar no Live Aid, segundo Brian May

Por Igor Miranda
Em 16/12/20

O Queen fez história com seu show no Live Aid, festival beneficente realizado em 1985. A apresentação, que chegou a ser retratada no filme "Bohemian Rhapsody", trouxe a banda completamente à vontade - e as passagens anteriores por Brasil e América do Sul como um todo ajudaram nesse sentido, de acordo com o guitarrista Brian May.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em uma antiga entrevista a uma rádio, resgatada pelo canal de YouTube "Raised on Radio" e transcrita pelo Ultimate Guitar, o músico refletiu sobre o preparo do Queen para lidar com grandes públicos. Na visão dele, as apresentações em estádios da América do Sul, incluindo Brasil (em 1981 e em 1985, no Rock in Rio), e no Japão credenciaram a banda a conduzir plateias enormes com maestria.

"Esse período entre o Live Aid e os shows de 1985 em Wembley e no Knebworth, que foi o último de todos, representou o nosso auge. Foi a última turnê. Achávamos que seria a primeira entre várias turnês de estádios, mas não foram, pois foi a última que pudemos fazer com Freddie", afirmou, citando o vocalista Freddie Mercury, que já estava com Aids naqueles tempos e acabou falecendo em 1991.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Brian May destacou que nem os músicos do Queen percebiam o quão "afiados" estavam naquela época. "Nenhum de nos percebia, mas olhando os vídeos agora, acho que éramos uma máquina incrivelmente estruturada. Tudo estava no lugar certo. Pessoalmente, nossas vidas estavam uma bagunça, mas no palco estávamos entrosados e fazíamos de tudo, até improvisávamos", disse.

O entrevistador citou que ficou impressionado com o show do Queen no Live Aid. O guitarrista, por sua vez, revelou que o grande segredo para a banda ter se saído tão bem naquela performance foram as experiências anteriores na América do Sul e no Japão.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"As coisas eram diferentes naquela época. O Live Aid foi ao vivo de verdade, a maioria nem trazia seu próprio equipamento: caixas de som, luzes, tudo era compartilhado. Todos deixaram os egos de lado. E muitas coisas deram errado na parte técnica. Paul McCartney sofreu, não dava para ouvi-lo. Por sorte, tínhamos uma boa equipe técnica e demos nosso melhor. E estávamos prontos, pois tocamos em estádios na América do Sul e no Japão. Nós sabíamos como fazer aquilo", afirmou.

O músico brincou que as passagens por outros países fora do eixo América do Norte-Europa, algo pouco comum entre grandes bandas de rock até então, foi uma "vantagem injusta". "Mas também obedecemos às regras: tocar os hits. Era como uma jukebox global. Juntamos o máximo de hits em 20 minutos e funcionou", comentou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por fim, May refletiu que os grandes festivais atuais nos moldes do Live Aid não seguem a mesma dinâmica. "Esses shows de Olimpíadas e coisas do tipo não são mais ao vivo de verdade. Todos têm medo de se apresentar ao vivo. Tudo tem que funcionar perfeitamente, então, eles apelam para um computador rodando playback. Não é uma performance de verdade. Eu não faço isso. Se você me vê tocando em uma cerimônia, é totalmente ao vivo", concluiu.

A entrevista pode ser ouvida na íntegra, em inglês e sem legendas, no player a seguir.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

imagemQueen: na época, eles acharam que show no Live Aid havia sido "até que meio ok"

imagemQueen: banda realmente esteve perto de acabar antes do Live Aid

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Freddie Mercury: Cinebiografia mentirosa chega à Netflix




Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.