Matérias Mais Lidas

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemLuciana Gimenez tentou aprender com Mick Jagger algo que não funcionou para ela

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemIron Maiden faz mais um show da "Legacy Of The Beast World Tour"; veja setlist

imagemA definição de rock n roll segundo quem melhor entende do assunto: Mick Jagger

imagemMike Shinoda não está nada feliz com a interferência das redes sociais na música

imagemKiko Loureiro explica efeito colateral da saída de Andre Matos que o fez crescer

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemFernanda Lira, da Crypta, e o papo reto sobre "se falar de política vai perder fãs"

imagemMetallica vai lançar toca discos super invocado, que obviamente custará uma fortuna

imagemTodos os discos do Nightwish, do pior para o melhor, em lista da Metal Hammer

imagemO dia que os membros do Black Sabbath foram amaldiçoados por uma seita satânica

imagemNick Mason relembra a época que o Pink Floyd desastrosamente tentou tocar reggae


Stamp

Scott Weiland: 7 músicas em que ele mostrou a que veio

Por João Pedro Andrade
Em 16/12/15

Scott era um músico dedicado e talentoso e sua colaboração para a música não pode ser mensurada. Durante três décadas de carreira, ele liderou bandas lendárias, como Stone Temple Pilots e Velvet Revolver, além de bandas de menor exposição, como Art of Anarchy e The Wildabouts, que o acompanhava em sua carreira solo.

Com uma performance enérgica, Weiland possuia a capacidade de se reinventar a cada música, como um ator troca de personagem. No início de sua carreira como líder do STP, ele apresentava uma voz barítona, grave, frequentemente comparada com o estilo vocal de Eddie Vedder, vocalista, do Pearl Jam. No terceiro álbum da carreira da banda, Tiny Music… Songs From The Vatican Gift Shop, de 1996, Scott já mostrava a evolução no seu modo de cantar, com vocais de alcance bem mais agudo, que combinavam com a influência sessentista que a banda optou por seguir nesse trabalho. Em seu primeiro trabalho solo, de 1998, 12 Bar Blues, o músico já havia se reinventado novamente, com tons sombrios e psicodélicos. À frente do Velvet Revolver, Weiland optou por uma linha vocal extensa, indo do grave barítono dos seus primeiros anos de Stone Temple Pilots, até o vocal rasgado e sujo, que combinava com o hard rock apresentado pela banda. No seu segundo disco solo "Happy" In Galoshes, de 2008, Scott busca explorar uma grande variedade de estilos musicais, passando pela bossa nova, o country e o indie rock. E, finalmente, em seu terceiro trabalho solo, The Most Wonderful Time Of The Year, de 2011, um disco natalino, o cantor revela o lado seu ‘crooner’ ainda inexplorado, ao melhor estilo Frank Sinatra e Sammy Davis Jr.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A causa de sua morte, até o momento da postagem desse texto, ainda não foi revelada, mas sua luta contra o álcool e as drogas, além da bipolaridade, era conhecida há pelo menos vinte anos. Aqui desejo, ao invés de me focar em suas batalhas pessoais, demonstrar um pouco do talento desse cantor tão incrível em 7 músicas em que Scott Weiland mostrou a que veio.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Stone Temple Pilots – Plush

É o maior hit de Weiland. Na época de lançamento(e até hoje), foi (é) um sucesso mundial. Levou o prêmio de Melhor Performace de Hard Rock, no Grammy de 1994; e o prêmio de Melhor Artista Iniciante no Video Music Awards, também de 1994. A letra, composta por Scott, foi escrita após ele ler uma notícia no jornal sobre uma garota que havia sido encontrada morta no subúrbio de San Diego; e é uma metáfora para um término de relacionamento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Stone Temple Pilots – Interstate Love Song

A música, que começou como uma bossa nova do baixista Robert DeLeo, acabou ficando por 15 semanas consecutivas no topo das paradas de rock americanas (que só foi substituída por "Vasoline", outra faixa do segundo disco do STP, Purple, que ficou mais duas semanas em primeiro lugar). A letra de Scott fala sobre mentira e vício. Ele explica em sua autobiografia Not Dead, Not For Sale, que durante a gravação do álbum, ele mentia para sua namorada sobre ter parado de usar heroína.

Scott Weiland – Lady, Your Roof Brings Me Down

Música de seu primeiro disco solo, 12 Bar Blues; foi, antes disso, escolhida para integrar a trilha sonora do filme Grandes Esperanças, baseado no livro homônimo de Charles Dickens. A faixa conta com Sheryl Crow fazendo participação especial tocando acordeon.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

The Doors – Break on Through

Em novembro de 2000, o músico foi convidado pelos membros remanescentes do The Doors, para fazer uma participação no especial para televisão VH1 Storytellers. No mesmo mês, o Stone Temple Pilots gravou "Break on Through" para o disco tributo Stoned Immaculate, junto com nomes como Creed, Smash Mouth, Aerosmith, The Cult e outros.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Velvet Revolver – Slither

É a música mais bem sucedida que Scott Weiland gravou com seus companheiros de Velvet Revolver, tendo se tornado a "assinatura" da banda; e rendeu o Grammy de Melhor Performace de Hard Rock (o segundo na carreira do músico), em 2005. Era com essa faixa que eles encerravam a maioria de seus shows.

Velvet Revolver – Fall to Pieces

Uma balada poderosa bastante semelhante ao trabalho que os companheiros de banda de Weiland faziam no Guns n’ Roses. A letra, escrita pelo vocalista, fala sobre sua relação com as drogas e como isso prejudicava seu casamento (na época com a modelo Mary Forsberg).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Scott Weiland – Have Yourself a Merry Little Christmas

É uma típica canção natalina, de Judy Garland, de 1944. Foi regravada por nomes como Frank Sinatra e Ella Fitzgerald. Entrou no disco The Most Wonderful Time of the Year e foi apresentada no The Tonight Show, com Jay Leno.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

imagemVelvet Revolver: Slash diz que falecido Scott Weiland era "irrecuperável"


Scott Weiland: Nem ele nem o STP merecem ser crucificados

Scott Weiland: estilo de vida rock'n'roll não causou morte segundo Chris Cornell



Sobre João Pedro Andrade

Paulista, Beatlemaníaco, a pessoa por trás do jmescuta.wordpress.com, uma das pessoas por trás do canal Jornal Musical e do podcast BarbalhadaCast. Produtor audiovisual de formação, jornalista musical de vocação. Guitarrista e ukulelista da banda de skacore Nokaos.

Mais matérias de João Pedro Andrade.