James Durbin: uma reflexão acerca do fenômeno

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim, Fonte: Observatório Nerd
Enviar correções  |  Comentários  | 

Na noite desta quarta-feira (25), o mundo conheceu o vencedor da décima edição do reality show musical “American Idol”. Foi o jovem Scotty McCreery, cuja voz grave entoando clássicos da country music derrotou a igualmente jovem e aspirante a Hannah Montana, Lauren Alaina – lembremos, aliás, que Miley Cyrus é filha de um cantor country (Billy Ray Cyrus) e teve seu breve momento seguindo os passos do pai. Mas é preciso dizer que eles não foram, para a imprensa especializada e parte do público, os grandes destaques desta temporada. Além do esquisito e simpático gordinho Casey Abrams, com sua pinta de jazzista contemporâneo, a América se rendeu aos agudos de James Durbin.

5000 acessosBill Ward: os dez discos de metal favoritos do baterista5000 acessosEnquete: Os 10 melhores shows do Rock In Rio 2015

Talvez nem seja preciso explicar quem diabos é James Durbin para você, simpático internauta que, por acaso, curte música pesada – mas vamos lá: trata-se de um moleque que, pela primeira vez na história da atração, levou uma canção do Judas Priest ao palco do programa, cantando “You’ve Got Another Thing Coming”. No episódio final, por falar nisso, ele esteve pessoalmente acompanhado pela própria banda, dividindo os vocais com Rob Halford numa dobradinha de “Breakin’ the Law” e “Living After Midnight”. Em outro momento memorável, desafiou os conselhos de Jimmy Levine, executivo da gravadora Interscope, e escolheu a música “Heavy Metal” (Sammy Hagar) para cantar. E detalhe: ainda foi acompanhado por ninguém menos que Zakk Wylde, tocando como um animal selvagem diante de uma Jennifer Lopez atônita, ali, na mesa do júri.

As meninas gritam por ele. Os jornais e programas de entrevistas da Terra do Tio Sam querem conversar com o sujeito mais do que com qualquer outro participante, tratando sua eliminação antes da final como “chocante” e “completamente inesperada”. Não faltam diversos recém-criados fãs-clubes em sua homenagem. E ele se diz assumidamente headbanger, transformando a frase “give metal a chance” em bordão pessoal. Isso quer dizer, portanto, que os EUA finalmente se renderam ao heavy metal? Esta é, enfim, a hora em que os cabeludos vão adentrar o mainstream chutando a porta da frente, dominando as rádios e a MTV?

Menos, minha gente. Menos.

É preciso analisar a ascensão de Durbin sob diferentes prismas. O primeiro deles: sejamos realistas, não foi ele quem ganhou. Eu gosto do moleque, de verdade. Mas tinha certeza de que, por mais querido que ele fosse, não chegaria até a final. E ainda acho que ele foi bem mais longe do que eu tinha imaginado ao vê-lo cantar Judas Priest. Ele abocanhou o quarto lugar. Mas estamos falando de um reality show que exige votação popular. E os EUA são um país que consome loucamente música country. Esta é a verdadeira canção que toca na alma dos estadunidenses. Esqueçam todo o brilho e luxo de Los Angeles e Nova York, suas bandas de rock alternativo, suas divas pop, seus rappers estilosos, porque todo o interior do país é apaixonado pelo country. É um estilo que vende como água até hoje. Seus grandes astros são como deuses para os fãs. E quando um cara talentoso como McCreery pintou no cenário, não teve pra ninguém. Tanto é que ele acabou passando praticamente imune pela maior parte das votações.

Olhando pelo lado dos bangers true, não faltaram críticas ao estilo de Durbin, taxado como “exagerado”, “afrescalhado”, “mauricinho com pinta de metaleiro” e por aí vai. Todos estes comentários são verdadeiros, retirados de comentários em sites de música – embora, pra mim, o melhor deles ainda seja “se queria cantar metal, que cantasse pelo menos Pantera”. Ah, tá. O dia em que alguém cantar “Broken” no palco do “American Idol”, juro que dou meu braço a torcer e digo: agora as coisas parecem que vão mudar. Enquanto isso, dou um sincero “blá” para estes true xiitas e sem senso de humor.

Eu era da tribo que ia muito com a cara do Durbin e que, admito, torcia por ele. Não eram poucos os bangers, aliás, que queriam ver o cara seguir na competição, que se sentiam secretamente orgulhosos por ver um dos seus levando o metal ao coração da música pop. Tinha gente até achando que, da mesma forma que no “Idol” da Finlândia, teríamos um legítimo representante do bate-cabeça como vencedor. Mas vamos pensar de forma honesta e racional: você acha que precisa? Oras, é claro que eu adoraria que ele vencesse, me sentiria um tanto quanto representado ali no lugar mais alto do pódio. Casos como o de Durbin e como o do calouro do “Programa Raul Gil” que entrou cantando “Highway To Hell” poderiam ser mais freqüentes? Sim, isso seria delicioso. Mas não passo meus dias sonhando com o dia em que os ouvidos do mundo vão acordar para o metal, em que Iron Maiden, Metallica e Ozzy Osbourne vão tirar o espaço de Lady Gaga, Beyoncé e Justin Bieber. O metal sempre foi um gênero underground e que, salvo alguns raríssimos flertes com o pop, sempre falou com um público bem restrito. E existe motivo pra reclamar?

O metal tem suas rádios especializadas, seus sites especializados, suas revistas, suas casas de show aqui e ali. Não é muito? Não. Mas está lá. Novos artistas continuam surgindo, os veteranos não param, ninguém se deixa abater pelas dificuldades de uma indústria musical cada vez mais abalada pelo crescimento dos downloads ilegais. As bandas brasileiras ralam um bocado, mas estão aí, fazendo seu trabalho e tocando para aqueles que realmente querem ouvir. E basta você, querido brasileiro, dar uma olhada no calendário de espetáculos para reparar na quantidade imensa de shows e mais shows de artistas gringos de rock pesado agendados para o nosso país. É coisa para todos os gostos. E haja bolso. Em seu documentário “Metal - A Headbanger's Journey”, o cineasta Sam Dunn diz para o público em geral, bem lá pelo final, que o heavy metal está bem, sim, obrigado. E “não precisa de vocês”. O cara tem razão. Gosto muito do Durbin. Mas jamais precisei que ele ganhasse o “American Idol” para que eu continuasse curtindo meu heavy metal como sempre.

Que Durbin vai crescer na indústria musical norte-americana? Não tenho dúvidas. Ele já está trabalhando em seu primeiro single, tem pelo menos um par de gravadoras de olho no cara, está estudando outras parcerias com roqueiros de renome. Que ele vai vender pacas? Também não duvido, em especial no disco de estreia. Mas será que vai durar? Isso, conforme o bom e velho clichê diz, só o tempo dirá.

Os responsáveis são citados no texto. Não culpe os editores. :-)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Bill WardBill Ward
Os dez discos de metal favoritos do baterista

1410 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's434 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta1353 acessosPhil Campbell: solo terá Dee Snider e Matt Sorum, além de Halford1008 acessosVocalistas: 5 famosas falhas ao vivo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Judas Priest"

Tim OwensTim Owens
"Minha saída do Iced Earth não foi nada amigável"

"Ripper" Owens"Ripper" Owens
A origem do apelido, Judas Priest, Iced Earth e mais

Serial KillersSerial Killers
As 10 melhores músicas sobre assassinos da vida real

0 acessosTodas as matérias da seção Maiores e Melhores0 acessosTodas as matérias sobre "Judas Priest"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Label Society"

EnqueteEnquete
Os 10 melhores shows do Rock In Rio 2015

Dinho Ouro PretoDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Yngwie Malmsteen muito antes da fama

5000 acessosAntes do Black Sabbath: as 50 músicas mais pesadas do rock5000 acessosOzzy Osbourne: "o morcego era quente e crocante"5000 acessosHeavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capas5000 acessosRoadrunner: os dez melhores vídeo-clipes da gravadora5000 acessosJudas Priest: KK Downing fala sobre os motivos da saída5000 acessosBlind Melon: 'Dream Theater? Desliga essa porra!'

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online