Brujeria: "Matando Gueros" em 2º na lista da Roadrunner

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Henrique Schmidt, Fonte: Roadrunner Records, Tradução
Enviar Correções  


Formada em 1989, esta notória banda de foras-da-lei mexicanos apresentou um sério grindcore no seu álbum de estréia de 1993, "Matando Güeros". Embora depois se revelasse um super grupo apresentando membros do FEAR FACTORY, FAITH NO MORE, NAPALM DEATH, CARCASS e outros, a sórdida identidade da banda foi considerada durante anos, como consistindo de narco-real satanistas procurados pelo FBI. Musicalmente, o álbum apresentou blast beats, guitarras rápidas e sujas com vocais guturais vomitando letras em espanhol, vangloriando ódio, violência e drogas.

Mas o estigma de má reputação que cercou a banda não parou nas letras ou sua enganosa identidade. A capa do álbum despertou indignação e polêmica por si só, pela imagem horrível de uma cabeça real decapitada e espancada, que é dito ter sido tirada das páginas da revista mexicana de notícias sensacionalistas "¡Alarma!".

publicidade

O álbum foi mundialmente proibido em lojas devido à sua imagem horrível, sendo lançada uma versão censurada para ser distribuída no início dos anos 90, e isto catapultou a carreira da banda, que ficou notória como "Mxtremistas" (nota do tradutor: Mexico+Extremista).



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Brujeria: bruxaria, assassinatos no México e tráfico?Brujeria
Bruxaria, assassinatos no México e tráfico?

Brujeria: O tão falado show da favela cariocaBrujeria
O tão falado show da "favela" carioca


Capas de disco: como seriam se fossem gifs animadosCapas de disco
Como seriam se fossem gifs animados

Metal contra o câncer: festival aceita cabelo como ingressoMetal contra o câncer
Festival aceita "cabelo" como ingresso


Sobre Carlos Henrique Schmidt

Graduado em Computação e Administração, a paixão pela música pesada surgiu nos primeiros anos da adolescência e permanece até os dias de hoje. Apesar da preferência pelos estilos mais x-tremos da música pesada (Black, Death, Grind), o seu universo musical não limitado por estes rótulos, mas pelo que a música em si transmite.

Mais informações sobre Carlos Henrique Schmidt

Mais matérias de Carlos Henrique Schmidt no Whiplash.Net.

WhiFin