OUDN: nova força do metalcore nacional

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Júlio Verdi, Fonte: Ready to Rock
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O heavy metal brasileiro se desenvolveu em praticamente todos os subestilos surgidos. Alguns na forma de massificação, como o boom do thrash na virada dos 1980 para os 1990, tendo o Sepultura como seu maior expoente. Teve o Angra alavancando dezenas de bandas de metal melódico nas últimas duas décadas. A cena death metal no Brasil é bem forte e tem no Krisiun seu maior orgulho nacional. Além de muitas bandas de prog metal surgidas, com destaque para nomes como Mindlfow, Maestrick e Remove Silence. E o metalcore (como o rótulo possa entregar, uma mescla da sonoridade do thrash e metal industrial com a pegada agressiva do hardcore), estetizado nos Estados Unidos, em bandas como Killswitch Engage, Shadows Fall, Il Ninho e outros, tem no país seus dignos representantes. Um deles e que começa a fazer sua carreira deslanchar é o OUDN, oriundo da cidade de São José do Rio Preto-SP. Formada em 2013, a banda conta hoje com Gustavo Vernéchio e Thiago Silva (guitarras), Guilherme Priólli (baixo), Caio Pimentel (vocal) e Luiz Furquim (bateria). Já gravou um EP muito bem produzido e começa os planos para o lançamento de seu primeiro full-length. A Ready to Rock conversou com o guitarrista Gustavo sobre a trajetória da banda e seus próximos passos.

Roadrunner: os melhores frontmen de todos os temposSeparados no nascimento: Joe Satriani e Lord Voldemort

1) ReadytoRock - Primeiro a pergunta óbvia. Qual o significado do nome OUDN?

Gustavo Vernéchio - A banda chamava-se O Último De Nós, mas com a mudança das composições para o inglês e a troca de integrantes, achamos melhor aproveitar somente a sigla. Nos identificamos como Our Ultimate Dying Nightmare, mas a sigla soa muito mais aprazível e simples. Preferimos que o nosso som caracterize nosso nome e não o oposto.

2) RR - Quais as influências musicais dos integrantes?

GV - As influências musicais variam muito. Cada integrante leva em si um gênero especifico, por exemplo, Gustavo Vernéchio deathcore, Thiago Silva djent metal e metalcore, Caio new metal, Guilherme Priolli hardcore, Luiz Furquim thrash metal, new metal e prog.

3) RR - Se você fosse classificar a banda dentro de um estilo musical, qual seria?

GV - OUDN tem uma mistura de cada integrante, porém Deathcore/Metalcore é o estilo que mais adotamos para banda!

4) RR - Como a banda se formou?

GV - Ela foi fundada em 2013 por Gustavo Vernéchio. Em 2014 sofreu várias alterações na formação, sendo a principal delas a entrada do guitarrista Thiago Silva, que deu outras ideias de composições, sem fugir do propósito inicial da banda. Quando entrou o baixista Guilherme Priólli e vocalista Caio Pimentel, a banda começou uma nova fase com composições em inglês. Por fim, Luiz Furquim aceitou o convite para ser o novo baterista, pouco antes de gravar o primeiro EP. Em fevereiro de 2015, nós lançamos nosso primeiro EP.


5) RR - No Soundcloud da banda encontram-se cinco faixas muito bem produzidas. Onde vocês gravaram?

GV - O processo de gravação não foi tão simples. Antes de gravarmos, a principal preocupação era a qualidade do nosso trabalho. Por isso, antes de tudo, entramos em contato com Henrique Ferraz, (nosso produtor musical). Isso foi essencial para o amadurecimento das nossas composições. Ficamos alguns meses trabalhando nas nossas pré-produções no home estúdio do Henrique. Só depois que estava tudo como queríamos, entramos em contato com Willian Fróes (Estúdio Fróes) e gravamos o trabalho final.

6) RR - A faixa "Flying Dutchman" tem uma levada meio prog metal nos andamentos. Essa é uma linha apreciada pela banda?

GV - Sim, apreciamos várias vertentes do metal, mas não foi algo que planejamos no caso da "Fying Dutchman". Ela surgiu com muita naturalidade. Quando Thiago Silva apresentou a ideia inicial da música, em apenas algumas horas, já havíamos terminado sua estrutura, algo muito natural mesmo. Em nenhum momento imaginamos fazer algo com influência de prog metal. A música apenas flui e ficamos muito satisfeitos com a qualidade final!

7) RR - Já "Wrath of the Maker" flerta em alguns momentos com thrash metal tradicional. Fale-nos um pouco dessa faixa.

GV - Quando eu fiz a composição da musica, já sabíamos que seria algo mais agressivo, a ideia inicial era fazer uma música mais pesada e rápida com influências de death. Na minha pré-adolescência, escutei muito Pantera, Anthrax, Megadeth, Slayer e Kreator, isso pode ter influenciado na composição da música, mas não propositalmente. Quando compomos, nunca nos espelhamos em músicas ou gêneros específicos!

8) RR - Interessante a inclusão de teclados no metal agressivo praticado pela banda. Acredita ser um diferencial para a sonoridade do OUDN?

GV - A ideia inicial não era ser uma banda temática, quando começamos a gravar nossas "prés" com Henrique Ferraz, que sentimos a necessidade de ser uma banda temática pelo conselho do nosso produtor. Sim, acreditamos que seja um grande diferencial para OUDN!

9) RR - Como foi a produção para o clip de "The Reaper"?

GV - A edição de vídeo foi feita por mim e a legenda pelo Willian Fróes. Todas as imagens contidas no vídeo são reais da segunda guerra mundial.

10) RR - Planos para o lançamento de um CD completo.

GV - Com certeza! Já estamos trabalhando nisso.

11) RR - Na sua visão quais as dificuldades de uma banda domiciliada no interior de São Paulo em se projetar Brasil afora?

GV - Todas as possíveis e imagináveis. O sistema joga contra você o tempo todo. A situação no país como um todo já é caótica, quando se trata então do berço do sertanejo atual, tudo fica dez vezes mais complicado. Temos plena noção que o caminho é áspero e árduo, mas isso não nos intimida de maneira alguma.

12) RR - O que você pensa sobre a cena do rock/metal de Rio Preto?

GV - É uma cidade que luta bastante para se destacar. Temos a Maestrick que conseguiu assinar com uma gravadora no exterior, e temos uma nova onda de composições autorais em diversos estilos. Infelizmente ainda existe uma dependência de covers para que os artistas possam se manter e investir, mas a produção autoral tem galgado seu espaço e ficamos felizes em estar contribuindo com isso.

13) RR - Quais suas expectativas com relação ao futuro do OUDN?

GV - Nós esperamos lançar nosso CD em breve, com umas 10 ou 12 músicas, e conseguir vender um show autoral com cerca de uma hora e meia. A partir disso, queremos buscar nosso espaço no cenário nacional e até na internacional.

14) RR - Fique à vontade pra deixar um recado aos leitores

GV - Continue firme conosco, temos excelente material saindo e vamos conquistar o mundo! Contamos com vocês nessa caminhada rumo ao topo, seja no Brasil ou em outro país! Muito obrigado pelo apoio e consideração!

Mais informações acessem:
https://www.facebook.com/oudnofficial
https://soundcloud.com/oudnofficial




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "OUDN"


Roadrunner: os melhores frontmen de todos os temposRoadrunner
Os melhores frontmen de todos os tempos

Separados no nascimento: Joe Satriani e Lord VoldemortSeparados no nascimento
Joe Satriani e Lord Voldemort

Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21Metal Sucks
Os melhores álbuns de metal do século 21

Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Demonstrações de afeto: fotos de rockstars que já se beijaram, parte 1Demonstrações de afeto
Fotos de rockstars que já se beijaram, parte 1

Baixistas: Os 10 maiores segundo os leitores da Rolling StoneBaixistas
Os 10 maiores segundo os leitores da Rolling Stone

Linkin Park: Por que ainda falam de Hybrid Theory?, diz ChesterLinkin Park
"Por que ainda falam de Hybrid Theory?", diz Chester


Sobre Júlio Verdi

Júlio Verdi, 45 anos, consome rock desde 1981. Já manteve coluna de rock em jornal até 1996, com diversas entrevistas e resenhas. Mantém blogs sobre rock (Ready to Rock e Rock Opinion) e colabora com alguns sites. Em 2013 lançou o livro ¨A HISTÓRIA DO ROCK DE RIO PRETO¨, capa dura, 856 páginas, trazendo 50 de história do estilo na cidade de São José do Rio Preto/SP, com centenas de fotos, mais de 250 bandas, estúdios, bares, lojas, festivais e muitos outros eventos. Curte rock de todas as tendências, em especial heavy metal e thrash metal.

Mais matérias de Júlio Verdi no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336