Ravenland: entrevista com o vocalista Dewindson Wolfheart

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leandro Fernandes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Próximo do lançamento do novo álbum da banda, Dewindson concedeu uma entrevista falando sobre o futuro da banda, projetos, nova formação e a repercussão do single "Poisoned", sempre muito simpático e educado, tivemos uma conversa bem descontraída. Confiram:

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1981King Diamond: O que significa ser Satanista?

Falando um pouco sobre essa nova formação da banda. Como foi encontrar, praticamente aos 46 do segundo tempo, pessoas com tanto talento para que o single "Poisoned" pudesse ter vida.

Dewindson Wolfheart - Bem, realmente estou muito feliz com a nova formação, são pessoas maravilhosas e excelentes músicos ao mesmo tempo! O guitarrista finlandês Timo eu já o conhecia por nossas bandas terem tocado juntas em outros festivais pelo Brasil, eu o conheci em 2008, desde então me tornei fã dele e não sabia que ele também admirava o trabalho da RAVENLAND, foi o primeiro nome em que pensei em convidar quando houve a saída do ex-guitarrista, já o Victor Angellis(baterista) tocava com um RAMMSTEIN cover e chegamos a dividir o palco também algumas vezes com eles, foi ele quem trouxe o outro guitarrista Renato Reggini, os dois já eram amigos e tocavam juntos em outra banda de Metal Industrial. O Renato e o Victor trouxeram a música "Poisoned" de sua ex-banda, ela foi composta por Marcelo Varge quem tocava com o Renato e o Victor, eu coloquei a letra e melodia vocal nela, assim como a "poisoned" eles trouxeram também a "Ravphoenix". Há cinco meses atrás se juntou a nós o Rafael Agostine ex-ETERNA, um músico completo também, além de baixo, o Rafael também toca teclado, guitarra e bateria, além de ser produtor é uma pessoa maravilhosa e músico incrível.

Dewindson, como está sendo a repercussão do novo single "Poisoned"?


Dewindson Wolfheart - Bem, ele foi lançado com intuito de adiantar o que está por vir no novo disco e que a banda está trabalhando, a repercussão tem sido boa sim, todos que tem ouvido tem elogiado e dito que foi o melhor trabalho já lançado pela banda. O single "Poisoned" estreou nas rádios da Europa na mesma semana em que foi lançado no Brasil, estava programado para ser lançado no programa HEAVY NATION da Rádio UOL e na ANGST RADIO (que executou a música e realizou uma entrevista comigo) ambas digitais, e em Portugal no programa SOS HEAVY METAL da Antena 1 108 FM de Portugal qual rolou até uma entrevista ao vivo comigo no mesmo dia ao MJ Imperatore e aos poucos tem estreado em outras rádios FM do planeta como na rádio FM STAHL RADIO e RAUTE MUSIK RADIO FM de Berlim, além do programa JACK FM 93.1 de Los Angeles... A repercussão tem sido muito boa sim.


A ausência de vocais femininos tem sido aceita por parte da crítica?


Dewindson Wolfheart - Sim, aliás há muito tempo eu já ouvia de alguns amigos próximos de que a banda deveria ter seguido como no início quando só havia vocal masculino, não que a fase com vocais femininos tenha sído ruim, de forma alguma, mas a cara da RAVENLAND é de bandas quais não tem vocais femininos em suas formações como o MOONSPELL, o PARADISE LOST, o RAMMSTEIN, o CHARON, SENTENCED entre outras... A crítica tem aceito bem, o Ricardo Batalha da revista ROADIE CREW elogiou e foi um dos amigos quem sempre me disse isso, além de muitos outros críticos. Tentei explorar um pouco mais de minha voz nessa música, se você ouvir bem vai observar que cantei em três ou quatro formas diferentes na mesma música e coloquei mais interpretação do que o normal que eu já havia usado em outros lançamentos anteriores.


Como ficarão as músicas antigas com vocais femininos ao vivo, serão descartadas ou terão um novo formato usando somente o seu vocal?


Dewindson Wolfheart - Não serão descartadas, para isso teremos uma vocalista somente nos shows ao vivo para cantá-las comigo, ela não será uma integrante fixa, criamos uma personagem para ela, pois como não planejamos ter uma pessoa fixa para a função poderemos chamá-la sempre de Ravena não importa quem esteja lá, vai sempre ser uma vocalista de grande talento mas misteriosa fazendo os backings femininos.

Nos fale um pouco mais sobre essa nova e misteriosa personagem, a Ravena!

Dewindson Wolfheart - Ela usará uma máscara de corvo como as renascentistas que eram usadas no Teatro antigamente e terá um palco elevado só para ela ao lado da bateria, assim como o KAMELOT e o MOONSPELL utilizam as vezes para suas backings...

Sobre o disco "And a Crow Brings me Back", que por sinal é excelente, existem planos para regravá-lo em um novo formato, utilizando apenas sua voz?

Dewindson Wolfheart - Regravá-lo não, mas ainda sonho em vê-lo relançado em formato Vinil já que ele esgotou e hoje não se encontra mais em nenhuma loja do Brasil e exterior.

Como estão os preparativos para o novo disco?

Dewindson Wolfheart - Temos ao todo 17 músicas novas compostas por Renato e Rafael, estão pré-produzidas, já em gravação, delas pretendemos colocar 12 a 13 no novo disco e usar 2 como bônus para o Japão já que lá foi o primeiro país a lançar uma coletânea em CD com nossa música incluída como uma das mais pedidas pelos ouvintes do programa TRANSAROCK MIX RADIO, então eles merecem. O restante deixaremos para um novo disco ou para um novo EP no futuro. Estamos gravando no estúdio 24HORAS que é de propriedade do nosso baixista/tecladista Rafael Agostino e finalizaremos o disco na Finlândia com o "Master of the Universe" Mika Jussila (NIGHTWISH, CHARON, SENTENCED, POISONBLACK, FOR MY PAIN, CHILDREN OF BODOM, AMORPHIS...).

Baseado no recente lançamento do single "Poisoned" que antecede o novo e terceiro disco, podemos traçar o perfil de como será o novo álbum da RAVENLAND?

Dewindson Wolfheart - Bem, a "Poisoned" mostrou um pouco do nosso novo lado mais industrial ao mesmo tempo em que manteve o lado Dark da banda, mas tem músicas que estão seguindo uma linha Industrial Doom Rock Metal, eu diria que tem elementos que foram mantidos e que mostram a nossa identidade, ao mesmo tempo seguem a linha de nossas principais influências PARADISE LOST, TYPE O NEGATIVE, RAMMSTEIN, MOONSPELL... Podem esperar um disco bem diversificado dentro do nosso estilo.

No "And a crow brings me back" a RAVENLAND contou com a participação especial do guitarrista Norueguês Tommy Lindal (ex-THEATRE OF TRAGEDY) e teve como baterista o Ricardo Confessori (ANGRA/SHAMAN /ex-KORZUS), para esse novo disco, já pode revelar se haverá alguma participação especial?

Dewindson Wolfheart - Sim temos vários, posso revelar alguns deles mas não todos, temos confirmado vários, mas espero que gravem primeiro para eu poder divulgar depois, dentre os que já posso revelar são eles; Yussi Saharon (ex-ORPHANED LAND) de Israel quem vai tocar o instrumento Busuki, teremos também uma das melhores guitarristas femininas do mundo, a Jacqui Tayllor da Inglaterra, o vocalista Vorph (SAMAEL) da Suíssa, além de um grande amigo que venero como guitarrista Brasileiro Fábio Jasko (ex-SARCÓFAGO), além de duas vocalistas internacionais que mesmo elas tendo confirmado ainda não posso revelar até elas gravarem, porque tenho que ver se a agenda da gravação vai dar certo com a delas.

Após o lançamento do aclamado segundo álbum "and a crow brings me back" 2010 finalizado na Alemanha pelo renomado produtor Waldemar Sorychta (LACUNA COIL, MOONSPELL, SAMAEL, THERION, REVAMP...), os lançamentos seguintes; o EP "Memories" de 2011 , o EP "Nevermore" de 2012 e o novo single "Poisoned" lançado em Dezembro 2013 contaram com uma produção brasileira e parte feita pela própria banda, nos fale o porque dessa escolha, não pretendem mais trabalhar com produtores gringos?

Dewindson Wolfheart - Na época do CD "and a crow..." não tinhamos um estúdio a nossa disposição como passamos a ter no EP "Memories" e no "Nevermore" que eram do nosso ex-baixista João Cruz, no single "Poisoned" usamos o estúdio do nosso novo baixista 24HORAS para gravar as guitarras o resto foi produzido e finalizado no CASANEGRA e NORCAL estúdio pela produção do Rafael Augusto (ex-TORTURE SQUAD/FANTTASMA) e ele fez um excelente trabalho, mas estávamos agendado para finalizar o single com o Mika Jussila no FINVOX STUDIOS na Finlândia, mas como atrasou um pouco e tínhamos uma data para lançar o single, finalizamos então no NORCAL com o Brendam, mas para o disco novo, estamos gravando inteiro no 24HORAS STUDIO e finalizaremos no FINVOX com o Mika Jussila, então voltaremos a trabalhar com os gringos sim, eles são excelentes em termos de prazo e qualidade, mas tudo será gravado em nosso estúdio e finalizado fora do Brasil como no "and a crow brings me back".

O contrato com a gravadora inglesa RAVENHEART MUSIC tem ajudado na divulgação do novo single "Poisoned" na Europa?

Dewindson Wolfheart - Olha, nossa música "Nevermore" chegou a ser tocada na BBC de Londres e acredito que a RAVENHEART teve uma influência nisso, o CD "and a crow brigs me back" teve uma ótima distribuição através deles na Europa, assim como a divulgação dos dois EPs seguintes, mas como estamos a busca de uma nova gravadora maior não chegamos a conversar ainda sobre o "Poisoned" e o novo disco, mas a coletânea "Ravensongs for the Ravenhearts" vai ser lançada e distribuída na Europa através deles ainda. O Dave (Diretor da gravadora) é um ótimo amigo e continua nos dando força e apoio na Europa.

Sabemos que a banda já é acostumada a dividir o palco com grandes nomes do Metal Europeu, THEATRE OF TRAGEDY, MOONSPELL, TIAMAT, Anneke (ex-THE GATHERING), Danny Cavanagh (ANATHEMA), PAIN, SIRENIA, TEATRES DES VAMPIRES entre outras, dentre estes o nome da RAVENLAND foi citado em duas tours conjuntas com o TO/DIE/FOR, outra com o ATROCITY/LEAVES EYES, o que aconteceu que a tour não se realizou?

Dewindson Wolfheart - Na época do show da RAVENLAND com o TO/DIE/FOR foi cancelado por conta de dois produtores Sul Americanos, um da Venezuela e outro de quem não lembro bem agora, não sei se foi o da Argentina, mas que cancelaram as duas datas ou três e ferrou toda a turnê que o TO/DIE/FOR faria na América Latina, Já a tour com RAVENLAND, ATROCITY e o LEAVES EYES no Rio, São Paulo e Belo Horizonte foram canceladas pelos gringos, não chegou a ser realizada, mas em ambas as tours estávamos incluídos.

Agora a pergunta que todos querem saber, quando a RAVENLAND voltará aos palcos? Quando estreará sua nova formação ao vivo? Já que este novo time conta com músicos maravilhosos como o guitarrista Finlandês Timo Kaarkoski e o Rafael Agostine (ex-ETERNA/BLOOD OWN BLOOD) além do Victor Angellis e o Renato Reggini.

Dewindson Wolfheart - Assim como vocês estou morrendo de ansiedade! (risos) Então, estamos em negociação com uma nova produtora para agenciar nossos shows aqui no Brasil, visto que nosso ex-manager Bruno Massoli R.I.P. (MS Produções) faleceu ano passado e desde então ficamos sem um agenciador fixo, mas acredito que a nova produtora vai nos acolher, estamos namorando ainda com ela e em breve teremos muitas datas para anunciar aqui, inclusive com bandas internacionais de renome. Posso adiantar que agora em Maio teremos um show bombástico com uma banda gringa, não posso anunciar o nome até então e este será o primeiro show em parceria com essa grande produtora do Brasil qual espero que dê tudo certo para trabalharmos juntos com ela sendo nossa agenciadora.

Planos para uma turnê internacional, existe essa possibilidade?

Dewindson Wolfheart - Planos sempre temos, desde 2010 na tour do CD "and a crow brings me back" conhecemos e estabelecemos ótimos contatos lá na Europa, mas desta vez estamos indo um passo de cada vez, o primeiro passo foi dado com o single "poisoned" os dois próximos passos serão o Vídeo Clipe dela e o novo disco ainda sem título previsto para Maio/Junho, daí então pensaremos novamente em uma tour internacional.

Sobre o futuro da banda, o que você espera colher dessa nova fase.

Dewindson Wolfheart - Espero simplesmente que possamos ficar juntos fazendo música por muitos e muitos anos como grandes amigos e felizes por ainda tocarmos juntos, em cada show que fizermos olhar um para a cara do outro em cima do palco e sentir aquela energia foda que só se sente quando está lá por amor à música e falar "ESTÁ DUCARALHO BRO!!!!" com um sorriso de orelha a orelha. Sempre! E isso já vai dizer tudo, que tudo está valendo a pena, que tudo está dando certo e vai continuar a valer.

Agora um espaço para suas considerações finais e um recado para os fãs.

Dewindson Wolfheart - Primeiramente muito obrigado pelo espaço! Aos fãs e leitores do site, visitem nosso site oficial www.ravenland.info e fiquem por dentro de todas as nossas novidades ou dêem um "Like" e acompanhem nossa página no Facebook www.facebook.com/ravenland.officialpage e sejam bem vindos à Terra do Corvo!

Links relacionados:
http://www.ravenland.info
http://www.twitter.com/ravenlandband
http://www.facebook.com/ravenland.officialpage
http://www.youtube.com/ravenlandchannel



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Ravenland"


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1981Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1981

King Diamond: O que significa ser Satanista?King Diamond
O que significa ser Satanista?


Sobre Leandro Fernandes

Conheci o rock em 1992, tendo o primeiro disco do Iron Maiden. Com o passar dos anos me apeguei ao rock progressivo e tenho bandas como Pink Floyd, Jethro Tull, Rush e Uriah Heep sendo as favoritas. Profissional da área de T.I, casado e uma filha. Sempre buscando conhecimento no rock/metal em geral.

Mais matérias de Leandro Fernandes no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin