Corey Taylor: HQs, "The Walking Dead", shows marcantes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
ENVIAR CORREÇÕES  

O STONE SOUR voltou com tudo. O novo álbum do grupo, "House of Gold & Bones- Part 2", sai dia 9 de Abril e é a segunda parte do álbum conceitual de duas partes da banda, "House of Gold & Bones".

Roqueiros conservadores: a direita do rock na revista VejaAgressividade: 21 caras que fizeram a história do rock pesado

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco tem recebidos excelentes críticas por parte dos jornalistas que receberam a cópia adiantadamente: trata-se de um clássico profundo, sombrio, pesado e calcinante do Metal. O Stone Sour também está lançando uma série de HQ inspirada no álbum e escrita inteiramente pelo vocalista COREY TAYLOR. Além disso, a banda está na estrada nesse semestre fazendo shows que incluem uma apresentação na quinta premiação anual da revista estadunidense REVOLVER, no dia 2 de maio, em Los Angeles.

O site Noisecreep falou com Taylor, e como de costume, ele não se esquivou. Ele é um excelente contador de histórias e tão passional numa conversa quanto é no palco, seja liderando o Stone Sour, ou com aquela outra banda da qual você pode ter ouvido falar, o SLIPKNOT.

Corey, estamos adorando esse álbum novo. Podemos dizer que você está feliz com ele?

Eu sabia que ele era realmente formidável logo depois que eu ouvi as primeiras mixagens. Estamos falando de coisa muito boa de ouvir. As pessoas que o ouviram até agora estão abraçando pra valer, o modo como elaboramos isso e demos sequência à história, então tudo parece estar funcionando com as pessoas. Eu estou tão animado com esse disco quanto já estive com qualquer coisa que já tenha feito com qualquer banda. O som é muito monstruoso.

E você está com sua primeira HQ também.

Sim, e eu tenho que te dizer isso, para um tarado por histórias em quadrinhos como eu, isso quer dizer muito. O lance é, ser um tarado por histórias em quadrinhos hoje em dia é chique. Quando eu era moleque, você apanhava se curtisse HQ, e agora é algo que está na moda, o que eu acho muito irônico.

Você tinha uma revista em quadrinhos favorita quando era moleque?

Bem, eu era fã da Marvel e eu teria que dizer que o Homem-Aranha é meu favorito de todos os tempos. À medida que eu cresci, meus gostos se desenvolveram um pouco mais e eu seguia certos roteiristas, tipo, eu curti muito o Grant Morrison. Desde que eu tinha 5 anos de idade, eu curtia histórias em quadrinhos. Desde quando eu aprendi a ler, tudo girava em torno de HQs. Eu sou um colecionador de HQ, e agora, como um geek adulto que pode ver tudo que há de muito legal. Mais uma vez, você tem que entender, eu estava lendo "The Walking Dead" quando saiu em quadrinhos. Agora eu vejo o que está rolando. Eu vejo essas coisas na TV e nos filmes,e eu penso, ‘vão se fuder, gente’! Para todos nós que levamos os quadrinhos a sério, todos nós meio que dizemos, ‘você só pode estar de gozação comigo’. Mas enfim, nós podemos dar o dedo pra todo mundo e dizer, nós sabíamos o quanto eles eram legais antes de eles serem considerados legais.

Corey, houve algum show que você assistiu lá atrás e que tenha te chapado?

Houve alguns que fizeram isso comigo. O primeiro eu diria que foi da turnê do METALLICA para "... And Justice For All", com o MEGADETH e o ALICE IN CHAINS na abertura. Por mais icônico que o Metallica tenha ficado, eu acho que algumas vezes nós esquecemos o quão cru eles eram no começo da carreira, e para um moleque de 15 anos como eu, era muito impactante. Aquilo estava um patamar acima. Mas há outro show que eu acho que teve o maior impacto na minha vida e é algo que muito poucas pessoas conseguem viver.

Conte-nos sobre ele...

Bem, eu fui assistir a um show do SLIPKNOT em Iowa. Isso foi dois anos antes de eu entrar pra banda. O Stone Sour ia tocar na noite seguinte e então fomos ver o Slipknot e eu nunca havia tido aquele tipo de sentimento antes; de ver uma banda com aquele tanto de energia. Eles simplesmente marcharam por cima da plateia e daí eu disse pra mim mesmo, ‘essa é a banda na qual eu quero cantar’. Então, pensa só. Quantas pessoas vão ver uma banda que é a banda favorita deles no mundo e daí logo depois viram o vocalista? É a porra da coisa mais legal do mundo e fico feliz que você tenha perguntado isso porque é bom pra mim, lembrar como foi o dia quando vi o Slipknot pela primeira vez. É estranho, eu ainda sou fã da banda de quando eu os via naqueles tempos, e olha só o que aconteceu. Eu estou te dizendo, cara, é simplesmente inacreditável.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Walking Dead"


Slipknot: quando eles abriram o show de uma banda de jazzSlipknot
Quando eles abriram o show de uma banda de jazz

Gosto Musical: artistas falam do que devia ser banido para sempreGosto Musical
Artistas falam do que devia ser banido para sempre


Roqueiros conservadores: a direita do rock na revista VejaRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja

Agressividade: 21 caras que fizeram a história do rock pesadoAgressividade
21 caras que fizeram a história do rock pesado


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor