DeCifra me: Symphonic Gothic Metal nacional

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vicente Reckziegel, Fonte: Witheverytearadream
Enviar correções  |  Comentários  | 


5000 acessosOverkill: mandando recado ao Avenged Sevenfold5000 acessosMegadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine

Quem acredita em sua música pode fazer um trabalho o mais profissional possível. É o caso dos cariocas do DeCifra me que, apesar de ser um grupo relativamente recente, e ter somente um EP lançado, o cuidado com que tratam todos os aspectos, tanto a música como os demais promocionais, deve ser exaltado. Tem tudo para tornarem-se uma das grandes bandas nacionais e, por que não. no exterior. Com a palavra, o baixista e compositor da banda, Allan Gil:

Vicente: A banda é relativamente recente, tendo sido formada em 2006. Como avaliam a trajetória do DeCifra me até este momento?

Allan Gil: A banda vem em uma trajetória de muita luta, com vitórias e derrotas também. Mantê-la é muito complicado e sempre há um novo desafio. Mesmo assim estamos muito satisfeitos pelo grupo que temos e pela união que conquistamos.

Vicente: Vocês lançaram seu primeiro registro oficial, “Death Mask”, no ano passado. Como foi a gravação do disco? Foi tudo como esperavam?

Allan Gil: Esse foi com certeza um dos nossos maiores desafios. Lutamos contra a falta de grana. Nosso objetivo era realizar a gravação 100% dentro de um bom estúdio, para isso chegamos a consultar e até quase fechar com produtores conhecidos, mas nosso orçamento foi reduzido e tivemos que trilhar caminhos diferentes. Montamos então um estúdio caseiro para a captura das cordas e teclados, deixando para o estúdio apenas os vocais, sopro e bateria. No final, o produto não saiu como esperávamos, mas foi o melhor que pudemos fazer para o momento.

Vicente: E a reação do público?

Allan Gil: Foi surpreendente. No início, ficamos muito tristes por não termos conseguido fazer com que o EP tivesse a qualidade que sonhamos, mas a cada apresentação as pessoas nos procuravam para levar um exemplar e passamos também a presentear expectadores mais calorosos em alguns shows. A partir disso, passamos a perceber que as pessoas já cantavam nossas músicas nos shows. Isso foi gratificante e tomou o lugar da frustração que havíamos sentido no começo.

Vicente: Vocês já começaram a gravação de um novo EP?

Allan Gil: Sim, estamos gravando, mas não exatamente um novo EP. Nossa intenção é corrigir as músicas antigas e incluir novas faixas. No final sairá um "The Death Mask" com o dobro de faixas, mas agora com maior qualidade. Vamos fazer valer o nosso lema que é a qualidade.

Vicente: Foi difícil conseguir montar toda essa estrutura de banda, que envolve flauta doce, violino, teclados e tudo o mais que o DeCifra me possui agora?

Allan Gil: É difícil sim. Primeiro, a dificuldade em encontrar músicos comprometidos e determinados a realmente "vestir a camisa e trabalhar". Segundo, a dificuldade em conseguir equilibrar os horários de todos para cumprirmos com os compromissos, uma vez que somos 9 pessoas. E terceiro, manter uma logística para transportar a banda e o equipamento nas apresentações, já que os integrantes são de vários pontos do Estado do Rio de Janeiro. Outro tipo de situação problemática que já passamos é, por exemplo, no caso de um instrumentista deixar a banda, para isso temos nosso próprio equipamento. Como somos muitos, conseguimos manter os ensaios nos revezando nos instrumentos.

Vicente: Vocês já tiveram a oportunidade de abrir os shows de bandas como Sirenia e Shaman. Como foi essa experiência?

Allan Gil: Maravilhoso é a palavra certa para descrever esses momentos. E ainda tê-los visto assistindo nossa apresentação, lembrar disto faz sumir qualquer problema e dificuldade.

Vicente: Como avalia o cenário para as bandas nacionais nesse momento? Há mais espaço para divulgação e realização de shows, ou não houve nenhuma mudança substancial nesse sentido?

Allan Gil: Muitos defendem que a cena acabou, outros dizem que ela está mais forte. No meu ponto de vista, vejo "panela" de bandas, vejo poucos organizadores de eventos que fazem um trabalho legal, vejo muitas bandas ótimas e de qualidade lutando por um espaço, vejo falta de oportunidade nas rádios FM, não existe incentivo do governo. Vejo um mercado de música em transformação onde o futuro ainda não está definido e parece que todos estão deixando para ver onde vai dar.

Vicente: Uma coisa bacana na banda é a preocupação no todo, seja pelo cuidado com o material gráfico, site, sem esquecer obviamente da parte musical. Essa foi uma preocupação desde o inicio da banda, fazer um trabalho profissional de alto nível?

Allan Gil: Desde o início a banda vem focando na qualidade, seja na música, no site, na performance. Tentamos ser o mais profissionais possível, estudando cada ponto, onde deve ser melhorado a cada apresentação, pois desejamos que nosso material seja exibido não só aqui, mas também fora do Brasil.

Vicente: Em poucas palavras, o que acham das seguintes bandas:
Elis:
Elis vem sendo uma inspiração para nós, principalmente no álbum "Dark Clouds in a Perfect Sky" com seu som simples, sem muita virtuose. Assim como nós.
Therion:
Therion tem a estrutura que queríamos para nós. O coro de vozes perfeitas, unindo-se ao peso. Mistura perfeita.
Epica:
Grande nome dentro do estilo. Não dá para falar de Metal Sinfônico sem citá-los.
Shaman:
Uma influência antiga, desde a época do André Matos. Os elementos que a banda trás nos atraem muito, flautas, pianos, percussões muitíssimo bem feitas, além de uma sonoplastia muito interessante nas aberturas de shows e intro de cds.
Nightwish:
Sem palavras, foi onde tudo começou. Nossa ideia inicial, nosso plano, foi sendo lapidado até virar algo mais com a nossa cara, mas a princípio, a ideia era ser como Nightwish.

Vicente: Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem o trabalho do DeCifra me e para aqueles que gostariam de conhecer melhor seu som e apostam no Metal nacional.

Allan Gil: Para aqueles que nos acompanham, não temos como agradecer pela força e carinho que nos tem dado, até mesmo nos momentos difíceis. Sabemos de verdade o quanto é importante cativá-los e agradá-los sempre e o faremos assim. Para os que não nos conhecem e gostariam de conhecer, basta nos procurar em nosso site ou nas redes sociais, teremos o maior prazer em atendê-los. Para todos, nosso recado é confie nas bandas nacionais, pois somos capazes de fazer um trabalho de qualidade tanto quanto as bandas gringas. É o que posso dizer. Confie!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Decifra Me"

OverkillOverkill
Mandando recado ao Avenged Sevenfold

MegadethMegadeth
Os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine

SepulturaSepultura
Andreas conta curiosidades sobre os primórdios da banda

5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido5000 acessosCristina Scabbia: cantora fala sobre seus seios e Playboy5000 acessosFascínio pelo terror: Cinco bandas que dão medo5000 acessosThe James Gang - A gangue encrenqueira do rock5000 acessosJanaína Paschoal: "Prefiro Pink Floyd e Dire Straits a Iron Maiden"4607 acessosPunk: três exemplos de como tocar na batera também é difícil

Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online