Dimmu Borgir: "não fazemos black metal tradicional"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Adelemberg Thiago, Fonte: Brave Words & Bloody Knuckles, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

A Radio Metal publicou uma entrevista com Galder, da banda norueguesa de black metal DIMMU BORGIR. Segue um trecho da conversa:

Red Hot Chili Peppers: Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saídaSolos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NME

Radio Metal: A música "Gateways" não tem aqueles gritos típicos do black metal. Muitos puristas já estavam criticando a banda, dizendo que vocês não tocam mais black metal. Com este tipo de música, vocês estão confortando-os em sua posição. Qual sua visão quanto a isso?

Galder: Eles estão certos, não tocamos black metal tradicional, mas também nunca reivindicamos ser uma banda tradicional de black metal. Quando o "Stormblåst" saiu, as pessoas disseram que não era black metal - e de certo modo não era, pois tinha teclados e era muito sinfônico. Nós apenas fazemos música que achamos legal; não fazemos música para agradar um certo grupo de pessoas. Gostamos do que fazemos, e gostamos de ter diferentes elementos do metal em nossa música. Symphonic black metal é a melhor palavra para descrevê-la, ela definitivamente não é black metal old school.

Radio Metal: "Puritanical Euphoric Misanthropia" é realmente a pedra fundamental na discografia da banda. Os dois álbuns seguintes foram mais ou menos numa veia similar. Você acha que "Abrahadabra" poderia ser o próximo passo, a próxima pedra fundamental da banda?

Galder: Concordo totalmente. Puritanical é um de meus álbuns favoritos do Dimmu, ele levou a banda numa direção totalmente diferente. Mas mesmo quando esse álbum saiu, as pessoas ficaram chocadas e disseram: "O quê? Isso não é Dimmu!". As pessoas precisam de tempo para habituar com material novo. Eu acho que este novo trabalho é muito melhor do que o anterior. É um disco mais completo, pode dizer que trabalhamos duro nele. Naturalmente, há aqueles que não vão gostar de tudo sobre ele [Abrahadabra], mas tem sido assim desde o Puritanical. É um passo na direção que queremos ir. Estamos sempre abertos para tentar novas idéias, então o próximo disco pode ser muito mais rápido do que este [Abrahadabra], por exemplo. Nunca sabemos o que vamos fazer. Mas quando fazemos, sentimos que estamos dando um passo na direção certa.

Leia a entrevista completa (em inglês) no link abaixo:
http://www.radiometal.com/en/article/dimmu-borgir-and-their-...



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Dimmu Borgir"


A-Ha: pop norueguês que influenciou algumas bandas de metalA-Ha
Pop norueguês que influenciou algumas bandas de metal

Dimmu Borgir: Somos uma banda satânicaDimmu Borgir
"Somos uma banda satânica"


Red Hot Chili Peppers: Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saídaRed Hot Chili Peppers
Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saída

Solos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NMESolos de guitarra
Lista dos 50 melhores segundo a NME


Sobre Adelemberg Thiago

Serratalhadense, pernambucano arretado, e terminando o curso de fisioterapia. Nasci em 1985, comecei a escutar rock através das baladas românticas dos "love metal" da vida!. De 2001 até hoje, curto quase todos os gênero do rock, desde o Queen e a velha guarda do hard rock, tipo Scorpions e Europe, aos grandes nomes alemães e chegando ao grande Dimmu Borgir. Sou apaixonado por futebol, meeeengo, corridas, adoro carros esportivos. Não sou um ás das palavras nem tampouco um Bach nas músicas, mas ajudar a divulgar o hard rock/heavy metal, contribuir com o site e ver a galera comentando sobre o que você posta é gratificante, por isso decidi a colaborar sempre que possível com o site. No twitter: @A_Thiago.

Mais matérias de Adelemberg Thiago no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin