Opeth: "Não queremos apenas ser diferentes!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Deivis Queirolo Vieira, Fonte: Irish Times
Enviar correções  |  Comentários  | 

O Jornal "The Irish Times" conduziu em novembro de 2006 uma entrevista com o líder do OPETH, Mikael Akerfeldt.

5000 acessosMudanças: bandas que não soam mais como em seus primeiros discos5000 acessosGuns N' Roses: a família brasileira de Axl Rose

Sobre o ângulo de visão mais amplo das influências da banda:

Mikael: "Eu não vejo sentido em tocar numa banda e seguir somente um caminho quando você pode fazer de tudo. Seria impossível para nós tocar só death metal; é a nossa raiz, mas agora somos uma mistura de tudo, e não puristas de um estilo musical. É impossível para nós fazer isso, e francamente, eu acharia entediante estar em uma banda que toca apenas metal. Não temos medo de experimentar, ou sermos pegos "com as calças abaixadas", por assim dizer. É isso que nos faz seguir em frente."

Sobre a obsessão da banda em experimentar:

Mikael: "Não é que nós acordamos de um dia pro outro com um pensamento de fazer um riff de jazz e jogar numa mistura. Um critico do nosso mais recente álbum estava pronto para o pior quando disse que soamos como ELTON JOHN e BOYZ II MEN. E daí? Estou tranquilo com isso, é ótimo. Eu não sinto que temos qualquer limite. Nós não queremos ser diferentes apenas pelo prazer de ser diferente; se eu venho com algo que soa bem, então isso será utilizado, não importando se algumas pessoas pensam que soa ruim."

Sobre se ele vê as possibilidades de experimentação como sendo intermináveis:

Mikael: "Quando eu disse que não temos qualquer limite, não é totalmente verdade, pois ainda há alguns certos tipos de música que eu não gosto - como hip-hop, ska, dance. Então não as experimentaríamos. Não haverá nenhum tipo de rap em nossos álbuns tão cedo, com certeza."

Mikael: "Eu tinha um gosto bem mais purista quando era mais jovem. Se alguém nos dissesse pra tocarmos funk, eu diria não. Queríamos ser pesados e extremos, o que vinha a ser nossa forma de rebelião, assim como funciona com crianças e o heavy metal. Ainda há um elemento de fora, e é disso que gostamos. Com o passar dos anos aprendemos a tocar melhor nossos instrumentos e ganhamos mais influências musicais. Eu não tinha medo de dizer que essa música do ELTON JOHN ou aquela do STEVIE WONDER eram boas. Mas ainda nos inclinamos para nossas raizes do metal, pois a amamos."

Sobre a negativa percepção clichê do metal e seus vários sub-gêneros:

Mikael: "Eu gosto de tipos mais sombrios de letras e músicas, mas é apenas meu gosto - não faz necessariamente de mim uma pessoa negativa. Várias pessoas concordariam que você pode retirar boas emoções de músicas negativas. Leonard Cohen é um bom exemplo de sentimentos de vida vindos de suas músicas. Eu gosto de momentos felizes nas canções também, mas aquelas felizes-dançantes fazem com que eu me afaste até uma certa distância. Algumas pessoas não acreditam quando eu digo isso, mas eu prefiro a vibração negativa. A maior parte do estilo de vida do metal é um tanto quanto sombria, e é assim que ela é. Eu fui imensamente influenciado por isso, mas como eu disse, ainda prefiro músicas felizes."

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MudançasMudanças
10 bandas que não soam mais como em seus primeiros discos

153 acessosEm 28/05/2008: Opeth lança o álbum Watershed0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Opeth"

HailMetal.comHailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal

Metal suecoMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

Top 20Top 20
Discos recentes de bandas clássicas tão bons quanto os antigos

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Opeth"

Guns N RosesGuns N' Roses
A família brasileira de Axl Rose

SaúdeSaúde
Bater cabeça pode causar danos ao cérebro

Judas PriestJudas Priest
10 fatos que comprovam que eles são Heavy Metal!

5000 acessosMike Mangini: um dos bateristas mais rápidos do mundo?5000 acessosMonsters of Rock: a feijoada que quase derrubou King Diamond5000 acessosPorn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitários5000 acessos"Mascotes" de bandas: GigWise elege os 14 mais famosos5000 acessosRock, Revolução e Satanismo5000 acessosGuitarra: uma impressionante aula sobre estilos pessoais no Metal

Sobre Deivis Queirolo Vieira

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online