Fighterlord - Entrevista exclusiva com a banda.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar Correções  


Entrevista por Paulo Finatto Jr.

publicidade

O Fighterlord é hoje uma das mais populares bandas da cena gaúcha de heavy metal, e isto pode ser comprovado pelas ótimas críticas que "Eternal Night", o primeiro álbum da banda, vem recebendo da crítica especializada, inclusive no exterior. A banda, que desde o lançamento do CD teve duas mudanças na sua formação (a saída do baixista Pedro Fauth e do baterista Sávio Sordi) conta hoje com Ricardo Vieira (vocal e guitarra), Renato Osório (guitarra), Elizandro Max (baixo) e Daniel Sterzi (teclado), sendo que o quarteto está em busca de um baterista. Este ano ficou marcado pela extensa divulgação do CD, que chegou ao mercado no primeiro semestre, e também pelos bons shows realizados, entre eles no grande festival Metal Contra o Mundo, em São Leopoldo (RS). Confira então, esta entrevista exclusiva com o guitarrista-vocalista Ricardo Vieira.

publicidade

WHIPLASH! - Primeiramente, qual é a importância do nome Fighterlord para a temática lírica da banda?

RICARDO VIEIRA / O nome da banda foi criado em 1995, inspirado em um personagem esquizofrênico-psicopata de sobrenome Fighter. A temática das primeiras demos fazia sempre alusão ao "mascote", mas com o passar dos anos surgiram outros temas e idéias, mas o nome permaneceu. Talvez o nome possa ser encaixado hoje em dia nas dificuldades que as bandas de metal enfrentam... Afinal de contas quem toca Heavy Metal no Brasil tem que ser "Fighter", pois ainda falta muito apoio da mídia e até mesmo das gravadoras.

publicidade

WHIPLASH! - Por falar em temática, qual é o conceito da ilustração da capa do recente álbum, "Eternal Night"?

RICARDO / Bem, a capa do "Eternal Night" se encaixa com a temática das letras desse álbum, que fazem referências aos mistérios da noite e da alma... Principalmente em faixas como "Human Mind", "No Surrender Part II: Eternal Night", "Daylight" e até mesmo a introdução, "Daybreak".

publicidade

WHIPLASH! - O primeiro lançamento da banda foi a demo "Soul of Steel", lançado em 1998. Esta foi a primeira composição, e o primeiro registro em estúdio do Fighterlord? Por que a banda preferiu utilizar bateria eletrônica nesta gravação?

RICARDO / O primeiro registro do Fighterlord em estúdio foi em dezembro de 1995, ainda com a formação original que tinha eu, o Renato (guitarra), o Pedro (baixo) e o Chapahaus (bateria), quando gravamos três faixas para a demo tape "Let The Fighter Begin". Depois em 1997, com uma nova formação, gravamos outras duas músicas para a demo "Face The Madman". Estas duas demos gravadas totalmente em sistema analógico. Em 1998, novamente com outra formação, decidimos gravar apenas uma música utilizando os novos sistemas de gravação digital... Utilizando softwares como o Cake Walk, que os estúdios aqui do Sul estavam começando a utilizar. Bem... As baterias foram de fato tocadas, em uma bateria que tinham uma espécie de "triggers" que mandavam o som para o computador sempre com a mesma intensidade. O resultado não ficou satisfatório, e decidimos não continuar as gravações naquele estúdio. Mesmo assim, fizemos o lançamento da demo "Soul Of Steel", para ver qual seria a reação da mídia especializada e do público.

publicidade

WHIPLASH! - Antes de sair em 2001 o álbum "Eternal Night", vocês lançaram duas demos: "Human Mind" e "Sleepless Night". Estes singles serviram apenas como uma prévia do ‘debut’, ou foram lançados para serem comercializados?

RICARDO / O single "Human Mind" saiu às pressas pois estávamos com o festival "Reunion" marcado para Santa Maria (RS), juntamente com o Damage e o Steel Lord, e tínhamos no mesmo dia do festival uma entrevista na rádio Pop Rock de Santa Maria, e certamente alguma música deveria ser rodada. Assim tivemos que trabalhar na mixagem até um dia antes de viajarmos para o show. A tiragem foi limitadíssima, e foi praticamente toda vendida durante o festival. Já que tivemos um bom retorno do single "Human Mind" decidimos lançar o single "Sleepless Night" para darmos mais uma prévia do que seria o nosso cd. Utilizamos esse singles para vendas nos shows e também para a divulgação em rádio, revistas e sites especializados.

publicidade

WHIPLASH! - A chegada do álbum "Eternal Night" nas lojas de Porto Alegre demorou muito para acontecer, assim como a produção final do disco. Por que houve tanta demora neste lançamento?

RICARDO / Bem, tratando-se de uma produção 100% independente, todo e qualquer investimento neste CD foi desembolsado pela própria banda, assim o fator "verba" foi decisivo no atraso. E também antes do lançamento, fizemos uma pré-mixagem e ficamos bastante tempo analisando o que poderíamos melhorar em termos de mixagem para o resultado final.

publicidade

WHIPLASH! - Sem sombra de dúvidas o Fighterlord é uma das bandas que mais shows vem realizando no Rio Grande do Sul. O quê pode ser dito sobre os shows da banda?

RICARDO / Fizemos excelentes shows durante o ano de 2001. Eu destacaria os festivais "Reunion 1 & 2" (em Santa Maria e São Leopoldo, respectivamente) juntamente com os nossos amigos do Damage e também o show do Teatro de Elis, em Porto Alegre, junto com o pessoal do Hangar.

WHIPLASH! - Neste ano, Pedro Fauth (baixo) deixou a banda, e mais tarde, Sávio Sordi (bateria) também. Como a banda encontrou o novo baixista, Elizandro Max? O Fighterlord continua em busca de um novo baterista?

RICARDO / Sobre a saída do Pedro, sentimos muito, mas foi a melhor decisão para as duas partes, ele continua nosso amigo e sempre que nos encontramos tomamos umas cervejas juntos. O Elizandro veio da Magician, banda em que o Renato também participa...Ele é um cara excelente, como músico e também como pessoa... O Sávio também, uma pena ele ter saído... Mas as nossas agendas iriam entrar em choque constantemente. Falo com ele toda semana, é um grande amigo também. Continuamos cadastrando os interessados na vaga, enquanto terminamos a nossa pré-produção.

WHIPLASH! - Acredito que as músicas que melhor vêm se destacando entre os fãs são: "Human Mind", "Soul of Steel" e "No Surrender part II: Sign of Times". São estas as músicas favoritas da banda?

RICARDO / As músicas favoritas da banda geralmente são as últimas compostas... No caso do "Eternal Night" as últimas músicas a serem compostas foram "Human Mind" e "Daylight". Gostamos bastante também das duas partes de "No Surrender".

WHIPLASH! - Por falar em composições, vocês já estão mantendo em andamento algum projeto de gravação e produção de um novo material inédito?

RICARDO / Sim, estamos fazendo uma pré-produção de quatro novas faixas, as quais utilizaremos para definir o novo batera também. Não temos ainda data de lançamento prevista, mas certamente será em 2003. Garanto que a espera vai valer a pena, pois o material novo virá muito bom!

WHIPLASH! - Retornando à pergunta sobre shows, a última apresentação ao vivo da banda foi ao lado do Karma, banda já bem conhecida no Brasil. Como foi pro Fighterlord trazer este grupo paulista para tocar no Rio Grande do Sul? O festival teve um bom retorno por parte dos fãs?

RICARDO / O contato com o pessoal do Karma foi muito bom, os caras são muito parceiros e fizeram um excelente show no festival "Metal Contra o Mundo", estamos esperando para tocar com eles lá em São Paulo. O show teve um público relativamente pequeno, porém fiel. Temos que dar um desconto pela chuva que caiu o dia inteiro. Temos que destacar também os shows do Burning In Hell e do Scelerata que foram muito bons também!

WHIPLASH! - Qual é a importância da Internet para a divulgação da banda? Podemos dizer que o Fighterlord já está presente em grande parte do Brasil e em algumas partes do exterior?

RICARDO / Tivemos a experiência de lançarmos trabalhos antes do "boom" da Internet e depois. Vimos que tudo ficou muito mais rápido e fácil depois que disponibilizamos um website da banda. Tanto para transferências de informações, como para a comunicação com outros países... Por exemplo, temos um cara que faz a distribuição do nosso trabalho para revistas e fanzines na Bélgica. E outro caso que ilustra bem as facilidades da Internet, aconteceu recentemente, quando recebi um e-mail do Japão de um fã querendo comprar o material da banda depois de ter baixado alguns Mp3. Como ficaria muito caro o envio do cd, passei todo o álbum via e-mail para o japonês! [risos] Ele ficou extremamente satisfeito! [risos]

WHIPLASH! - Qual é a opinião da banda sobre a atual cena brasileira underground? Ela está mesmo melhorando, e as condições dadas as bandas estão melhores do que nos últimos quatro ou cinco anos?

RICARDO / Nos últimos anos as bandas underground têm crescido bastante em termos de profissionalismo, fazendo com que a cena melhore. As facilidades das novas tecnologias, como as de gravações em home-studios e até mesmo a Internet como meio de divulgação têm dado uma ajuda considerável para as bandas.

WHIPLASH! - Obrigado pela entrevista. Agora para finalizar, peço que deixem uma mensagem para todos os visitantes do site Whiplash! que acompanharam esta entrevista.

RICARDO / Bem... Digo a vocês todos que leram a entrevista, que estão no lugar certo, pois eu mesmo todos os dias venho aqui no Whiplash! dar uma conferida nas notícias e matérias. Whiplash! detona e com certeza é dos melhores sites de metal do Brasil! Quero agradecer, em nome da banda a todos do site, que sempre nos apoiaram e em especial ao Paulo, por sempre aumentar a minha coleção de CD’s! [risos] Aproveito o espaço e convido a todos para visitarem o nosso site www.fighterlord.cjb.net, ou nos passarem um e-mail ([email protected]). Abraços a todos!

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Separados no nascimento: Robert Plant e Patrícia PillarSeparados no nascimento
Robert Plant e Patrícia Pillar

Separados no nascimento: Eddie e Seu MadrugaSeparados no nascimento
Eddie e Seu Madruga


WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin