Hangar: Volta à cena, desta feita com "Inside Your Soul"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos


Após espera e tamanha curiosidade, o Hangar volta à cena, desta feita com "Inside Your Soul", um álbum aperfeiçoado em relação ao seu antecessor, ou seja, "Last Time", de 1999. Impressionante o enorme passo dado pela banda que, diga-se de passagem, já iniciou suas atividades com profissionalismo notado, chamando muito a atenção da mídia especializada e público em geral. Destacamos o heavy metal denso que se encontra em seu novo trabalho, recheado de mudanças de andamento perfeitas e altamente cativantes. A produção também é outro atrativo impecável, contando com um trabalho qualificadíssimo que faz com que o Hangar possa ter um material comparado aos melhores trampos internacionais. Sobre sua formação atual, temos Michael Polchowicz (vocalista), Nando Mello (baixista), Aquiles Priester (baterista) e Eduardo Martinez (guitarrista). E que tal se, merecidamente, dissermos que o Hangar está com um dos melhores times instrumentais da América do Sul para o heavy metal? É isso mesmo! Bem, para esta entrevista, conversamos sobre Angra, Paul Di'anno, shows, Deep- Purple, etc. Enfim, uma leitura indispensável para os fãs e uma grata descoberta aos futuros fãs.

Separados no nascimento: Paul Stanley e Ioná MagalhãesSimone Simons: a nudez na capa de Divine Conspiracy

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por André Toral.

WHIPLASH! - Finalmente temos o segundo álbum do Hangar. Contem um pouco da trajetória desde o início, incluindo "Last Time", até os dias atuais.

Michael Polchowicz / Começamos no segundo semestre de 1997 como uma banda que tocava covers de nossas bandas preferidas, como Helloween, Stratovarius e Dream Theater. Fizemos alguns shows durante este período e conseguimos chamar a atenção do público metal da cidade. Em novembro de 1998 fomos convidados para abrir para o Angra em Porto Alegre. Esta apresentação teve uma grande repercussão, fazendo com que entrássemos em estúdio para registrar as nossas próprias composições. O primeiro CD, "Last Time", foi gravado em Porto Alegre e lançado de forma independente em junho de 1999, obtendo críticas muito positivas. Ficamos todo o segundo semestre de 1999 divulgando o álbum, inclusive fazendo nosso primeiro show em São Paulo, no lendário Black Jack (N. do R.: tradicional bar paulistano para os amantes do metal). No final do referido ano, o guitarrista Cristiano Wortmann deixou a banda. Foi um momento difícil para nós, pois já estávamos pensando no segundo álbum. Em janeiro de 2000, Eduardo Martinez entrou para a formação, trazendo novo fôlego para as novas composições que estavam surgindo. Durante o primeiro semestre compusemos o álbum e o Aquiles dedicou-se à turnê com a banda de Paul Di'anno, o que também trouxe bastante repercussão para o Hangar. No final do ano fomos para São Paulo no Creative Studio e registramos as músicas que estão no "Inside Your Soul". Ainda neste período participamos do primeiro Brasil Metal Union, além de havermos gravado uma música para o projeto Hamlet, da gravadora Die Hard. Durante este período começaram as especulações sobre a entrada do Aquiles no Angra, fato que foi confirmado mais tarde para a felicidade de todos na banda. As mixagens e masterizações do "Inside Your Soul" continuaram até abril de 2001. Durante todo o primeiro semestre nos dedicamos a produção e negociação para lançamento do disco. Fechamos os contratos com a Die Hard e Rock Brigade Records e o CD foi lançado oficialmente dia 01 de agosto.

Aquiles Priester / Nós conseguimos fazer alguns shows de lançamento muito bons para esse disco e isso inclui as inesquecíveis aberturas que fizemos para o Savatage em Porto Alegre e São Paulo.

WHIPLASH! - A banda também passou a ter mais apoio na mídia, e hoje conta com a forte ajuda da Rock Brigade Records e Die Hard Records, além, é claro, dos próprios fãs. Considerando o pouco tempo, podemos dizer que o Hangar vem conquistando seu espaço com rapidez, certo?

Eduardo Martinez / Certamente, se levarmos em consideração que o show de abertura para o Angra foi em novembro de 1998 ,podemos contabilizar três anos de banda com dois cds gravados e uma repercussão positiva, tanto nos meios ligados à cena heavy quanto por parte dos fãs que apoiam a banda desde os primeiros passos em Porto Alegre. Sem dúvida o apoio dado pela Die Hard e Rock Brigade é fundamental e o extremo profissionalismo com que estas duas gravadoras trabalham, nos oferecendo todas as condições necessárias para atingirmos nossos objetivos.

WHIPLASH! - Para comporem "Inside Your Soul", o processo se deu de maneira natural ou a banda estava obstinada e pressionada por si mesmo para se superar?

Nando Mello / Não podemos dizer que não houve um esforço para superação, pois o normal é acreditar que o próximo álbum sempre será melhor que o anterior, porém a seqüência de trabalho foi natural. Estávamos com um novo integrante (Martinez) que chegou com todo o gás e com várias idéias, então tínhamos muitos elementos novos que condensamos para a formação das músicas do "Inside your Soul".

Aquiles / Acho que o ponto principal foi a própria evolução natural que a banda teve. Me lembro que a primeira música composta foi a própria "Inside Your Soul" e nós já a tocávamos durante a divulgação do "Last Time". Desde aquela época, nós já sabíamos qual a seria o novo direcionamento para o material que seria composto, mas isso ocorreu de forma espontânea, sem ninguém pressionando ou dizendo como deveria ser o novo material, até porque ainda éramos uma banda independente.

WHIPLASH! - Enquanto "Last Time" era a estréia digna de profissionalismo logo no primeiro trabalho, "Inside Your Soul" veio a aperfeiçoar o que o Hangar já mostrava antes, de forma mais pesada e tecnicamente perfeita. Assim sendo, que diferenças vocês apontam entre os dois álbuns?

Michael / No primeiro álbum, conseguimos trabalhar com a qualidade técnica que o estúdio em Porto Alegre nos permitia. Éramos uma banda recém formada e foi nossa primeira experiência com produção e gravação dentro do estilo Heavy Metal. Para o "Inside Your Soul" nos preparamos melhor. Fizemos um planejamento que incluía desde as composições até a pré-produção, que foi feita em Porto Alegre, assim como escolhemos o estúdio e o produtor, que foi o próprio Aquiles. Além disso, contou muito o amadurecimento pessoal de cada integrante da banda, que traçou objetivos específicos para que tudo saísse como realmente aconteceu.

WHIPLASH! - Instrumentalmente, o novo álbum traz riffs de guitarra surpreendentes, bem como os solos, baixo coeso, arranjos de teclados propícios, bateria extremamente bem tocada e um vocal tecnicamente evoluído. Como vocês se organizam internamente para que tudo fosse tão perfeito?

Martinez / Primeiramente, agradecemos pelo "perfeito" que você cita na pergunta. Temos uma unidade como banda; somos quatro integrantes que discutem e analisam o quanto podemos extrair de cada um para que o próximo passo seja dado com o máximo de proveito. Temos total liberdade para sugerir mudanças e trazer alternativas para as composições, aliás este fato foi o que mais me chamou atenção quando entrei na banda. Sabemos que para que a banda alcance o objetivo, o trabalho tem que ser feito à exaustão e com foco na qualidade. As composições surgiram de algum riff de guitarra ou levada de bateria como normalmente todos fazem; a partir deste momento é que começamos a discutir qual o melhor caminho para que a música fique com a "cara" do Hangar, além da produção do Aquiles que é um integrante da banda e sabia exatamente o que procurávamos.

WHIPLASH! - Para Michael Polchowicz- Em "Last Time" você se mostrou um vocalista promissor. Em "Inside Your Soul" houve uma evolução enorme em sua voz. Como você veio trabalhando para isto?

Michael / "Last Time" foi a primeira gravação que fiz na vida, não tinha experiência alguma. No "Inside Your Soul", o processo de gravação foi diferente; gravamos diversas demos para ver como estavam soando as músicas, então entrei no estúdio sabendo exatamente o que tinha que fazer. É lógico que a minha maneira de cantar também mudou. Há dois anos estudo canto lírico e canto muitas óperas junto com a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre. O canto lírico me fez ver que cantar bem não significa alcançar tons agudíssimos. As coisas mais importantes no canto são: timbre, empostação e "interpretação", sendo que procuro ter bastante cuidado com estes três itens. Existem cantores que sacrificam o timbre - que é a identidade do cantor - para alcançar tons agudos e quando cantam e atingem notas altas, acabam soando parecidos uns aos outros.

WHIPLASH! - Para Aquiles Priester - Suas batidas se tornaram mais ferozes e tiveram um encaixe perfeito no contexto sonoro. Mesmo assim, a característica ainda continuou dentro do heavy metal e de forma alguma veio a ser enjoativa, pelo fato de você aliar técnica e peso. De que forma você analisa isso?

Aquiles / Sempre que estamos compondo alguma música, fico imaginando com seria a levada mais comum que poderia ser encaixada na música e começo a introduzir o meu estilo em cima desse groove. Sempre tento analisar quais são as características principais das linhas vocais e dos riffs de guitarra e, encima disso, tento fazer com que a bateria soe com um instrumento composto, harmonizando todas as peças possíveis. O baixo e a bateria do Hangar são a estrutura que a banda necessita e sabemos o quanto é importante essa cumplicidade dentro de uma cozinha de Heavy Metal.

WHIPLASH! - Para Aquiles Priester - Que diferenças de estilo você pode citar entre a bateria praticada com Paul Di'anno e o Hangar?

Aquiles / O estilo das linhas de bateria são as mesmas, mas as estruturas e os estilos das músicas são bem diferentes. Outra coisa que vale a pena ser lembrada é que tanto no Di'Anno como no Hangar as baterias foram arranjadas de acordo com a minha interpretação para a música, e esses dois discos foram gravados mais ou menos da mesma forma, sendo que no Di'Anno eu terminei os arranjos conforme ia gravando as músicas, pois só ensaiamos três vezes juntos antes de entrar no estúdio. Nessa época eu não tinha a mínima idéia de como seriam as linhas vocais, pois o Paul só chegou ao Brasil após todas as bases já prontas. Já com o Hangar, em "Inside Your Soul", a grande diferença é que eu estava muito bem ensaiado e já sabia todas as levadas e partes que seriam tocadas; apenas alguns licks foram compostos na hora, até para não ficar tão metódico. As sessões de gravação do Hangar forma feitas em 13 horas, e como a banda toda estava em Porto Alegre, acabei gravando sem guia; apenas com o click.

WHIPLASH! - Pela primeira vez a banda trouxe ótimas músicas divididas em partes, como "The Massacre Triology" e "Living in Trouble", que revelaram um lado desconhecido do Hangar. Que cuidados vocês tiveram para que tudo soasse de forma bem variada?

Nando / Na realidade, "The Massacre Trilogy" primeiramente foi dividida em três letras, sendo que os temas musicais vieram depois; não tivemos muita preocupação em um tema ligar-se ao outro. Isto fez com que as três composições saíssem com estruturas diferentes entre si. Quanto a "Living In Trouble", o tema principal volta na segunda parte; tem um andamento mais rápido em relação a primeira.

Aquiles / Essa é a música mais rápida que o Hangar já compôs e esperamos poder bater o nosso recorde no próximo disco. Essa Trilogia de certa forma é uma das maneiras de mostrar toda a evolução que tivemos de um disco para o outro, tanto na parte musical como na parte técnica.

WHIPLASH! - A faixa- título, "Falling in Disgrace e "Legions of Fate" também se mostram excelentes. Quais são as canções prediletas de vocês?

Nando / "To Tame a Land" e "Inside Your Soul".

Michael / "Inside Your Soul", "Legions of Fate" e "Falling in Disgrace".

Aquiles / "Living in Trouble" e "The Massacre Trilogy".

Martinez / "No command" e "Savior".

WHIPLASH! - Que receptividade vocês tem sentido quanto ao cover para Perfect Strangers do Deep- Purple, por parte dos fãs ardorosos de Ian Gillan e cia.?

Michael / Os fãs tem nos apoiado bastante, inclusive esta música é uma das preferidas do CD, conforme as mensagens que recebemos em nosso site. Nos shows, nunca recebemos nenhum tipo de comentário que desaprovasse a nossa versão. Temos um profundo respeito pelo trabalho feito pelo Deep - Purple e a versão de "Perfect Strangers" para nós soa como uma homenagem a esta grande banda.

WHIPLASH! - E como aconteceram as participações especiais de Fábio Laguna (tecladista- Victoria), Ronaldo Simolla (Delpht) e Edu Ardanuy (Dr. Sin)?

Martinez / O Fábio estava gravando o seu CD ano passado e fez um contato com o Aquiles para que gravasse as baterias, porém isto não foi possível, pois a agenda dos dois não coincidiam. Após a pré-produção do "Inside Your Soul", mandamos as músicas para o Fábio que arranjou todos os teclados e ainda adicionou algumas vinhetas e introduções. A sua participação no disco foi fundamental, tanto que nos shows deste ano ele tocou conosco e foi realmente gratificante vê-lo tocando ao vivo nossas músicas; ele é um grande tecladista. O Ronaldo tem um trabalho de destaque com o Delpht e nos conhecemos no Creative (estúdio em São Paulo) durante o período de gravação do álbum; sua participação foi natural a partir desta amizade. O Aquiles tinha participado da turnê do Tritone junto com o Eduardo Ardanuy (guitarrista do Dr. Sin), o Sergio Buss e o Frank Solari; isto facilitou a aproximação. Foi um acréscimo e tanto ter o Ardanuy tocando em duas músicas do CD, pois ele é um grande guitarrista que dispensa comentários.

WHIPLASH! - Outro ponto forte de "Inside Your Soul" é a produção, que, mesmo tendo sido feita no País, tem um alto padrão internacional. Vocês pensam que o Brasil, cada vez mais, vem apresentando boas condições para gravações com tamanha qualidade?

Michael / Todos estão tentando se aprimorar. Hoje temos bons estúdios e profissionais qualificados que sabem que a gravação para um CD de Heavy Metal tem que ser mais trabalhada. No Creative, junto ao Philip Collodeti e sua equipe, encontramos todas as condições necessárias para a gravação que pretendíamos.

WHIPLASH! - Como o Hangar analisa a receptividade ao novo álbum, tanto no Brasil quanto no exterior?

Martinez / No Brasil, temos tido um retorno excepcional. O apoio dado pela Die Hard e Rock Brigade tem sido fundamental. A distribuição atingiu todo o país e temos pessoas que nos escrevem de todas as partes. No exterior temos a previsão de lançamento do CD na Europa em dezembro próximo pela Atrheia Records da Itália; também está sendo negociado o lançamento no mercado japonês, porém ainda sem data definida.

WHIPLASH! - Que planos de divulgação a banda tem realizado ao redor do mundo?

Nando / Estamos enviando algumas cópias do CD para sites e revistas especializadas lá fora, porém a divulgação, mesmo, deverá ocorrer pela gravadora estrangeira quando do lançamento oficial do CD na Europa.

WHIPLASH! - Em se tratando de shows, o que o Hangar vem planejando e por onde estão tocando? Alguma oportunidade estrangeira à vista?

Michael / Para este ano tínhamos planejado um show em Porto Alegre e um em São Paulo, o que veio a acontecer quando abrimos para o Savatage em agosto. Agora com a agenda do Aquiles comprometida com o Angra, estamos no aguardo do lançamento do CD lá fora e já compondo algumas novas músicas para um futuro lançamento. Consta dos nossos planos tocar fora do país, inclusive já temos alguns contatos porém isto somente deve ocorrer na seqüência do lançamento do CD na Europa.

WHIPLASH! - Aquilles Priester também é baterista do Angra, e por isso podemos imaginar que sua agenda ficará extremamente apertada para se dedicar 100% ao Hangar. Como vocês encaram essa realidade e qual tem sido o planejamento para os shows?

Nando / Nossos shows para este ano já foram feitos, inclusive contamos com a participação do Fábio Laguna em todos eles, onde tocamos duas vezes em Porto Alegre, uma em São Paulo e Caxias do Sul. Pode parecer pouco, porém conseguimos em todos eles uma excelente estrutura de som, luz e público, sempre levando em consideração a qualidade em primeiro plano.

Aquiles / Nós até poderíamos ter tocado mais vezes nesse anos, mas a falta de locais apropriados para se poder fazer um bom show ainda é muito grande e a maioria dos promotores não respeita as bandas nacionais. Muitas vezes querem que a banda cubra todos os seus custos para tocar em outros estados e dessa maneira acabam contratando bandas que se submetem a essas situações.

WHIPLASH! - Por fim, tudo o que vem acontecendo tem estimulado cada vez mais o Hangar para continuar detonando heavy metal aonde for?

Martinez / Com certeza. Estamos muito satisfeitos com todo o trabalho realizado até o momento e continuaremos nossa estrada compondo novo material e trabalhando sempre para que a banda possa levar a bandeira do Heavy Metal a todos os lugares possíveis.

Aquiles / Temos muito que agradecer às pessoas que sempre nos respeitaram e apoiaram como a Die Hard, Rock Brigade e também a revista Roadie Crew. Também é importante dizer obrigado a todas as pessoas na mídia especializada de Heavy Metal, pois que vocês tem sido os responsáveis pelo espaço cedido às bandas que estão na ativa e isso acaba fortalecendo o cenário.

WHIPLASH! - Pedimos para que vocês deixem uma mensagem aos fãs que vem acompanhando a banda desde seus primórdios.

Hangar / Queremos agradecer muito a todas as pessoas que compraram o "Inside Your Soul" e que nos têm apoiado desde os tempos do "Last Time". Vocês são pessoas pelas quais nós realmente nos importamos.

WHIPLASH! - E agora, deixem um mensagem para o WHIPLASH!.

Hangar / Muito obrigado pelo grande espaço cedido ao Hangar e também pelo excelente trabalho que vocês têm realizado ao longo desses anos. Sem pessoas como vocês, o cenário seria muito menos promissor.

Para acessar o site oficial do Hangar: www.hangar.mus.br

Para contactar o Hangar: hangar@hangar.mus.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Hangar"


Aquiles Priester: 50 discos essenciais na vida do bateristaAquiles Priester
50 discos essenciais na vida do baterista

Aquiles Priester: Leitura obrigatória para quem curte músicaAquiles Priester
Leitura obrigatória para quem curte música


Separados no nascimento: Paul Stanley e Ioná MagalhãesSeparados no nascimento
Paul Stanley e Ioná Magalhães

Simone Simons: a nudez na capa de Divine ConspiracySimone Simons
A nudez na capa de Divine Conspiracy


adClio336|adClio336