Beatles: o texto da Bizz para "Sgt. Peppers", em 1985

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

A extinta revista Bizz, publicada entre 1985 e 2007, foi a principal publicação brasileira sobre música durante a maior parte da sua existência.

Separados no nascimento: Cazuza e Lauro CoronaVanessa Frehley: amor sem limites ao Kiss

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além das mais variadas matérias sobre gêneros diversos, uma das sessões mais legais da revista era a Discoteca Básica Bizz, que sempre trazia na última página de cada edição um texto analisando um disco clássico, e explicando o porque da sua importância para a música.

Leia abaixo a análise do clássico "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" (1967), escrita por José Emílio Rondeau e publicada na Bizz número 1, de agosto de 1985:

"Cada década produz um ou dois momentos autenticamente memoráveis. Em regra, apenas uma guerra ou uma tragédia apavorante conseguem penetrar as preocupações de milhões de pessoas ao mesmo tempo e ocasionar uma única e bem orquestrada emoção. Mesmo assim, em junho de 1967 tal emoção brotou sem ter sido causada por nenhuma morte, mas pela simples audição de um disco." (Trecho do livro Shout!, de Philip Norman)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O tal disco era "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band". Ainda hoje existem centenas de milhares de pessoas que lembram com clareza cristalina do primeiro dia em que ouviram um trecho ou uma faixa de "Sgt. Pepper's". Na maioria dos casos, ficou na memória a lembrança de um imenso pasmo - feita pelo grupo pop mais famoso do mundo, ali estava uma coleção de sons musicais absolutamente inédita, revolucionária.

Nunca se ouvira (ou se imaginara) coisa parecida: rock and roll misturado com vaudeville, ragas indianas entremeadas a cravos renascentistas, atmosferas psicodélicas combinadas com climas circenses. E também havia as letras, que para o suplemento literário do jornal inglês The Times eram "um barômetro dos nossos tempos" - fragmentos de imagens colados num ritmo vertiginoso, lado a lado com os comentários sócio-políticos mais agudos. "Sgt. Pepper's" expandiu o vocabulário e o alcance do rock como jamais se sonhara, elevando o gênero à inédita condição de arte.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A ideia do disco surgiu de uma música de Paul McCartney, "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band", que ele compusera inspirado na onda de nostalgia vitoriana que na época varria a indústria da moda londrina. A música falava de uma banda imaginária liderada, vinte anos atrás, por um tal Billy Shears. Nada de mais. Até que Paul sugeriu a George Martin, produtor dos Beatles: "Por que não fazer um álbum inteiro como se a Sgt. Pepper's Band existisse mesmo? Como se fosse a banda do Sargento Pimenta que estivesse tocando?".

Martin tremeu na base. As máquinas de quatro canais usadas nos estúdios da época não comportariam a quantidade de ideias que os Beatles faziam jorrar. A solução foi um intrincado sistema de interligação de gravadores que gerou uma enormidade de superposições de fitas. E as fitas nunca pareciam suficientes para a criatividade dos Beatles - encharcados de LSD, eles escancararam as portas de sua percepção.

A obra-prima de "Sgt. Pepper's" foi uma das últimas verdadeiras parcerias de Lennon e McCartney. John havia começado a escrevê-la sozinho, baseado em dedicada leitura dos jornais e na morte da milionária Tara Browne, amiga dele e dos Rolling Stones, vítima de um acidente automobilístico. Paul ofereceu para John algumas frases curtas - "acordei, caí da cama, arrastei o pente pela minha cabeça". "A Day in the Life", a música escolhida para encerrar o álbum, foi, provavelmente, a faixa mais difícil - todas as demais davam uma sensação de picadeiro de circo, até mesmo a indianista e intimista "Within You, Without You", de George Harrison, que terminava em gargalhadas.

Em "A Day in the Life" os Beatles queriam ser sérios. Como nunca. Para o grand finale da música John pediu, literalmente, "um som que crescesse do nada e chegasse até o fim do mundo". Martin encomendou uma orquestra de 41 músicos. Deu a eles apenas uma instrução: disse quais eram as notas mais altas e mais baixas que teriam que tocar. No miolo, era cada um por si. O resultado estonteante foi comparado por um crítico ao "som de um sarcófago sendo fechado", mas para os Beatles ainda não era um encerramento definitivo. Adicionaram, nos últimos sulcos do disco duas coisas a mais: primeiro, um palavreado incompreensível gravado de trás para frente. Depois, uma nota na frequência de 20.000 hertz, audível apenas para cães.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Beatles"


Jess Greenberg: mais vídeos de covers em voz e violãoJess Greenberg
Mais vídeos de covers em voz e violão

O endereço do Rock: 8 locais imortalizados em músicas famosasO endereço do Rock
8 locais imortalizados em músicas famosas


Separados no nascimento: Cazuza e Lauro CoronaSeparados no nascimento
Cazuza e Lauro Corona

Vanessa Frehley: amor sem limites ao KissVanessa Frehley
Amor sem limites ao Kiss


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280