Beatles: o texto da Bizz para "Sgt. Peppers", em 1985

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

A extinta revista Bizz, publicada entre 1985 e 2007, foi a principal publicação brasileira sobre música durante a maior parte da sua existência.

3510 acessosUlrich no U2: ele perdeu para McCartney a chance de tocar bateria5000 acessosEpica: belas fotos da bela vocalista Simone Simons

Além das mais variadas matérias sobre gêneros diversos, uma das sessões mais legais da revista era a Discoteca Básica Bizz, que sempre trazia na última página de cada edição um texto analisando um disco clássico, e explicando o porque da sua importância para a música.

Leia abaixo a análise do clássico "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" (1967), escrita por José Emílio Rondeau e publicada na Bizz número 1, de agosto de 1985:

"Cada década produz um ou dois momentos autenticamente memoráveis. Em regra, apenas uma guerra ou uma tragédia apavorante conseguem penetrar as preocupações de milhões de pessoas ao mesmo tempo e ocasionar uma única e bem orquestrada emoção. Mesmo assim, em junho de 1967 tal emoção brotou sem ter sido causada por nenhuma morte, mas pela simples audição de um disco." (Trecho do livro Shout!, de Philip Norman)

O tal disco era "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band". Ainda hoje existem centenas de milhares de pessoas que lembram com clareza cristalina do primeiro dia em que ouviram um trecho ou uma faixa de "Sgt. Pepper's". Na maioria dos casos, ficou na memória a lembrança de um imenso pasmo - feita pelo grupo pop mais famoso do mundo, ali estava uma coleção de sons musicais absolutamente inédita, revolucionária.

Nunca se ouvira (ou se imaginara) coisa parecida: rock and roll misturado com vaudeville, ragas indianas entremeadas a cravos renascentistas, atmosferas psicodélicas combinadas com climas circenses. E também havia as letras, que para o suplemento literário do jornal inglês The Times eram "um barômetro dos nossos tempos" - fragmentos de imagens colados num ritmo vertiginoso, lado a lado com os comentários sócio-políticos mais agudos. "Sgt. Pepper's" expandiu o vocabulário e o alcance do rock como jamais se sonhara, elevando o gênero à inédita condição de arte.

A ideia do disco surgiu de uma música de Paul McCartney, "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band", que ele compusera inspirado na onda de nostalgia vitoriana que na época varria a indústria da moda londrina. A música falava de uma banda imaginária liderada, vinte anos atrás, por um tal Billy Shears. Nada de mais. Até que Paul sugeriu a George Martin, produtor dos Beatles: "Por que não fazer um álbum inteiro como se a Sgt. Pepper's Band existisse mesmo? Como se fosse a banda do Sargento Pimenta que estivesse tocando?”.

Martin tremeu na base. As máquinas de quatro canais usadas nos estúdios da época não comportariam a quantidade de ideias que os Beatles faziam jorrar. A solução foi um intrincado sistema de interligação de gravadores que gerou uma enormidade de superposições de fitas. E as fitas nunca pareciam suficientes para a criatividade dos Beatles - encharcados de LSD, eles escancararam as portas de sua percepção.

A obra-prima de "Sgt. Pepper's" foi uma das últimas verdadeiras parcerias de Lennon e McCartney. John havia começado a escrevê-la sozinho, baseado em dedicada leitura dos jornais e na morte da milionária Tara Browne, amiga dele e dos Rolling Stones, vítima de um acidente automobilístico. Paul ofereceu para John algumas frases curtas - "acordei, caí da cama, arrastei o pente pela minha cabeça". "A Day in the Life", a música escolhida para encerrar o álbum, foi, provavelmente, a faixa mais difícil - todas as demais davam uma sensação de picadeiro de circo, até mesmo a indianista e intimista "Within You, Without You", de George Harrison, que terminava em gargalhadas.

Em "A Day in the Life" os Beatles queriam ser sérios. Como nunca. Para o grand finale da música John pediu, literalmente, "um som que crescesse do nada e chegasse até o fim do mundo". Martin encomendou uma orquestra de 41 músicos. Deu a eles apenas uma instrução: disse quais eram as notas mais altas e mais baixas que teriam que tocar. No miolo, era cada um por si. O resultado estonteante foi comparado por um crítico ao "som de um sarcófago sendo fechado", mas para os Beatles ainda não era um encerramento definitivo. Adicionaram, nos últimos sulcos do disco duas coisas a mais: primeiro, um palavreado incompreensível gravado de trás para frente. Depois, uma nota na frequência de 20.000 hertz, audível apenas para cães.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 29 de fevereiro de 2016

Lars Ulrich no U2Lars Ulrich no U2
Ele perdeu para Paul McCartney a chance de tocar bateria

2261 acessosE se for verdade?: Famosos que morreram e foram substituídos1369 acessosShows: em vídeo, Top 11 Músicas Viscerais de Encerramento261 acessosVersões: Clássicos que você talvez não saiba, ou não lembre que são0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

ReligiãoReligião
Top 10 citações sobre Deus e o Diabo

Paul McCartneyPaul McCartney
"Não, não tenho! Nem na minha bunda!"

Bizarro & AbsurdoBizarro & Absurdo
12 Tristes Realidades da Música

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"

EpicaEpica
Belas fotos da bela vocalista Simone Simons

O futuro do Rock nacionalO futuro do Rock nacional
Bandas autorais devem "se tocar"

James HetfieldJames Hetfield
O equilíbrio entre Metallica e vida familiar

5000 acessosFotos de Infância: Kurt Cobain, do Nirvana5000 acessosIndústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandas5000 acessosMamonas Assassinas: músicos já sabiam que iam morrer?4730 acessosKerry King: ele pira vendo Judas Priest no Rock In Rio 19915000 acessosBon Jovi: "Vamos transar ou falar sobre o disco?"5000 acessosAC/DC: como Angus responde a um copo de cerveja atirado?

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online