Metal umlaut: a importância do trema no Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Antonio Parreira, Fonte: Wikipedia, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Um "trema do metal" é uma marca usada às vezes gratuita ou decorativamente sobre letras nos nomes de bandas de metal - por exemplo as do Mötley Crüe e do Motörhead. Entre as pessoas que falam inglês, o uso do trema e outros diacríticos com um tipo de letra estilo "blackletter" é uma forma de marcagem com ferro quente pretendendo dar ao logotipo da banda uma qualidade "teutônica" - denotando estereótipos do arrojo e da força atribuídos geralmente aos antigos povos europeus do norte, tais como os Vikings e os Goths. O autor Reebee Garofalo atribuiu seu uso a um desejo de um ar meio "horror gótico". O trema do metal não tem geralmente a intenção de afetar a pronunciação do nome da banda.

5000 acessosSimone Simons: "Rammstein me faz querer mexer a bunda"5000 acessosLauren Harris: Como é ser filha do baixista do Iron Maiden

Estes tremas decorativos foram parodiados em filme e na ficção; no filme documentário fictício "This Is Spinäl Tap" (soletrado com uma marca de trema sobre o n e um i sem o pingo), o também fictício roqueiro David St. Hubbins (Michael McKean) diz: "É como um par de olhos. Você está olhando para o trema e ele olha para você."

A palavra "Umlaut" (trema) em alemão designa mudança da pronunciação ou deslocamento do som, e é composta de um-, "em torno/mudado", e Laut, "som". No uso padrão (nada a ver com heavy metal) a versão de uma vogal com trema é pronunciada diferentemente da vogal normal; as letras "u" e "ü" têm sons distintos, assim como "o" e "ö" e "a" e "ä". Os sons tipicamente representados por letras com trema são as vogais frontais (vogais frontais arredondadas como no caso do ü e do ö) (veja o trema germânico). Ironicamente, estes sons tendem a ser percebidos como "mais fracos" ou "mais leves" do que as vogais normais u, o, e a, e assim nas línguas como o alemão que o usam normalmente, o trema não evoca a impressão da força e da escuridão que seu uso excepcional em inglês pretende marcar. Conseqüentemente, o efeito "estrangeiro" do trema do metal dependente dos conhecimentos do observador. Pessoas que falam estas línguas podem compreender o efeito pretendido diferentemente das pessoas que falam línguas em que os tremas são usados raramente.

Histórico

O grupo de rock progressivo alemão AMON DüüL II lançou seu primeiro álbum em 1969. Entretanto, seu nome veio de "Amon, um deus do sol egípcio, e Düül, um personagem de ficção turco", assim este uso dos tremas não era gratuito. A terceira parte da epopéia de rock progressiva do YES "Starship Trooper" é intitulada "Würm" (no álbum "The Yes Album", lançado em 1971). Entretanto, isto também não é gratuito, muito provavelmente vindo da era glacial de Würm. A mesma realização fonética, /wyrm/, entretanto, é igualmente uma palavra em inglês arcaico para 'dragon'.

O primeiro uso gratuito parece ter sido tanto pelo BLUE ÖYSTER CULT ou pelo BLACK SABBATH, ambos em 1970. O website do BLUE ÖYSTER CULT indica que o trema foi adicionado pelo guitarrista e teclista Allen Lanier, mas o crítico de rock Richard Meltzer afirma ter sugerido isso a seu produtor e gerente Sandy Pearlman imediatamente depois que Pearlman veio com o nome: "Eu disse, 'que tal colocar um trema sobre o O?' O metal tem um aspecto Wagneriano de qualquer maneira." Nesse mesmo ano, a gravadora do BLACK SABBATH, em uma rara versão em compacto de Paranoid (com Rat Salad no lado B), sem nenhuma razão aparente, re-intitulou a canção como "Paranoïd" com uma diérese acima do "i" (como seria correto em francês).

Em seu segundo álbum "In Search of Space" (1971), o HAWKWIND escreveu na parte traseira da capa: "TECHNICIÄNS ÖF SPÅCE SHIP EÅRTH THIS IS YÖÜR CÄPTÅIN SPEÄKING YÖÜR ØÅPTÅIN IS DEA?D" (em português "técnicos da espaçonave Terra... este é o seu capitão falando... seu capitão está morto). Para aumentar a variação, a letra dinamarquesa e norueguesa Ø e a letra dinamarquesa/norueguesa/sueca Å são adicionadas. A marca diacrítica no último "A?"; é o "Umlaut" húngaro; ou duplo acento agudo (?) - duas linhas curtas que se inclinam acima e à direita - ao invés dos pontos (o húngaro não usa nem o (?) nem trema alemão tradicional ("Ä") sobre a letra "A" , embora o (?) seja usado nas letras "O" e "U"). Isto foi antes de Lemmy, mais tarde no Motörhead, ter se tornado membro do grupo.

Em seguida foi o MOTöRHEAD em 1975. A idéia para o trema veio de Lemmy, o vocalista, que disse, "Eu coloco lá simplesmente para parecer malvado." (a pronunciação em alemão de Motör, uma palavra que não existe no alemão, seria similar ao equivalente em francês, moteur. "Motor", a grafia correta em alemão, é pronunciada de maneira similar a "motor" em inglês.) A banda HüSKER Dü começou em janeiro 1979, embora baseados no punk e não no metal pesado. O nome HüSKER Dü é derivado do " do jogo de mesa "Husker Du?" que traduziríamos como "Você se lembra?" (os traços acima dos us não são tremas). MöTLEY CRüE formado em 1980; de acordo com Vince Neil na edição Behind the Music, a inspiração veio de uma garrafa de Löwenbräu. Decidiram subseqüentemente nomear sua gravadora "Leathür Records". Em um show do Mötley Crüe na Alemanha, a audiência inteira começou a cantar ['mœtli 'k?y??], uma pronunciação usada frequentemente na Hungria também.

QUEENSRYCHE, que optou por esse nome em 1981, foi mais além colocando o trema sobre o Y em seu nome (o y com trema corresponde ao dígrafo ij na língua holandesa). O líder do QUEENSRYCHE Geoff Tate disse, "O trema sobre o 'y' assombrou-nos por anos. Nós passamos onze anos tentando explicar como pronunciá-lo." Em contraste com outros exemplos, a grafia de QUEENSRYCHE foi escolhida "amaciar" a imagem da banda, temendo que a grafia original, Queensreich, pudesse ser interpretada como tendo conotações neonazistas. O documentário fictcio "This Is Spin¨al Tap" parodia o trema do metal colocando um trema sobre o "n" em Spin¨al Tap.

A cômica banda Spin¨al Tap usava um trema sobre a letra n, isto é, sobre uma consoante. Esta construção é encontrada na língua de Jakaltek da Guatemala e em algumas ortografias de Malagasy, uma língua de Madagascar.

Exemplos de nomes de bandas

- Banda de Hard rock Blue Öyster Cult
- Banda de Heavy metal Motörhead
- Banda de Glam Metal Mötley Crüe
- Banda de Thrash metal/Black metal Deströyer 666
- Banda de Indie Rock britânica Maxïmo Park
- Banda de laser punk de Nova Iorque the Toilet Böys
- Banda de punk metal canadense Kïll Cheerleadër
- Banda inglesa semi-real Spin¨al Tap
- Banda de Folk Metal espanhola Mägo de Oz
- Banda de metal sueca Crashdïet
- Banda de Metal/Comédia Green Jelly (pronunciado Green Jell-O)
- Banda de Thrash Metal californiana Beowülf
- Frank Zappa usou um trema no titulo do album Läther
- Banda de Black Metal francesa Mütiilation
- Banda de Alternative Metal/Hard Rock Ünloco
- Banda de Thrash Metal canadense Infernäl Mäjesty
- Banda de Progressive Metal americana Queensryche
- Banda de hip hop americana Dälek
- Banda de sátira politica Moxy Früvous
- Banda de metal ficticia do desenho Metalocalypse, é escrito algumas vezes "Dëthkløk" no logo da banda
- Banda de thrash americana ZnöWhite (tambem Znowhite)
- Banda de thrash americana Lääz Rockit (Pronuncia em alemao seria quase "Lets rock it")
- Banda de rock alternativo americana Hüsker Dü (o jogo "Husker Du?" foi lançado com macrons ao invés do trema)
- Banda de anarco-punk americana Leftöver Crack
- Personagem da série Guitar Hero, Lars Ümlaüt
- Músico eletronico Überzone
- Banda de grindcore americana Assück
- Músico de rock japones Közi
- Banda de rock japones girugämesh
- Banda de metal australiana Mölten Steel
- Banda de metal Insidiöus Törment
- Banda de thrashcore americana The Accüsed
- Banda de alternative rock americana The Crüxshadows
- Banda ucraniana Flëur
- Banda de punk russa ???? tem dois pontos sobre o ? no logo
- Banda de street punk sérvia Bömber
- Video game Brütal Legend
- Banda experimental Grotus tem tremas nas consoantes no seu logo
- Cantor de Hip Hop/Pop Jason Derülo
- Banda de progressivo americana Fates Warning usou um trema no seu primeiro disco Night on Bröcken
- Banda de heavy metal argentina Lörihen
- Banda eletronica norueguesa Röyksopp

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades

Simone SimonsSimone Simons
"Rammstein me faz querer mexer a bunda"

Lauren HarrisLauren Harris
Como é ser filha do baixista do Iron Maiden

NirvanaNirvana
Divulgadas novas fotos da cena da morte Cobain

5000 acessosSlayer: quando o católico pai de Tom Araya descobriu que a banda era satanista5000 acessosCradle Of Filth: Dani Filth explica seu conceito de religião5000 acessosIron Maiden: A tour de Powerslave quase acabou com a banda5000 acessosIron Maiden: banda posta álbum de fotos de 1º dia da nova turnê5000 acessosYngwie Malmsteen: guitarristas, Ferraris, vídeo-games, e mais5000 acessosHeavy Metal: 10 músicas inspiradas em heróis de quadrinhos

Sobre Antonio Parreira

Antonio Parreira, aka Tunão, aka Anton Parr, é arquiteto, designer gráfico e músico. Interessado por música desde sempre, tornou-se fanático por rock depois de descobrir bandas como Kiss, Iron Maiden, Judas Priest e AC/DC. No início dos anos 80 acompanhou o nascimento do Thrash Metal, estilo que se tornou seu preferido de todos os tempos. Tocou em várias bandas nessa linha "Thrash Bay Area" durante os anos 80 e 90: Napalm, Damage, Overthrash, The Still e Avalon. Atualmente é vocalista do Buffalo Theory MTL, banda de Southern Metal de em Montreal, Canadá. Leitor do Whiplash! desde os anos 90 e atualmente colaborando com textos e traduções, diretamente da "terra do Voïvod".

Mais matérias de Antonio Parreira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online