Matérias Mais Lidas

imagemRichard Fortus diz que Axl Rose danificou as cordas vocais

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemGuns N' Roses cancela show na Escócia por razões médicas

imagemO mega sucesso do Led Zeppelin que era pra ser uma piada mas se tornou um hino

imagemDave Mustaine perde a compostura e xinga membro da equipe do Judas Priest

imagemFã joga sutiã no palco durante show do Slipknot no México; veja vídeo

imagem"Master Of Puppets" apareceu em comédia há 19 anos, muito antes de "Stranger Things"

imagemA banda de hard rock dos anos 1970 que é a queridinha de Xande de Pilares

imagemGuitarrista original do Mercyful Fate solta os cachorros por ter ficado fora de reunião

imagemLed Zeppelin ou Pink Floyd, qual dos dois vendeu mais discos de estúdio?

imagemDave Mustaine rasga elogios e fala sobre amizade com Ice-T, vocalista do Body Count

imagemResenha - Angra (Circo Voador, Rio de Janeiro - RJ, 01/07/2022)

imagemMetallica em "Stranger Things" deixa fãs preocupados com a "popularização" da banda

imagem"Master Of Puppets" entra no top 30 global do Spotify depois de "Stranger Things"

imagemO que Lemmy Kilmister aprendeu trabalhando como roadie de Jimi Hendrix


Airbourne 2022

Rival Sons: em 2010, uma lenda em construção

Resenha - Rival Sons - Rival Sons

Por Hugo Alves
Em 12/06/22

O ano era 2010 e os Rival Sons gozavam de boa reputação como banda revelação no ano anterior. Abriram para artistas como Kid Rock, Alice Cooper, AC/DC e Black Sabbath e chamaram atenção por onde passaram tocando o repertório de seu disco de estreia, "Before the Fire". Era hora de algo mais.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E esse algo mais chegou no formato de mais um disco lançado de maneira independente. Intitulado simplesmente "Rival Sons", o segundo lançamento do grupo foi um EP com seis canções inéditas. A bolachinha abre com "Get What’s Coming" que, seguindo os moldes do disco anterior, é uma verdadeira voadora na cabeça, até mais pesada e forte que sua prima próxima "Tell Me Something". Riffão setentista de Scott Holiday com baixo de Robin Everhart e bateria de Michael Miley ribombando e um Jay Buchanan muito mais seguro de si e mais solto ainda. O resultado é esplêndido!

A seguir, "Torture" – aquela que, para mim, é a melhor do disco, disparada – chega e a introdução é novamente Jay Buchanan já muito agudo e potente. Essa canção é extremamente elétrica, energética e por anos foi uma das prediletas nos shows da banda, botando casas abaixo. Em "Radio", o destaque mesmo fica por conta de Mike Miley e aqui vemos que se trata de um mestre nas baquetas e nos tambores, não devendo nada a nomes históricos como John Bonham e Gene Krupa (apenas para citar duas de suas influências mais diretas).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "Sacred Tongue" temos mais um momento propício para nos apaixonarmos por Jay Buchanan. Se nas canções tipicamente Rock and Roll, pesadas e velozes, ele é uma verdadeira força da natureza, em baladas como essa – que ditou muitos dos rumos que a banda segue em seu som até hoje – só é possível que um surdo não entenda a bênção que é termos um cantor como ele por aí atualmente. É, de fato, uma canção linda com interpretação vocal tocante!

A penúltima faixa, "Sleepwalker", vem novamente com cadência e peso no disco, e breves passagens de gaita acompanhando a banda. A irreverência da banda é latente, tocando e cantando como se não houvesse amanhã e como se não devessem nada a ninguém. E o fechamento do disco vem com "Soul" que certamente não foi intitulada assim à toa. É verdadeiramente a banda tocando Soul Music e deixando que seu vocalista voe livre. Nem tem como negar que esse disco é todo dele, que se empoderou durante a turnê do disco anterior e, aqui, atua como dono da bola.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Esse EP chamou a atenção da Earache Records, que ofereceu naquele mesmo ano um contrato à banda. É interessante notar que essa gravadora sempre foi conhecida por ter em seu cast bandas de Metal extremo, então a contratação dos Rival Sons foi um caso à parte. Um ano depois, a gravadora relançou esse EP e soltou "Torture" como primeiro single da banda a tocar no mercado europeu. Os Rival Sons estavam prontos para dominar o velho continente!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Resenha - Pressure and Time - Rival Sons

Resenha - Rival Sons - Rival Sons

Resenha - Before the Fire - Rival Sons

Roger Glover: Greta Van Fleet e Rival Sons seriam enormes nos 70s

Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Hugo Alves

Hugo Alves é formado em Letras (Português and Inglês) pela UNISO - Universidade de Sorocaba e futuro mestrando em Literatura ou Semiótica. Começou a escutar Rock aos 11 anos com "Bring Me to Life" do Evanescence, mas o que o tomou para sempre para o Rock and Roll foi "Fear of the Dark" (versão ao vivo no Rock in Rio), do Iron Maiden, banda que, ao lado de The Beatles, considera como favorita, amando quase que igualmente os sons de Viper, Angra, Shaman, Andre Matos, Rush, Black Sabbath, Metallica, etc. Foi vocalista das bandas Holygator e Bad Trip, iniciantes em Sorocaba/ SP, e também toca guitarra e baixo. Outra de suas paixões é a Literatura, pela qual desenvolveu o gosto pela escrita e comunicação.

Mais matérias de Hugo Alves.