Avantasia: Moonglow diverte, mas acrescenta pouco

Resenha - Moonglow - Avantasia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luis Fernando Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

Desde sua concepção, o Heavy Metal sempre flertou com gêneros musicais mais rebuscados e requintados, buscando elementos, por exemplo, da música erudita para incorporar à beleza e complexidade de suas composições. Surgiram assim os discos conceituais, os sinfônicos e as óperas-rock.

No alto do castelo há uma linda princesa...Capas de álbuns: 30 das piores artes da história

Quando o The Who deu à luz a obra primordial das Óperas-Rock/Metal, o clássico "Tommy", abriu um leque de possibilidades para que a teatralidade estivesse cada vez mais presente nos lançamentos da música pesada. Um dos grandes herdeiros desse legado, o Avantasia, criado pelo vocalista do Edguy, Tobias Sammet, tornou-se aquele que talvez seria o maior expoente desta vertente do Heavy Metal, com o lançamento dos grandiosos - e já clássicos nos dias de hoje - Metal Opera I e II. O sucesso estrondoso com o qual a banda debutou em estúdio gerou enorme expectativa acerca dos lançamentos seguintes, sendo de certa forma suprida em The Scarecrow, mas deixando a desejar a partir de então.

Ainda assim, na iminência de cada novo álbum as expectativas se renovam. Dessa vez, ocorreu especialmente devido aos convidados inesperados (Ou talvez há tanto esperados), à belíssima arte da capa (Criada pelo pelo pintor sueco Alexander Jansson) e ao primeiro single. A participação ilustre de um dos maiores ícones da vertente mais fantasiosa do Metal, Hansi Kürsch, do Blind Guardian, em The Raven Child, além da grandiosidade e beleza sublime da canção (Que falarei um pouco mais logo adiante) e a incrível e fantasmagórica arte do single, me tiraram completamente da neutralidade da qual eu esperava por este lançamento. Marquei a data na minha agenda, coloquei para notificar e aguardei ansioso. A qualquer novo movimento, nova música lançada, mais e mais expectativas, até que finalmente, no dia quinze de fevereiro, quando finalmente o disco foi disponibilizado, o escutei umas três vezes seguidas, consumindo cada detalhe e descobrindo novos elementos a cada audição. Seguem então as impressões que tive com aquelas três e tantas outras audições, uma vez que o disco me acompanhou no repeat por uma longa viagem de carro que fiz logo que ele fora lançado.

Uma primeira e importante observação diz respeito a não ser um disco, tal qual a maioria dos anteriores, onde uma música "complementa" a outra, tornando as faixas mais independentes e as composições mais livres, apesar do conceito transcorrer em torno de um tema comum e uma personagem central, a história de uma criatura noturna que luta para lidar com a realidade e recorre aos mistérios da lua para viver em seu "próprio mundo". Outra ressalva importante nesse aspecto é que, também diferente do que era comum nos registros da banda, os convidados não interpretam personagens de uma história, necessariamente, agregando apenas com as suas participações à riqueza das canções.

O oitavo (Nossa! Oitavo?) disco de estúdio do projeto de Sammet abre com Ghost in the Moon, onde o vocalista decide mostrar que, apesar de sempre estar rodeado de músicos fantásticos, ele é o homem a frente deste projeto. A canção começa e termina em Tobias, que desfila seu repertório (Sem soar apelativo) durante incansáveis dez minutos de uma música épica, cheia de coros, riffs bombásticos, epicidade (Existe essa palavra?) e todos os elementos que sempre caracterizaram a música do Avantasia, num convite irrecusável para esta deliciosa jornada de pouco mais de setenta minutos.

Book of Shallows apresenta os primeiros convidados e, já de cara, duas gratas surpresas, o já citado Hansi Kürsch, do Blind Guardian e a inesperada e improvável participação de Mile Petrozza, frontman de um dos maiores nomes do Thrash Metal mundial, o Kreator. Além deles, as figurinhas repetidas Ronnie Atkins do Pretty Maids e Jorn Lande (O arroz de festa com uma das mais belas vozes do metal) dão as caras novamente. A música é a mais pesada do disco e começa como uma típica canção do Power Metal, riffs velozes e potentes, melodias, pedal duplo que culminam num refrão bombástico, a receita básica do gênero. Mas aos poucos a canção cresce, tornando-se dinâmica e recebendo elementos que acompanham às características musicais de cada intérprete, culminando na incrível transição de gênero para o Thrash Metal, quando Petrozza entra com seus vocais cortantes, onde os riffs ganham ainda mais peso, convidando o ouvinte a bater cabeça ao mais típico Thrash Europeu praticado pelo Kreator.

A faixa título e primeiro video clipe do álbum (Que lembra muito os trabalhos do diretor Tim Burton), parecia vir para "acalmar os ânimos" como uma baladinha clichê à lá "Carry me Over" ou "Lost in Space" e com a belíssima participação da estreante Candice Night, mas surpreende positivamente, especialmente quando se esperava algo mais na linha do que ela faz na sua própria banda, ou o que fez em Light the Universe, do Helloween. A música mantém o nível alto do disco e, apesar do claro apelo comercial, soa melhor do que músicas outrora gravadas pela banda com propósitos similares. (Revisando essa crítica dois dias após tê-la escrito e esse refrão ainda não saiu da minha cabeça).

Em The Raven Child chegamos ao ponto alto do disco. A primeira faixa liberada pela banda como single - e curiosamente a música mais longa do disco - é uma das melhores composições de toda a história do Avantasia e poderia facilmente figurar nos clássicos Metal Opera I ou II. As participações de Hansi Kürsch e Jorn Lande são simplesmente brilhantes, contrastando suas vozes mais graves com os vocais mais suaves e agudos de Tobias. A música começa melancólica, elegante e sonhadora, utilizando-se de elementos medievais muito apropriados ao seu clima introspectivo (Que podiam ter aparecido mais vezes no decorrer do álbum), mas culmina em trechos bombásticos, épicos e carregados de emoção, onde a música cresce e a banda preenche todos os espaços, com destaque para as guitarras sempre precisas de Sascha Paeth e à gravação impecável, que deixa todos os instrumentos bem "na cara".

Nesse ponto, vale ressaltar que não houveram dessa vez participações de músicos adicionais, ficando a parte instrumental à cargo de Tobias Sammet (Vocal principal, Teclado adicional, Baixo), Sascha Paeth (Guitarra, Baixo), Michael Rodenberg (Teclados, Piano, Orquestração) e Felix Bohnke (Bateria e Percussão).

Starlight é curta, simples e direta, sem firulas, mas como um refrão poderoso e com a participação sempre consistente de Ronnie Atkins, remetendo a músicas como Serpents in Paradise e Reach Out for the Light, mas sem a grandiosidade de ambas.

Invincible e Alchemy contam com a participação de Geoff Tate, ex-Queensryche, que já havia aparecido anteriormente em Ghostlights. Invincible é uma balada conduzida por um piano melancólico e excelentes atuações de ambos os vocalistas e serve de introdução à robusta Alchemy, recheada de coros e elementos sinfônicos, além de alguns riffs mais cadenciados interessantíssimos e um belíssimo solo Sascha Paeth. A música peca apenas em se estender um pouco além do necessário e soar repetitiva em alguns momentos.

Na sequência, The Piper at the Gates of Dawn mostra-se grandiosa, mas por momentos caótica devido a quantidade exorbitante de convidados, além dos já citados Atkins, Lande, Tate, a música ainda conta com a participação de Eric Martin, do Mr. Big e Bob Catley, do Magnum (Do qual Tobias sempre se mostrou um grande fã, gravando até um cover para The Spirit, do Mangum com o Edguy). Não se trata de uma música ruim ou abaixo da média, pelo contrário, é uma ótima composição, mas soa confusa em alguns momentos, como se várias músicas tivessem sido enfiadas em uma única composição e os cantores competissem entre si, sem soar dinâmica o suficiente para suas alternâncias.

Em Lavander é possível observar melhor o trabalho de Bob Catley, mas a música em si pouco acrescenta de tudo que já foi feito, apesar de não comprometer o conjunto da obra, sendo notada mais pela participação do convidado e seus belos vocais do que por sua composição.

O track listing normal é finalizado com a já clássica participação de Michael Kiske, em um Power vigoroso e melodioso, bem característico às participações anteriores do vocalista no projeto de Tobias Sammet, tal como em Reach Out for the Light, No Return e Shelter from the Rain. Destaque para o curto mas poderoso solo de baixo de Tobias.

Como bônus ainda contamos com uma versão de arranjos simples e óbvios, mas muito agradável de Maniac, de Michael Sembello, com a participação de Eric Martin, que poderia soar improvável se o próprio Avantasia já não houvesse feito sua própria versão para uma canção do ABBA, por exemplo. Heart também é bônus e parece ser uma sobra de estúdio, com apenas Tobias nos vocais e um Power Melódico simples que talvez pudesse ter entrado no álbum no lugar de uma ou outra canção menos inspiradas.

Por fim, a impressão que fica não é muito diferente da que venho tendo desde The Wicked Symphony. Moonglow é sim um disco muito bom, mas que segue apresentando poucas novidades em relação ao que o próprio Avantasia já criou, deixando sempre um gostinho de que podiam se reinventar e experimentar mais.

É saudosista e me sinto um velho chato bradando que "Na minha época era melhor"? Sim! Mas para quem já criou verdadeiros hinos do Power Metal como Farewell, Avantasia, Sign of the Cross, The Seven Angels e Twisted Mind, apenas para citar alguns exemplos, Moonglow diverte, mas acrescenta pouco.


Outras resenhas de Moonglow - Avantasia

Avantasia: Moonglow é o melhor desde as Metal OperasAvantasia
Moonglow é o melhor desde as Metal Operas




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Avantasia"


Metal/Hard: Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuaisMetal/Hard
Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais

Avantasia: pôster da banda é visto em episódio de ConstantineAvantasia
Pôster da banda é visto em episódio de Constantine

Avantasia: 10 músicas essenciais da Metal OperaAvantasia
10 músicas essenciais da Metal Opera


No alto do castelo há uma linda princesa...No alto do castelo há uma linda princesa...

Capas de álbuns: 30 das piores artes da históriaCapas de álbuns
30 das piores artes da história

Courtney Love: Parei com drogas e transei como um coelhoCourtney Love
"Parei com drogas e transei como um coelho"

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Metallica: por que 9 entre 10 fãs odeiam Load e Reload?Metallica
Por que 9 entre 10 fãs odeiam "Load" e "Reload"?

Nirvana: a mixaria que receberam pra gravar o NevermindNirvana
A mixaria que receberam pra gravar o Nevermind

Pantera: fazíamos o chão tremer, atravessávamos paredesPantera
"fazíamos o chão tremer, atravessávamos paredes"


Sobre Luis Fernando Ribeiro

Apaixonado por música, cinema, escrita, literatura e pela zoeira infinita. Inserido no mundo da música pesada em 2004 com Destruction, Metallica e Blind Guardian, quando ainda se compartilhava música através de fitas K7.

Mais matérias de Luis Fernando Ribeiro no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336