Cadle of Filth: Um ótimo registro histórico para os fãs da banda

Resenha - Dusk... and Her Embrace (The Original Sin) - Cradle of Filth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Flavio Lens
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Cradle of Filth é uma banda polêmica (quem se lembra daquela famosa camiseta "Jesus Is a Cunt", que o próprio Dani Filth (vocalista, fundador e atualmente único membro original) considerou uma idiotice?) e divide opiniões no próprio meio do heavy metal. Enquanto alguns a consideram black metal, outros repudiam que o grupo seja incluído nessa vertente mais extrema, principalmente devido à forte presença de teclados e vocais femininos em suas composições.

Cradle Of Filth: clássico Cruelty And The Beast será relançado em novembroMaridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Essa maior variedade de influências já podia ser notada em seu álbum de estreia, The Principle of Evil Made Flesh (1994), porém o grupo decidiu aprofundar-se ainda mais nas linhas vocais femininas e teclados mais marcantes no segundo disco, Dusk... and Her Embrace, lançado oficialmente em 1996. Antes deste lançamento, já haviam lançado o EP V Empire (or Dark Faerytales in Phallustein), que já mostrava uma sonoridade mais próxima do que viria a ser desenvolvida em Dusk.

Acontece que este segundo álbum deveria ter sido lançado um ano antes, pela então gravadora do grupo, a Cacophonous Records, com a formação do primeiro álbum. Como a banda não gostou do resultado final e a relação com a gravadora já não era das melhores, o grupo decidiu não lançar o álbum. Neste meio tempo, houve um racha na banda (os integrantes que saíram formaram a banda de gothic metal The Blood Divine), e a nova formação do Cradle lançou no ano seguinte o EP V Empire e a versão regravada de Dusk.

Eis que, vinte e um anos depois, a banda resolve oficializar o lançamento da versão original de Dusk... and Her Embrace (com o óbvio complemento "The Original Sin"), que, segundo Dani, foi remasterizado por Scott Atkins diretamente das fitas DAT originais.

O resultado surpreende positivamente o ouvinte e mostra claramente a evolução de cada integrante, tanto em termos de composição como habilidade instrumental e principalmente vocal. Podemos dizer, sem medo de errar, que estamos diante de uma das melhores performances vocais de Dani Filth em sua carreira. Nesta versão do álbum, o timbre de sua voz está mais próximo de seu vocal rasgado natural, sem tantos efeitos artificiais em sua voz (com a exceção de algumas passagens em tons mais graves), e também pode-se notar a presença mais forte de urros guturais que dão um peso insano às músicas.

Outra característica que conta muito a favor desta versão é que Dani canta de uma forma totalmente inteligível, coisa que no EP e na versão regravada de Dusk foi deixada um pouco de lado - os vocais mais agudos se tornavam incompreensíveis nestes dois álbuns.

As músicas em si não possuem tantas diferenças entre as duas versões do disco, além de algumas modificações nas letras e construções dos versos em cima das melodias. A ordem das canções também é diferente do disco que foi lançado em 1996, além de possuir uma faixa (Nocturnal Supremacy) que foi lançada em V Empire e uma faixa intro até então inédita (Macabre, This Banquet).

O que pode pesar contra este álbum (e talvez possa ter sido um dos motivos de insatisfação da banda na época) é a mixagem às vezes não equilibrar corretamente os instrumentos, chegando ao ponto de o som do teclado às vezes estar muito alto, praticamente encobrindo as guitarras - como na própria faixa-título.

A arte da capa do disco é assinada por Drake Mefestta e o álbum também conta com duas faixas-demo bônus e participações especiais de Cronos (Venom) e Steve Grimmett (Grim Reaper).

De uma forma geral, Dusk... and Her Embrace (The Original Sin) é um ótimo registro histórico para os fãs da banda e certamente seria uma grande injustiça se um petardo desses fosse deixado esquecido em algum depósito de fitas velhas pelo resto da vida...

Faixas:

1. Macabre, This Banquet
2. Nocturnal Supremacy
3. Heaven Torn Asunder
4. Dusk... and Her Embrace
5. A Gothic Romance
6. The Graveyard by Moonlight
7. Funeral in Carpathia
8. Beauty Slept in Sodom
9. The Haunted Shores of Avalon
10. Carmilla's Masque
11. A Gothic Romance (demo)
12. Nocturnal Supremacy (demo)

Duração: 71:02



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Cradle Of Filth"


Cradle Of Filth: clássico Cruelty And The Beast será relançado em novembro

NoisecreepNoisecreep
Os 10 clipes mais assustadores do Heavy Metal

Cradle Of FilthCradle Of Filth
O lado negro do vocalista Dani Filth

Capas polêmicasCapas polêmicas
Slayer, Megadeth, Dream Theater, Carcass...


Maridos traídosMaridos traídos
Não adianta: todo mundo terá seu dia de dor-de-corno

KissKiss
Sobre Secos e Molhados: "Há quem acredite em OVNIs!"

HumorHumor
Os roqueiros mais chatos das redes sociais

Sabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda suecaGuns N' Roses: os 10 melhores não-clássicos da bandaAxl Rose: em vídeo, compilação vocal de 1983 a 2017Classic Rock: os cem melhores discos de estreia de todos os tempos

Sobre Flavio Lens

Nascido em Santos, atualmente mora no interior de SP. Desde pivete curte um som, há mais de dez anos tem participado de bandas na cidade de Catanduva e toca uns projetos de estúdio nas horas vagas.

Mais matérias de Flavio Lens no Whiplash.Net.