RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemFatboy Slim confessa ter se arrependido de conhecer David Bowie pessoalmente

imagemA influente banda que acabou causando a "separação" do Guns N' Roses

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemO megahit dos Beatles inspirado em desenho de amiguinha do filho de John Lennon

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemOzzy Osbourne é contemplado com dois Grammy na edição de 2023 do evento

imagemAs polêmicas escolhas do Nirvana para o "MTV Unplugged in New York"

imagemAs 5 bandas confirmadas no Summer Breeze Brasil que não tocarão em outras cidades

imagemO hit da Legião Urbana que Renato Russo considerava "pretensioso e babaca"

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemNovo álbum do Angra será o melhor da era Fabio Lione, segundo Felipe Andreoli

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemLendário empresário do Kiss se manifesta sobre acusações de playback de Paul Stanley

imagemBeatles: O processo de gravação do "Let It Be", segundo o produtor George Martin

imagemKiss: Segundo Gene Simmons, Ace Frehley votou pela demissão de Peter Criss, em 1980


Def Leppard Motley Crue 2

Moonspell: Brasileiros homenageiam portugueses com categoria

Resenha - A Brazilian Tribute To Moonspell - Em Nome do Medo

Por Vitor Franceschini
Postado em 28 de dezembro de 2014

Nota: 8

Já adiantando, sem bairrismo e muito menos demagogia, "Em Nome do Medo – A Brazilian Tribute to Moonspell" é um dos tributos mais interessantes e honestos que já vi. Em meio a tantos caça-níqueis, esta homenagem soa sincera e digna de respeito, até porque está disponível gratuitamente para download.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

São 18 bandas brasileiras, de praticamente todas as regiões, prestando um tributo a maior banda da história do Metal português. Mesmo não sendo uma banda tão antiga assim, o Moonspell foi e é influente, sendo digno de merecer tal homenagem.

Os trabalhos mais sombrios da banda foram o foco do repertório, e no que se diz ao conteúdo do trabalho ele soa como todos os tributos. Isto é, há momentos memoráveis, alguns medianos, outros que não deram certo, mas nenhum momento horrível, assim por dizer.

Mais uma vez fica evidente que as bandas não investem tanto em produções quando se trata de tributos, pois dá pra sentir que há bandas muito bem produzidas em seus trabalhos autorais, que aqui não se esforçaram muito pra fazer com que seu som ficasse acima da média, mas isso não é uma generalização.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Falando de coisas boas, começamos do início. O Malkuth abrindo o álbum foi um acerto e tanto. Além de se tratar de uma banda tradicional do Black Metal nacional, os pernambucanos fizeram uma ótima versão para Tenebrarum Oratorium. Outro tradicional grupo de Black Metal, o Pátria fez uma versão quase fiel a Wolfshade, sendo que deixaram de lado os vocais limpos e meteram sua identidade na composição.

A versão para Of Dream and Drama, do Soturnus é aquela que soa como diferenciada, com uma roupagem nova, mas que ficou interessante, o que não pode ser dito sobre o Silent Cry que fez uma versão bem morna de Opium. Enquanto isso Malefactor e As Dramatic Homage deram suas caras a Alma Mater e Full Moon Madness, respectivamente, sendo que a banda carioca ficou mais próxima da original, até pelo seu som ser influenciado pelo Moonspell.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Das que tentaram dar sua cara às composições e não obtiveram êxito podemos citar Obskure e Helllight. Mesmo as versões não ficando ruins (longe disso) não empolgam tanto. Há altos e baixos, além de médios, mas de ruim mesmo não podemos mencionar nada, até por se tratar de um repertório rico e canções fortes criadas durante os 22 anos de Moonspell.

A capa, de autoria do designer e um dos idealizadores do projeto Alcides Burn, apresenta duas espécies de lobo: o brasileiro guará e o português ibérico, sendo mais um ponto positivo do álbum, pois une uma belíssima arte com uma ideia brilhante dos laços Brasil/Portugal. Ué, ainda não baixou?

http://heavyandloud.com.br/emnomedomedo/

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

História: o terremoto de 1755 que inspirou o Moonspell

Septicflesh: conheça as artes criadas por Seth Siro

Heavy metal poliglota: dez músicas cantadas em idiomas diferentes do inglês

Paralamas: a curiosa e interessante versão doom/gothic de "Lanterna Dos Afogados"


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.
Mais matérias de Vitor Franceschini.