Joe Bonamassa: Dando mais um passo a frente em sua carreira

Resenha - Different Shades of Blues - Joe Bonamassa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por João Paulo Linhares Gonçalves
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


O incansável e workaholic Joe Bonamassa está de volta ao mercado com mais um álbum de estúdio - "Different Shades Of Blue", décimo primeiro na sua carreira. A parceria com o produtor Kevin Shirley continua, e um fato marcante deste álbum é que, pela primeira vez, todas as canções do disco foram compostas pelo próprio Bonamassa, em parceria com diversos compositores (muitos ligados a country music norte-americana). Joe continua escalando posições na parada norte-americana: desta vez, seu álbum conseguiu estrear na oitava posição, primeiro Top 10, além de angariar mais um número um na parada de blues, o sétimo seguido!

As novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecerFotos de Infância: Kurt Cobain, do Nirvana

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os velhos parceiros continuam trabalhando com Joe: além do produtor Kevin Shirley, temos Anton Fig, Carmine Rojas (baterista e baixista) e Lenny Castro (percussionista, gravou o DVD acústico com Bonamassa); Reese Wynans é o tecladista (ele tocou com Stevie Ray Vaughan no Double Trouble), já tinha gravado algumas poucas faixas com Joe antes, mas neste disco ele tem participação ativa. Pra completar o time, temos dois cantores fazendo backing vocals: Doug Henthorn (participou de outros discos de Joe) e Melanie Williams. A produção de Kevin Shirley continua caprichada e casando bem com o estilo de Joe Bonamassa (este é o sétimo disco de estúdio de Joe que Kevin produz, fora os dois álbuns com Beth Hart e os discos com o Black Country Communion, também produzidos por Shirley).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Abrindo o álbum, temos a única canção que não foi composta por Joe: "Hey Baby (New Rising Sun)", pouco mais de um minuto de introdução ao álbum, do mestre Jimi Hendrix. A primeira canção pra valer é "Oh Beautiful!", um belo blues rock, riff certeiro conduzindo a canção, e um solo inspiradíssimo. Aliás, pra variar, os solos de Bonamassa neste álbum estão todos inspirados e muito bem tocados. "Love Ain't A Love Song" quebra um pouco e traz alguma influência do Rock Candy Funk Party para a carreira solo de Bonamassa, com o devido naipe de metais que o swing na canção exige. Aliás, diversas canções se utilizam dos instrumentos de sopro, talvez uma busca de Joe em alcançar um som de blues mais clássico. Como em "Living On The Moon", que ainda se utiliza do naipe de metais, só que com uma pegada mais blues. "Heartache Follow Wherever I Go" traz uma guitarra "rouca", e lembra a pegada das canções que Joe gravou ao lado de Beth Hart, aqueles clássicos do blues e do soul. Mesma pegada, disco diferente, composição própria aqui.

"Never Give All Your Heart" é uma das melhores do disco, já começa com a guitarra de Bonamassa falando alto, com Wynans conduzindo no piano suavemente, e um refrão forte que te ganha já na primeira audição. "I Gave Up Everything For You, 'Cept The Blues" retorna ao bom e velho blues, levada mais tradicional. Espaço para o talento de Joe no solo. A faixa-título é um primor de composição, melodia cativante e um refrão suave que te conquista mais e mais a cada audição. Uma amostra de maturidade, tanto na composição quanto no arranjo escolhido. Minha preferida do disco, com certeza. "Get Back My Tomorrow" é mais um blues rock de qualidade, mais um grande solo. "Trouble Town" traz de volta o naipe de metais e a influência soul. Pra fechar, "So, What Would I Do" encerra de forma bem intimista, o piano de Reese novamente conduzindo brilhantemente, um solo inspirado e cheio de feeling, uma composição belíssima de Bonamassa, esta sem parceria, somente ele.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A aposta em composições próprias se provou acertada e, com a produção azeitada e arranjos de boa qualidade, Joe Bonamassa dá mais um passo a frente em sua carreira, rumo a um estrelato e uma posição de destaque ainda maior no mundo do blues. Quem é fã de Joe vai adorar; quem não é fã tem tudo para curtir este álbum também, bem composto e bem produzido. Agora é só aguardar Joe Bonamassa no Brasil em 2015. Ele já prometeu que toca aqui ano que vem!!

Relação de músicas:
1 - "Hey Baby (New Rising Sun)"
2 - "Oh Beautiful!"
3 - "Love Ain't A Love Song"
4 - "Living On The Moon"
5 - "Heartache Follows Wherever I Go"
6 - "Never Give All Your Heart"
7 - "I Gave Up Everything For You, 'Cept The Blues"
8 - "Different Shades Of Blue"
9 - "Get Back My Tomorrow"
10 - "Trouble Town"
11 - "So, What Would I Do"

Alguns vídeos:

"Oh Beautiful!":

"Never Give All Your Heart":

"Different Shades Of Blue":

Confira esta e outras resenhas no blog Ripando a História do Rock (http://ripandohistoriarock.blogspot.com.br/). Um abraço rock and roll!


Outras resenhas de Different Shades of Blues - Joe Bonamassa

Joe Bonamassa: O novo trabalho do mestre do Blues contemporâneoJoe Bonamassa: Novo trabalho é a prova viva de sua genialidade



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Joe Bonamassa"


Joe Bonamassa: é injusto criticar o Greta Van Fleet pelas influênciasJoe Bonamassa
"é injusto criticar o Greta Van Fleet pelas influências"

Guitarra: Pentatônica a lá Steve Vai, Petrucci, Steve Morse, Edu Ardanuy, Bonamassa, etcGuitarra
Pentatônica a lá Steve Vai, Petrucci, Steve Morse, Edu Ardanuy, Bonamassa, etc


As novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecerAs novas caras do metal
+ 40 bandas que você deve conhecer

Fotos de Infância: Kurt Cobain, do NirvanaFotos de Infância
Kurt Cobain, do Nirvana


Sobre João Paulo Linhares Gonçalves

Roqueiro convicto, de carteirinha, desde os treze anos de idade. Já tive diversas bandas preferidas: de Iron Maiden, Metallica e Black Sabbath a The Who, Pink Floyd e Rolling Stones. O heavy metal sempre me atraiu muito, mas o rock praticado nos anos 60 e 70 é fascinante e estou sempre escutando. De vez em quando, dou chance ao punk, rock alternativo, blues, até ao jazz e MPB, pra variar.

Mais matérias de João Paulo Linhares Gonçalves no Whiplash.Net.

adGoo336