Belphegor: Som extremo de alta qualidade

Resenha - Conjuring the Dead - Belphegor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Lúcio Draco, Fonte: verbumdraco.blogspot.com
Enviar Correções  

10


O Belphegor é uma das poucas e privilegiadas bandas que construiu uma sonoridade própria e acima de rótulo exatos. A base é death metal, mas com temática, vocais e riffs de black metal, e ainda elementos de grindcore. O fato é que essa horda faz um som extremo de alta qualidade seja qual for a rotulação para sua arte.

Voz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)Metallica: Trujillo e seus primos, membros de gangues

Como a ferocidade de sempre e sem deixar cair a qualidade de seus trabalhos, essa insana horda austríaca caprichou mais uma vez lançou um álbum digno da fama que tem, ou seja, uma das melhores bandas de metal extremo do mundo na atualidade.

Sem misericórdia, o álbum começa com Gasmask Terror que tem uma pegada infernal no bumbo duplo segue o "padrão Belphegor" de blast beats ou metranca*, abre o disco como um soco no estômago.

A faixa título Conjuring the Dead é certamente um dos destaques desse trabalho, com os vocais cada vez mais cavernosos do Helmuth Lehner (vocal, guitarra) e um clipe no padrão de superprodução que gravadora Nuclear Blast tem investido. In Death começa com uma pegada thrash na bateria depois retoma os blast beats matadores.

Rex Tremendae Majestatis em alguns momentos lembra algumas faixas do primoroso "Blood Magick Necromance", pois tem uma cadência mais lenta e uma atmosfera soturna.Depois de momentos mais lentos com Rex Tremende, chega a furiosa faixa Black Winged Torment.

Há um breve e belo interlúdio com The Eyes e a pancadaria recomeça com Legions of Destruction que conta com participação especial de dois medalhões da música extrema: Glenn Benton (Deicide) e Attila Cshiar (famoso pelo trabalho como vocalista no clássico absoluto "De Mysteriis Dom Sathanas" do Mayhem).

Flesh, Bones and Blood tem um andamento mais lento, mas nem por isso é menos pesada. Em seguida, a curta e agressiva Lucifer, Take Her! começa de forma sinistra com gritos desesperados de uma donzela atormentada (Alexandra "Dollface" Van Weitus).

A destruição termina com Pactum in Aeternum que é uma continuação da faixa anterior, com ambientações sonoras soturnas e arranjos de violão.

Imperdível!

Veja aqui o conceito de metranca ou blast beat: http://pt.wikipedia.org/wiki/Metranca

E assista a uma aulinha de blast beat\metranca:

Sites:
http://www.belphegor.at
https://www.facebook.com/belphegor
Origem: Áustria
Lançamento: agosto de 2014
Selo: Nuclear Blast
Gênero: Blackned Death Metal
Line-up:
Helmuth Lehener - guitarra/vocal
Serpenth - baixo/vocal
Martin "Marthyn" Jovanović - bateria
******
Faixas:
01 - Gasmask Terror 03:41
02 - Conjuring the Dead 04:33
03 - In Death 04:12
04 - Rex Tremendae Majestatis 05:21
05 - Black Winged Torment 03:27
06 - The Eyes 01:19
07 - Legions of Destruction 04:28
08 - Flesh, Bones and Blood 03:32
09 - Lucifer, Take Her! 02:48
10 - Pactum in Aeternum 03:18

Resenha publicada originalmente em
http://verbumdraco.blogspot.com.br



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Belphegor: Dane-se a Igreja, precisamos de mais Metal!Belphegor
"Dane-se a Igreja, precisamos de mais Metal!"

Belphegor: frontman quase morreu por doença do BrasilBelphegor
Frontman quase morreu por doença do Brasil


Voz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)Voz
10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)

Metallica: Trujillo e seus primos, membros de ganguesMetallica
Trujillo e seus primos, membros de gangues


Sobre Lúcio Draco

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin