Damned: excentricidade e fúria no terceiro álbum do grupo

Resenha - Machine Gun Etiquette - Damned

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Jonathan Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O The Damned, com seu primeiro álbum "Damned, Damned, Damned", fez com que uma geração inteira pulasse frenética ao som de "New Rose", provando assim que bandas punks inglesas poderiam fazer um álbum completo de qualidade, sem se apegar a singles e EP's. Mas a quintessência do grupo iria atingir um nível muito maior de inovação a partir do seu terceiro álbum, "Machine Gun Etiquette", na qual todo o experimentalismo do grupo foi exposto de maneira brilhante e totalmente original, muito diferente de qualquer material feito pela cena na época. Brian James havia saído do grupo, ficando com seu lugar ocupado por Captain Sensible, antes baixista do grupo. Sensible também ficou responsável, junto com o vocalista Dave Vanian, com a parte criativa do álbum, que foi produzido com Roger Armstrong em conjunto com a banda.

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposLinkin Park: 20 coisas que você não sabe sobre a banda

Logo de inicio, "Love Song" surpreende com um diálogo nonsense e seu refrão cínico ("Só para você, aqui está uma canção de amor [...]. E isso me faz feliz em dizer, foi um lindo dia, está tudo bem."), mas com uma velocidade feroz e impetuosa, que continua sem cessar com a faixa título, na qual Rat Scabbies toca como se fosse Phil "Philthy Animal" Taylor (baterista do Motorhead, que excursionou com o grupo durante o final da década). O pós punk de "I Just Can't Be Happy Today" tem como base o baixo de Algy Ward (substituto de Sensible) dando à música uma aura soturna e melancólica, fazendo com que o single chegasse a 46ª posição nos charts britânicos. Melody Lee (inspirada em um personagem da revista em quadrinhos Bunty) tem uma introdução melódica nada convencional, mas que explode em punk logo em seguida.
Há também momentos inusitados que mostram que o grupo estava disposto a criar algo ousado e genial. "Plan 09 Chanel 07", uma homenagem ao filme Plano 9 do Espaço Sideral, faz com que o ouvinte viaje a uma outra dimensão guiado pelo vocal hipnótico de Dave Vanian, mas é com "Smash it Up", dividida em duas partes, que o grupo mostra toda a sua energia acumulada. A primeira parte é uma homenagem a Marc Bolan, falecido anos antes e que apoiava de forma entusiasta o movimento punk. Já a segunda é um new wave energético e furioso, que criticava a cultura hippie de forma anárquica, fazendo com que o hit fosse banido da rádio BBC. Mesmo asssim, a canção ficou em 35º lugar nas paradas.
O disco também traz Looking At You (cover do MC5), "Noise Noise Noise", "Antipope" alem de faixas bônus e outros covers incluídas nos relançamentos do álbum. A capa, mostrando o grupo atravessando a rua com seus trajes altamente característicos, faz junto com as músicas um álbum clássico definitivo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Damned"


Sexta-feira 13: treze músicas para escutar nesta dataSexta-feira 13
Treze músicas para escutar nesta data


Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Linkin Park: 20 coisas que você não sabe sobre a bandaLinkin Park
20 coisas que você não sabe sobre a banda

Manowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted SisterManowar
O dia em que a banda arregou pro Twisted Sister

Motley Crue: Vince Neil detona Sharon Osbourne em biografiaR.E.M.: banda é dona da faixa que mais faz o homem chorarKiss: Ace Frehley diz que "provavelmente é o cara mais legal" da bandaO que os fãs de rock e suas vertentes pedem para beber em um bar?

Sobre Jonathan Silva

Jonathan Silva, freak de nascença, é um aspirante medíocre a jornalista e interessado em literatura marginal e vídeo games violentos. Começou a ouvir na infância bandas do mainstream do rock nacional até o momento em que descobriu o Iron Maiden. Daí, começou uma miscelânea de estilos, que vai desde o jazz erudito até o mais barulhento das bandas de grindcore, passando por várias esquisitices sonoras. EM pleno séc. XXI, ainda é um comprador de CDs e DVDs, só que gasta com isso um valor bem menor do que gostaria.

Mais matérias de Jonathan Silva no Whiplash.Net.