Stone Temple Pilots: riquíssimo em melodia, harmonia e peso

Resenha - Core - Stone Temple Pilots

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Klayton Castro
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O ano de 1992 marcou muito pelos lançamentos de álbuns de bandas da cena Grunge. Dentre elas estava o Alice In Chains, Gruntruck, Mudhoney, Screaming Trees, L7, My Sister's Machine com discos fortes e mais elaborados. Nessa leva surgiu o Stone Temple Pilots com toda sua força. Vindos da California, estavam prontos para fazer parte da cena que se consolidou em Seattle, com um álbum de estreia riquíssimo em melodia, harmonia e peso.
305 acessosStone Temple Pilots: "não estou superando a morte de Chester"5000 acessosEm 20/08/2005: Iron Maiden é atacado com ovos no Ozzfest

Tudo começou quando a banda ainda se chamava MIGHTY JOE YOUNG. Em 1991, lançaram uma demo autointitulada, com faixas cheias de 'groove' e 'funky'. Mesmo assim, algumas mostravam o que viria a ser mais tarde, como as faixas 'Wicked Garden', 'Naked Sunday', 'Piece Of Pie' e 'Where The River Goes'. Canções que foram melhor trabalhadas e finalizadas para ser lançadas em seu álbum de estreia.

Após o sucesso da demo, a banda decidiu gravar seu primeiro registro em estúdio. Quando souberam que já havia um grupo chamado MIGHTY JOE YOUNG, mudaram o nome por questões jurídicas para STONE TEMPLE PILOTS. Em abril de 1992, começaram a gravação para o álbum, gravando-o em cinco semanas. Depois de cinco meses, foi finalizado e lançado no dia 29 de setembro.

Já em seu primeiro álbum de estúdio, a banda mostrava que não demoraria em se tornar um gigante. Intitulado pela banda como "Core", o nome se referia ao fruto proibido da história bíblica de Adão e Eva. Sendo assim, o registro deu um show de canções repletas de melodia e peso na medida certa, com campo harmônico muito bem estruturado, tendo como tema principal o lado obscuro e complexo da humanidade.

Quatro singles foram lançados para o álbum. Porém, somente três tiveram vínculo comercial e um de carácter promocional. O primeiro a ser lançado foi o da canção 'Sex Type Thing', abordando como tema a violência, controle e abuso de poder que as mulheres sofriam, em um som bem enérgico e pesado. Já o segundo single era da canção 'Plush', a mais famosa da banda, tendo a letra inspirada numa reportagem que Scott Weiland viu de uma garota morta vítima de estrupo, contrastando o tema mórbido em uma linda balada repleta de melodias. Já o terceiro foi o de 'Wicked Garden' que foi usado para promover a banda nas rádios, abordando liricamente sobre a inocência do ser humano que depois é perdida de acordo com as coisas que acontece na vida. O último single é a linda e melancólica 'Creep' que fala sobre as dificuldades que os membros da banda estavam enfrentando em suas vidas.

Além dos singles, a banda ofereceu outras maravilhosas canções. Abrindo com chave de ouro, 'Dead & Bloated' inicia com Scott Weiland vociferando as primeiras frases de uma letra mórbida, acompanhada de uma melodia pesada e repleta de charme. Seguida da porrada 'Sex Type Thing' e da envolvente 'Wicked Garden', o álbum segue com o interlúdio 'No Memory', escrita pelo guitarrista Dean DeLeo, antes usada somente como introdução para faixa seguinte 'Sin', a primeira canção épica do registro, mostrando todo dinamismo da banda, com sua letra bastante sombria. Chegando na metade do disco, ainda nos deliciamos com a enérgica 'Naked Sunday' que fala sobre religião organizada que impõe as pessoas no que deve fazer e acreditar. Para acalmar os ânimos vem a triste e bela 'Creep', preparando para a porrada certeira de 'Piece Of Pie' com riffs bem gordos e grudentos, seguindo do maior sucesso radiofônico 'Plush' que prende atenção por sua bela melodia do começo ao fim. Em seguida, nos deparamos com o interlúdio 'Wet My Bed', que segundo a lenda foi a primeira canção gravada para "Core", através de um improviso dentro de estúdio entre Scott Weiland e o baixista Robert DeLeo. Agora a faixa 'Crackerman' dava mais uma pedrada, com seu peso e muito Rock'n'Roll, trazendo como título uma gíria falada por compradores de craque e heroína para se comunicar com os traficantes, só pela explicação preciso nem dizer o tema né? Então, 'Where The River Goes' fecha o álbum com chave de ouro, em um épico de oito minutos e meio, cheias de variação e dinamismo, considerada a canção mais poética liricamente.

Botando na balança, "Core" é indiscutivelmente o melhor álbum da banda até hoje. Na época em que foi lançado, foi recebido muito bem pela crítica. Alguns críticos ardorosos empinavam o nariz, dizendo que a banda parecia uma cópia fajuta de ALICE IN CHAINS e PEARL JAM. Algo realmente sem pé e cabeça, pois desde o começo de carreira o STONE TEMPLE PILOTS sempre mostrou originalidade e inteligência em suas composições. Sendo o registro mais bem sucedido, recebeu oito vezes o disco de platina pela RIAA, dia 18 de setembro de 2001. Ano passado, o álbum foi tocado na íntegra em seu 20º aniversário.

Concluindo, "Core" foi só uma amostra que o sucesso não é premeditado, e sim basta fazer canções usando o coração, botando toda sua paixão e amor pela música. Em um primeiro álbum é muito difícil ter o sucesso imediato, mas não é algo impossível. E quando alcança o estrelato de primeira, a marca de um clássico se torna eterna.

Faixas:

01 - Dead & Bloated

02 - Sex Type Thing

03 - Wicked Garden

04 - No Memory

05 - Sin

06 - Naked Sunday

07 - Creep

08 - Piece Of Pie

09 - Plush

10 - Wet My Bed

11 - Crackerman

12 - Where The River Goes

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 29 de janeiro de 2013


305 acessosStone Temple Pilots: "não estou superando a morte de Chester"513 acessosStone Temple Pilots: guitarrista fala de Scott e de Chester513 acessosStone Temple Pilots: membros comparam Scott com Jim Morrison673 acessosStone Temple Pilots: "o novo vocalista se encaixa no perfil"645 acessosStone Temple Pilots: rebatendo críticas de copiar as bandas grunge307 acessosStone Temple Pilots: também planejam o relançamento do "Purple"?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Stone Temple Pilots"

Chester BenningtonChester Bennington
As mudanças em sua aparência, entre 1993 e 2017

Scott WeilandScott Weiland
Estilo de vida rock'n'roll não causou sua morte, diz Chris Cornell

GrungeGrunge
As 10 melhores músicas do movimento

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Stone Temple Pilots"


Em 20/08/2005Em 20/08/2005
Iron Maiden é atacado com ovos no Ozzfest

SepulturaSepultura
Andreas conta curiosidades sobre os primórdios da banda

MegadethMegadeth
A canção que Dave Mustaine menos gosta

5000 acessosComo batizar a criança: os nomes de bandas mais estúpidos5000 acessosSabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca5000 acessosIron Maiden: a fotografia de "The Final Frontier"5000 acessosAC/DC: seis covers bizarros da banda5000 acessosZakk Wylde: "sem Ozzy eu não estaria aqui falando com vocês"3997 acessosRodrigo Oliveira: "Não temos só vermes que vivem o rock/metal!"

Sobre Klayton Castro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online