Stevie Ray Vaughan: O que é bom de verdade permanece

Resenha - Texas Flood - Steve Ray Vaughan

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Severo da Costa
Enviar Correções  

10


Há quase trinta anos atrás, um texano, branco muito louco - na melhor linhagem de JOHNNY WINTER - apareceu para o mundo, com a mesma velocidade que desapareceria oito anos depois. Nascido em 1954, STEVIE RAY VAUGHAN chacoalharia com gosto o universo do blues, provando que o que é bom de verdade permanece.

Irmão do também guitarrista JIMMIE VAUGHAN, STEVIE começou como guitarrista tocando em banda de hard rock ("Krackerjack"), depois, aprendendo a cantar (na banda com o curioso nome de "Paul Ray & The Cobras") e formou, em 1978, o combo ideal, que o acompanharia até sua morte em 1990: o "Double Trouble" que contava com CHRIS LAYTON na bateria e TOMMY SHANNON no baixo.

publicidade

O debut "Texas Flood" foi gravado em 1982 e lançado no ano seguinte. Produzido pela banda em parceria com RICHARD MULLEN, "Texas" capta toda a energia que exalava de VAUGHAN e seus "comparsas": blues de boteco, mas tocado com uma elegância digna de ALBERT COLLINS e FREDDIE KING, ídolos da banda.

"Love Struck Baby" mostra como CHUCK BERRY foi importante para a formação musical de VAUGHAN, com destaque absoluto para a bateria cheia de criatividade de LAYTON. Na sequência, "Pride and Joy" (que eu conheci no excelente show de "El Mocambo"), mostra porque se tornou "o" clássico de VAUGHAN: um blues simples, direto, com direito a solo antológico de STEVIE.

publicidade

As apropriações de "Tell Me" (HOWLIN WOLF) e o mega clássico "Mary Had A Little Lamb" (Buddy Guy) tem o mesmo efeito no ouvinte que "With A Little Help From My Friends" com JOE COKER: nos fazem esquecer que a autoria pertence a outros gênios. A Strato do guitarrista parece rugir e prestes a partir ao meio a cada vez que surgem alguns de seus memoráveis solos "fluidos" (como ERIC CLAPTON já definiu o som de STEVIE).

publicidade

Agora, em se tratando de guitarras "chorando" ouça por misericórdia ao bluesão lento que dá nome ao disco e, a faixa dedicada à esposa do guitarrista, "Lenny". São nesses registros que, como se diz no popular, "se separam os homens dos meninos". Enquanto na primeira VAUGHAN honra a tradição do feeling incomparável de ALBERT KING - assim como fez em "Rude Mood" - na segunda mostra todo o feeling represado, construindo um tema instrumental que faria jus a introdução histórica de "Little Wing".

publicidade

Ah, não gosta de blues? Não tem problema: "Texas Flood" é daqueles discos que vão te converter rapidinho, rapidinho.

Track List:

1. "Love Struck Baby"
2. "Pride and Joy"
3. "Texas Flood"
4. "Tell Me"
5. "Testify"
6. "Rude Mood"
7. "Mary Had a Little Lamb"
8. "Dirty Pool"
9. "I'm Cryin'"
10. "Lenny"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Regis Tadeu: Stevie Ray Vaughan, que falta faz... (vídeo)Regis Tadeu
Stevie Ray Vaughan, que falta faz... (vídeo)


Steve Vai: as 10 melhores faixas de guitarra na opinião deleSteve Vai
As 10 melhores faixas de guitarra na opinião dele

Covers: Quais as melhores da história do rock?Covers
Quais as melhores da história do rock?


Capas de disco: como seriam se fossem gifs animadosCapas de disco
Como seriam se fossem gifs animados

Metal contra o câncer: festival aceita cabelo como ingressoMetal contra o câncer
Festival aceita "cabelo" como ingresso


Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: [email protected]

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin