Iron Maiden: En Vivo! é mais do mesmo de novo

Resenha - En Vivo! - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Igor Z. Martins
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


É notável a mania que o Iron Maiden tem de nunca inovar em seu repertório. E, eis que, em 26 de março de 2012, é lançado o novo álbum ao vivo do grupo: “En Vivo!”, gravado durante a turnê do último trabalho de estúdio da banda, “The Final Frontier” (2010).
655 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa5000 acessosRobert Plant: "quase saí do Led quando meu filho morreu"

“En Vivo!”, lançado em DVD e em CD, só é interessante para quem quiser saber como as canções de “The Final Frontier” soam ao vivo. Só! No restante, é mais do mesmo. Clássicos como “The Number Of The Beast”, “The Trooper”, “Hallowed Be Thy Name” ou “The Evil That Men Do”, com o perdão da palavra, já encheram o saco. Quem quiser ouvi-las pela ducentésima vez pega os álbuns e é feliz para sempre.

Algo notável é que os integrantes do Maiden não são mais garotos, mas ainda têm fôlego: a performance é impecável, mesmo levando em conta um Bruce Dickinson extremamente exagerado – de modo que sua gritaria fica irritante em certos trechos. Ele não consegue falar nem com a plateia. É tudo na base do grito.

O álbum será comprado por aqueles que estão conhecendo a banda agora ou por quem é realmente fã do grupo e coleciona a discografia, porque, no restante, ninguém é louco de comprar “The Number Of The Beast”, por exemplo, pela enésima vez.

Em turnês recentes, o Iron Maiden voltou ao passado e trouxe aos fãs clássicos absolutos como “Rime of The Ancient Mariner” ou “Moonchild”. No entanto, as referidas músicas foram apresentadas “numa daquelas” turnês em que a banda faz “uma viagem no tempo” (ou uma genial jogada de marketing) e toca os clássicos. E por que nenhum daqueles clássicos inusitados está presente nesse novo disco ao vivo? O Metallica, arquirrival do Maiden, é o exemplo de banda que inventa moda em seu repertório: volta e meia a banda está trazendo coisas inesperadas aos fãs, enquanto o repertório do Iron Maiden é mais manjado que “Nome do Pai” em missa.

A banda podia colocar nesse repertório chato algo como “Revelations”, “22 Acacia Avenue” ou “Powerslave”. Até (a injustiçada) “Bring Your Daughter... To The Slaughter” seria mais interessante que ouvir “The Trooper” MAIS UMA VEZ. Se a ideia é tocar material recente, que tal investir numa “Man On The Edge”, “Sign Of The Cross” ou “Ghost Of Navigator”, abandonada desde a turnê do “Brave New World” (2000)? Mas, não! A banda, por opção clara, continua vendendo o pão de ontem como sendo o de hoje. Com paciência, alguém poderia fazer um gráfico estatístico a respeito de quantas vezes “The Number Of The Beast” ou “The Trooper”, por exemplo, foram (vendidas) lançadas no catálogo oficial da banda. Os números assustariam.

Os pontos altos do disco, repetindo, são as versões ao vivo das canções de “The Final Frontier”, a performance da banda, a produção e, claro, o fato de não haver nenhuma música do medonho “A Matter Of Life And Death” (2006), disco mais sonífero que qualquer coisa inventada por uma certa banda chamada Yes.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de En Vivo! - Iron Maiden

5000 acessosIron Maiden: A aposentadoria dos caras ainda está longe

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 07 de abril de 2012

Iron MaidenIron Maiden
Show do Ghost é melhor, diz reportagem

655 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa453 acessosIron Maiden: Iron Maiden Ex Libris aborda as letras da donzela425 acessosThunderstick: ex-batera do Samson e Iron Maiden lançará novo disco0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

HumorHumor
Como cantar grandes clássicos do Heavy Metal

Iron MaidenIron Maiden
Sobre o que fala a música "Aces High"?

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Discografia comentada do vocalista

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

Robert PlantRobert Plant
"Quase saí do Led quando meu filho morreu!"

MetromixMetromix
A lista dos vocalistas mais irritantes do rock

Guitar WorldGuitar World
Os 50 guitarristas mais rápidos de todos os tempos

5000 acessosHall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do Metal5000 acessosPsicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia Eller5000 acessosFãs de Rock: você conhece o estilo de se vestir de cada um5000 acessosMemes: versões para Slipknot, Linkin Park e SOAD5000 acessosGothic Metal: os dez trabalhos essenciais do estilo5000 acessosSepultura e irmãos Cavalera: da vanguarda ao apequenamento

Sobre Igor Z. Martins

Jornalista do interior do Paraná, Igor entrou no mundo do rock pesado em 1998, com "The X Factor", do Iron Maiden. Posteriormente, cairam em seus ouvidos Metallica, Guns N'Roses, Dream Theater, Megadeth, etc. Eclético, consegue escutar Oasis, Death, Pantera e Pink Floyd em sequência! Gasta mais da metade do que ganha com CDs, sendo, assim, chamado de "burro" por aqueles que acreditam que "é só baixar da Internet". Quer lhe dar um presente, fazê-lo feliz? Dê-lhe um CD! Comportar-se como criança diante de um CD novo e sentir o cheiro de encartes são marcas de sua paixão louca pela música!

Mais matérias de Igor Z. Martins no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online