Avatar: Um álbum que assustará os mais ortodoxos

Resenha - Avatar - Black Waltz (2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar Correções  

publicidade

8


Quarto trabalho da banda sueca Avatar, "Black Waltz" é um disco ousado. Nele, o grupo abandona de vez o death metal melódico e mergulha fundo em uma sonoridade totalmente nova, que mescla o heavy metal com elementos industriais, góticos e até mesmo dançantes. O resultado é um álbum que assustará os mais ortodoxos, mas reservará ótimas surpresas para quem tem a cabeça mais aberta.

Rockstars: as filhas mais lindas dos astros do rockHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Com um visual carregado e uma performance extremamente teatral, o quinteto formado por Johannes Eckerström (vocal), Jonas Jarlsby (guitarra), Simon Andersson (guitarra), Henrik Sandelin (baixo) e John Alfredsson (bateria) demonstra ter ouvido muito Marilyn Manson, Deathstars e, principalmente, Rammstein, durante os três anos que separam "Black Waltz" de seu antecessor, batizado com o nome da banda e lançado em 2009. O som que sai das caixas ainda mantém alguns elementos dos discos anteriores, principalmente no trampo das guitarras, mas o restante soa totalmente diferente. Baixo e bateria constróem grooves incessantes, enquanto as batidas são retas e pesadas. E o vocal de Eckerström vai do mais extremo gutural a passagens limpas, onde emula o timbre de Marilyn Manson – ouça "Let it Burn" e comprove. Não à toa, a primeira faixa do disco se chama "Let Us Die", como que avisando os fãs de que a banda que eles conheciam anteriormente não existe mais.

Doentio, pertubador e com um ar meio circense, "Black Waltz" é um álbum muito interessante, pois experimenta novas possibilidades para o heavy metal. Além disso, vai um pouco além das influências citadas por sempre manter, em cada composição, algo próximo do metal mais convencional, seja nos solos, nas melodias ou nos refrões, um dos pontos fortes do grupo. A longa "Use Your Tongue", última faixa do disco, é o melhor exemplo dessa alquimia, até com uns toques de blues.

Uma grande surpresa, afinal poucas bandas teriam coragem de se reinventar completamente após 10 anos de carreira. Se você não tem medo de experimentar novos sons, irá curtir.

Faixas:
Let Us Die
Torn Apart
Ready for the Ride
In Napalm
Black Waltz
Blod
Let it Burn
One Touch
Paint Me Red
Smells Like a Freakshow
Use Your Tongue




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rockstars: as filhas mais lindas dos astros do rockRockstars
As filhas mais lindas dos astros do rock

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin