Avatar: Um álbum que assustará os mais ortodoxos

Resenha - Avatar - Black Waltz (2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quarto trabalho da banda sueca Avatar, "Black Waltz" é um disco ousado. Nele, o grupo abandona de vez o death metal melódico e mergulha fundo em uma sonoridade totalmente nova, que mescla o heavy metal com elementos industriais, góticos e até mesmo dançantes. O resultado é um álbum que assustará os mais ortodoxos, mas reservará ótimas surpresas para quem tem a cabeça mais aberta.
5000 acessosSeparados no nascimento: James Hetfield e o Leão Valente5000 acessosAs regras do Viking Metal

Com um visual carregado e uma performance extremamente teatral, o quinteto formado por Johannes Eckerström (vocal), Jonas Jarlsby (guitarra), Simon Andersson (guitarra), Henrik Sandelin (baixo) e John Alfredsson (bateria) demonstra ter ouvido muito Marilyn Manson, Deathstars e, principalmente, Rammstein, durante os três anos que separam "Black Waltz" de seu antecessor, batizado com o nome da banda e lançado em 2009. O som que sai das caixas ainda mantém alguns elementos dos discos anteriores, principalmente no trampo das guitarras, mas o restante soa totalmente diferente. Baixo e bateria constróem grooves incessantes, enquanto as batidas são retas e pesadas. E o vocal de Eckerström vai do mais extremo gutural a passagens limpas, onde emula o timbre de Marilyn Manson – ouça “Let it Burn” e comprove. Não à toa, a primeira faixa do disco se chama “Let Us Die”, como que avisando os fãs de que a banda que eles conheciam anteriormente não existe mais.

Doentio, pertubador e com um ar meio circense, "Black Waltz" é um álbum muito interessante, pois experimenta novas possibilidades para o heavy metal. Além disso, vai um pouco além das influências citadas por sempre manter, em cada composição, algo próximo do metal mais convencional, seja nos solos, nas melodias ou nos refrões, um dos pontos fortes do grupo. A longa "Use Your Tongue", última faixa do disco, é o melhor exemplo dessa alquimia, até com uns toques de blues.

Uma grande surpresa, afinal poucas bandas teriam coragem de se reinventar completamente após 10 anos de carreira. Se você não tem medo de experimentar novos sons, irá curtir.

Faixas:
Let Us Die
Torn Apart
Ready for the Ride
In Napalm
Black Waltz
Blod
Let it Burn
One Touch
Paint Me Red
Smells Like a Freakshow
Use Your Tongue

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Avatar"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
James Hetfield e o Leão Valente

Viking MetalViking Metal
Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!

RhythmRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

5000 acessosNirvana: Kurt Cobain leva surra em cima do palco em 19915000 acessosU2: as 10 melhores músicas de todos os tempos da banda5000 acessosEmo: gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nada5000 acessosDerek Riggs: a inspiração para a capa do álbum Iron Maiden5000 acessosIron Maiden: fãs não estão preparados para "Empire of The Clouds"5000 acessosIron Maiden: grande inspiração para James Hetfield, do Metallica

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online