Ad Hominen: conheça a banda e tire suas próprias conclusões

Resenha - Dictator: A Monument of Glory - Ad Hominen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Hoje em dia, com o ‘bom mocismo’ vigente no Metal e mesmo em toda a sociedade, muitas bandas acabam sendo relegadas ao conhecimento de bem poucos, inclusive sofrendo pesadas acusações, sendo que estas nem sempre são dignas de atenção.
5000 acessosAvenged Sevenfold: as mulheres da vida dos integrantes da banda5000 acessosAlguns dos maiores mitos do Rock n' Roll

O Metal não é um som para ‘bons moços’, incapazes de terem atitudes individuais e críticas, que apenas acatam o que lhes mandam fazer. É um estilo musical com proposta cultural/ideológica tão forte que abala as estruturas sociais, que tentam reagir na forma de calúnias e com regras que pedem “respeito” para a defesa daqueles que há tanto nada fazem e que apenas tornam nosso mundo um lugar pior a cada novo dia.

Que cada um pense por si mesmo e pese a qualidade do que lhe dizem.

Escrevo estas linhas para que o caro leitor não tenha medo de ouvir o som de bandas mais polêmicas, e que possa ler as letras e tirar suas próprias conclusões. Bandas como o AD HOMINEN exigem isso de quem ouve seu trabalho.

Esta excelente one man band (seu mentor chama-se Kaiser) de War Black Metal da França chega até nós via Höllehammer Records, com seu “Dictator – A Monument of Glory”, seu quarto full-lenght. Graças às citações da filosofia de Nietzsche, anti-monoteísmo e culto ao ser, a banda acaba sendo tachada como NSBM, o que Kaiser desmente em todas as suas entrevistas.

A apresentação visual muito bonita e bem cuidada do CD é prenúncio de coisa boa, e a intro “In Power” prepara o clima para “Dictator”, uma ótima faixa, rápida e instigante, com um coro que empolga, e uma boa dose de Punk/Hardcore, e os andamentos são de deixar o ouvinte arrepiado. Em seguida vem “Slaves of God”, outra música bem pesada e com boa pegada e grandes refrãos, assim como a longa “The Encomium of Terror”, bem variada e com aquele clima de guerra mesmo. “Chambers of Hate” começa com uma intro bem típica de War Metal, com baixo pulsante e lembrando bandas de Hardcore finlandesas como RATTUS, e mais uma vez, grande refrões, elementos encontrados também em “Solitary Supremacy”, sendo esta mais rápida que a anterior.

“ZOG is dead” já é mais cadenciada no início, naquela conhecida levada “lenta e pesada”, e assim fica uma boa parte do tempo, para depois virar uma verdadeira metralhadora Black Metal para todos os lados, e mais para o final, volta a ser lenta, pesada e instigante. “Total Völkermord”, que vem da Demo “Omnes Ad Unum”, de 2000, mantendo o pique do CD, e fecha com “Schlachthaus Der Gedanken”, que para os curiosos, significa ‘Matadouro de Pensamentos’, uma faixa longa e arrasadora, de andamento ameno e lento, cadenciado e pesado como é a proposta da banda.

E como eu disse no início, antes de pensar algo, indico que ouça e leia o que a banda tem a dizer sobre si e sobre seu trabalho, já que acusar alguém sem lhe dar direito de resposta é algo digno da Inquisição Espanhola, e não de fãs de Metal.

Tracklist:
1. In Power
2. Dictator
3. Slaves of God
4. The Encomium of Terror
5. Chambers of Hate
6. Solitary Supremacy
7. Zog is Dead
8. Total Völkermord
9. Schlachthaus Der Gedanken

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Ad Hominen"

A7XA7X
As mulheres da vida dos integrantes da banda

Boatos no rockBoatos no rock
Satanismo, supositórios, sexo bizarro?

13 fatos que afirmam13 fatos que afirmam
"O rock está morto e enterrado"

5000 acessosMalmsteen: Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarrista5000 acessosBruce Dickinson: punks não sabem tocar e tem inveja do metal5000 acessosStryper: Tom Araya fala sobre demônio, sai do palco e vai rezar5000 acessosRob Halford: qual a canção mais demoníaca que existe no metal?5000 acessosO Som do LP de vinil é superior?: Sabe de nada, inocente!5000 acessosMetallica: a regressão técnica de Lars Ulrich

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online